Legião queniana dominou a meia maratona do Rio de Janeiro

A legião queniana não deu nenhuma chance para os brasileiros e, mais uma vez, dominou a VIII Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro, disputada neste domingo pela manhã sob forte calor por ruas e avenidas da zona sul carioca. John Gwako, o recor

  
  

A legião queniana não deu nenhuma chance para os brasileiros e, mais uma vez, dominou a VIII Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro, disputada neste domingo pela manhã sob forte calor por ruas e avenidas da zona sul carioca.

John Gwako, o recordista da prova, obteve o tricampeonato no masculino, enquanto Rita Jeptoo ganhou no feminino.Franck Caldeira (Pé de Vento/Mizuno/ Unicsul) e Adriana Aparecida da Silva (Papa Légua/Mizuno) foram os brasileiros mais bem colocados, terminando em quarto e em terceiro lugares,respectivamente. Os dois estão pré-convocados para a disputa do Mundial de Meia Maratona da Índia, em outubro.

Com 13.300 participantes, a prova teve novamente um alto nível técnico, apesar do calor e da umidade que prejudicaram um pouco o desempenho dos atletas. Na largada da categoria masculina, na Praia de São Conrado, a temperatura oscilava entre 24 e 25 graus C. Com sol, a competição mostrou de novo um dos cenários mais bonitos do calendário internacional, com a bela orla carioca como fundo.

A vitória foi um verdadeiro presente de aniversário para John Gwako, que completou 25 anos neste sábado. Ele comemorou bastante o resultado, embora não tenha conseguido melhorar o recorde da prova, que é dele mesmo com 1h01min48, obtido em 2000.

`Comecei a corrida um pouco inseguro, mas no decorrer da prova ganhei mais confiança e forcei o ritmo`, lembrou o fundista. `Corri para o recorde do 12º ao 18º quilômetro, mas depois vi que não conseguiria. O calor e a umidade atrapalharam meu desempenho.`

Antes da prova deste domingo, John Gwako havia vencido as edições de 1998 e de 2000. `Estou muito feliz com a minha terceira vitória. A corrida teve atletas de alto nível e é sempre bom vencer provas fortes`, disse o atleta, que ganhou R$ 15 mil pelo primeiro lugar e um bônus de R$ 7,5 mil por ter completado os 21.095 metros do percurso em menos tempo do que o índice fixado em 1h02min30. Gwako obteve o tempo de 1h02min11, seguido de seus compatriotas Robert Cheruiyot e Philip Rugut.

O mineiro Franck Caldeira gostou do quarto lugar na prova e espera o técnico Henrique Viana definir sua participação no Mundial de Nova Delhi, na Índia.

`Vou comprar um cocar para correr na Índia`, disse brincando. `Foi a quarta vez que competi no Rio e meu objetivo era chegar ao pódio. A competição foi muito difícil e a prova está na classificação do Rugut, que ganhou nos dois últimos anos e, agora, chegou em terceiro. Espero poder repetir este resultado na São Silvestre`,comentou.

No feminino, Rita Jeptoo teve maiores dificuldades. Ela só garantiu a vitória nos últimos metros, depois de um sprint com a também queniana Rose Jupchumba e com paulista Adriana Aparecida da Silva.

`O início da corrida foi duro e não tinha certeza se conseguiria vencer. Só percebi realmente que estava bem depois do 15º quilômetro. Aí corri pela vitória, sem me
preocupar com o tempo.` Satisfeita com a vitória, ela elogiou a organização e gostou da experiência de competir pela primeira vez no Brasil. `Achei a prova muito bonita e o povo mostrou ser educado. Gostaria de voltar,` antecipou a queniana, que ganhou R$ 15 mil pelo título.

Adriana Aparecida da Silva festejou o terceiro lugar. Também classificada para o Mundial de Meia-Maratona, ela disse que tentou acompanhar o ritmo das quenianas, mas não conseguiu. `Eu encostava nelas, mas não abria vantagem. O ritmo foi muito forte e chegar ao pódio é a realização de um sonho`, resumiu.

