Melhor do mundo, Scheidt volta ao Brasil e segue para o mar

Mal terminou de saborear a eleição de melhor velejador do mundo em 2004 segundo a Federação Internacional de Vela (ISAF) e o bicampeão olímpico e hepta mundial da classe Laser Robert Scheidt vai voltar a competir. Scheidt desembarca no aeroporto de Cu

  
  

Mal terminou de saborear a eleição de melhor velejador do mundo em 2004 segundo a Federação Internacional de Vela (ISAF) e o bicampeão olímpico e hepta mundial da classe Laser Robert Scheidt vai voltar a competir.

Scheidt desembarca no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na manhã desta quinta-feira, e tem pela frente o Campeonato do 7º Distrito de Star, entre sexta e segunda, no Rio de Janeiro.

Robert e o proeiro Bruno Prada, que já têm garantida vaga no Mundial da categoria, em janeiro, na Argentina, vão disputar sete regatas. A partir da disputa da quinta prova, cada competidor tem direito a um descarte.

Na noite de terça-feira, no teatro Cirkusbygningen, em Copenhague, na Dinamarca, Robert recebeu o troféu de melhor do mundo das mãos do príncipe Fredrik, repetindo a conquista de 2001.

“Ganhar esse prêmio pela segunda vez é mais especial. Principalmente por ser um ano olímpico, com todos os medalhistas de ouro brigando por esse título”, contou Scheidt, de 31 anos, patrocinado pelo Banco do Brasil, Medley Genéricos, Varig e Volvo Car Brasil e integrante da Equipe Petrobras de Vela.

No momento de receber o troféu, Robert, que também ganhou um relógio Rolex, foi aplaudido de pé pela platéia. Estavam presentes na cerimônia personalidades da vela no mundo, casos do neozelandês Russell Coutts, também eleito duas vezes o melhor do mundo, da norueguesa Siren Sundby, vencedora no ano passado, e da lenda dinamarquesa Paul Elvstrom, dono de quatro medalhas olímpicas de ouro. No discurso, Scheidt apontou Elvstrom como “o maior velejador olímpico de todos os tempos”.

Na premiação feminina, as gregas Sofia Bekatorou e Emilia Tsoulfa, medalhas de ouro na Olimpíada de Atenas e tetracampeãs mundiais na classe 470, receberam o troféu do rei grego Constantino.

Nesta quarta pela manhã, no porto de Copenhague, Scheidt e Sofia Bekatorou disputaram uma regata-exibição de match race. Robert venceu a disputa contra a grega e, em companhia do dinamarquês Jesper Bank, dono de três medalhas olímpicas e mestre da cerimônia de terça-feira, venceu Russell Coutts e Sofia em outra regata-exibição. “Foi uma manhã bastante divertida”, comentou o neozelandês, melhor do mundo em 2003.

Após 22 anos de carreira, Robert Scheidt tem no currículo 114 títulos, três medalhas olímpicas (ouro em Atlanta/96 e Atenas/2004 e prata em Sydney/2000) e sete títulos mundiais (Tenerife - Espanha/95, Cidade do Cabo - África do Sul/96, Algarrobo - Chile/97, Cancún - México/2000, Cork - Irlanda/01, Cape Cod - EUA/02 e Bodrum -Turquia/ 04). O velejador é ainda tricampeão pan-americano, octacampeão paulista e decacampeão brasileiro, sempre na classe Laser.

Depois do Campeonato do 7º Distrito, Scheidt participa da última etapa do Match Race Brasil, competição barco contra barco, de 18 a 21 de novembro, também no Rio de Janeiro.

Fonte: ZDL de Comunicação

  
  

Publicado por em