Marcelo Ferreira e Joca completam núcleo nacional do Brasil 1

O bicampeão olímpico Torben Grael definiu os últimos dois velejadores brasileiros que vão disputar a Volvo Ocean Race, a mais tradicional regata de volta ao mundo. Nesta quarta-feira, ele anunciou que Marcelo Ferreira, seu parceiro há 15 anos na class

  
  

O bicampeão olímpico Torben Grael definiu os últimos dois velejadores brasileiros que vão disputar a Volvo Ocean Race, a mais tradicional regata de volta ao mundo.

Nesta quarta-feira, ele anunciou que Marcelo Ferreira, seu parceiro há 15 anos na classe Star, e Joca Signorini, que disputou a Olimpíada de Atenas na Finn, serão tripulantes do Brasil 1.

`Com cinco brasileiros, nossa equipe deve ser uma das mais nacionalizadas da corrida. O Brasil nunca participou da Volvo, então, é um feito muito grande reunir tantos velejadores talentosos para a regata`, comemora Torben, maior medalhista olímpico do Brasil e da vela mundial, com cinco conquistas.

Marcelo e Joca se juntam a Kiko Pellicano, anunciado na semana passada, e André `Bochecha` Fonseca, que está morando em Indaiatuba, onde acompanha a construção do Brasil 1, primeiro barco a ser feito no país a disputar a regata.

Aos 39 anos, Marcelo Ferreira se prepara para um dos desafios mais duros de sua carreira: serão cerca de oito meses de competição.

`É a primeira vez que o Brasil disputa essa regata, todos teremos que provar nossa capacidade. O barco é genuinamente brasileiro, o projeto é pioneiro e isso é excelente para a vela do país`, elogia.

Proeiro de Torben há 15 anos, Marcelo conquistou três medalhas olímpicas, todas na classe Star. Em Atlanta-1996 e Atenas-2004, os dois levaram o ouro. Em Sydney-2000, ficaram com a prata.

`É uma parceria muito longa e ele era uma escolha óbvia. Não tenho o que comentar sobre o Marcelo. Nossa primeira regata juntos, inclusive, foi de Oceano, há 20 anos, em Ilhabela`, lembra Torben.

Joca, de 27 anos, veleja desde os 8. Ele se destacou na classe Laser, mas mudou em 2002 para a Finn, na qual conquistou o décimo lugar na Olimpíada de Atenas.

Engenheiro mecânico e de produção formado na PUC-Rio, ele foi escolhido devido a duas características: sua habilidade como timoneiro e o bom porte físico.

`Entre os quatro escolhidos, o Joca é o que eu tenho menos contato. Nunca velejei com ele. Mas ele é muito bom em ventos folgados e, além disso, tem um porte físico excelente. É ótimo achar alguém que une essas duas qualidades. Sem contar que é uma pessoa de relacionamento fácil`, explica o comandante.

`Será uma honra velejar com o Torben. Me senti honrado quando recebi o convite. Eu aprendi a velejar em Oceano, então não terei muitos problemas. E a minha classe, a Finn, é uma das mais procuradas para essas regatas de volta ao mundo, por causa do porte dos velejadores. Na Olimpíada de Atenas, vários competidores tinham experiência na Volvo`, afirma Joca.

Olimpíada

Com a participação no projeto Brasil 1, tanto Joca quanto Marcelo darão uma pausa nas campanhas olímpicas para Pequim-2008. Os dois concordam, porém, que esse tempo não os prejudicará.

`Essa é a hora certa de embarcar em desafios assim. No período pós-Olimpíada, tudo anda mais devagar e vários velejadores estão engajados em competições como a Volvo`, garante Joca.

`Para Sydney, o Torben terminou de participar da America`s Cup no final de 1999 e ainda assim ficamos com o bronze na Austrália`, completa Marcelo.

Estrangeiros

Após definir os cinco brasileiros, Torben Grael tem ainda de escolher mais cinco estrangeiros para a tripulação do Brasil 1. Ele e Alan Adler, coordenador do projeto, estão recebendo e-mails de candidatos de todas as partes do mundo. Os dois já fizeram várias entrevistas, mas ainda não fecharam nenhum nome.

`Com os estrangeiros, além da qualidade técnica e da personalidade, vamos levar em conta também experiência, que é fundamental para dar a volta ao mundo`, diz Torben.

O Brasil 1 deve ter duas línguas oficiais: português e inglês. `Como vou falar em português com os brasileiros, os estrangeiros vão começar a entender com o tempo. Mas quando as coisas estiverem mais difíceis e a equipe tiver de trabalhar junta, não vai dar para fugir do inglês`, brinca o comandante do Brasil 1, que é patrocinado pela VIVO, Motorola, QUALCOMM e Apex (Agência de Promoção de Exportações do Brasil).

A Volvo Ocean Race começa no dia 5 de novembro de 2005, na região da Galícia, na Espanha.

Fonte: ZDL de Comunicação

  
  

Publicado por em