A queniana Anne Jelagat, bicampeã da prova, terminou a corrida em sexto lugar. Os 10 primeiros colocados nas duas categorias receberam prêmio em dinheiro, somando R$ 83.500,00. Os resultados da Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro foram os seguintes:

Masculino:

1 John Gwako (KEN), 1h02min11
2 Robert Cheruiyot (KEN), 1h02min52
3 Philip Rugut (KEN), 1h03min15
4 Franck Caldeira (BRA), 1h03min40
5 Paulo Alves dos Santos (BRA), 1h04min07
6 Valdenor Pereira dos Santos (BRA), 1h04min54
7 Claudir Rodrigues (BRA), 1h05min01
8 Willian Salgado Gomes (BRA), 1h05min11
9 José Teles de Souza (BRA), 1h05min18
10 Ubiratan José dos Santos (BRA), 1h05min36

Feminino:

1 Rita Jeptoo (KEN), 1h14min25
2 Rose Jupchumba (KEN), 1h14min28
3 Adriana Aparecida da Silva (BRA), 1h14min32
4 Deborah Mengich (KEN), 1h14min53
5 Ednalva Laureano da Silva (BRA), 1h15min19
6 Anne Kibor (KEN), 1h15min43
7 Maria do Carmo Arruda (BRA), 1h16min28
8 Selma Cândido dos Reis (BRA), 1h16min42
9 Marily dos Santos (BRA), 1h16min53
10 Rosa Barbosa (BRA), 1h16min56

Cadeirante:

1 Wendel da Silva Soares, 59min05
2 Arisosvaldo Fernandes, 59min06
3 Fernando Aranha, 1h06min03

TODOS OS CAMPEÕES

1997 - Tomix da Costa (BRA), 1h04m04s/Ornela Ferraro (ITA), 1h14m53s
1998 - John Gwako (KEN), 1h01m49s/Martha Tenório (ECU), 1h11m40s
1999 - Luiz Antônio dos Santos (BRA), 1h03m40s/Margareth Okaio (KEN), 1h12m07s
2000 - John Gwako (KEN), 1h01m48s/Margareth Okaio (KEN), 1h11m22s
2001 - João Baptista N’Tyamba (ANG), 1h03m31s/Selma dos Reis (BRA), 1h15m02s
2002 - Philip Rugut (KEN), 1h03m03s/Anne Jelagat (KEN), 1h13m49s
2003 - Philip Rugut (KEN), 1h03m44s/Anne Jelagat (KEN), 1h13m53s
2004 John Gwako (KEN), 1h02min11/Rita Jeptoo (KEN), 1h14min25

Recordistas: John Gwako (KEN), 1h01m48 (2000) / Margareth Okaio (KEN), 1h11m25(2000).

A Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro é uma realização da Rede Globo de Televisão, com organização da Yescom e direção técnica da Events. A supervisão é da IAAF, AIMS, Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) e Federação de Atletismo do Rio de Janeiro (FARJ). O patrocínio é Caixa Econômica Federal, com apoio da Varig, Halls, Golden Cross e Mizuno.

Fonte: ZDL de Comunicação

  
  

Publicado por em

Renata Barbosa Santos da Cruz

Renata Barbosa Santos da Cruz

12/10/2008 12:35:16
Sempre acompanhei a meia marotona do RJ, gosto muito do evento, porém, gostaria que a Rede Globo valorizasse mais os atletas amadores, transmitindo a prova até o fim, pois já que eles são a grande maioria, e sem eles, não haveria essa competição tão bonita.sei que a globo transmitiu outros esportes durante o domingo (dentro do esporte espetacular)mas temos que valorizar mais um pouco os atletas de "rua" e deixar o futebol, que já é supervalorizado um pouco de "lado".
Um abraço, Renata