O jovem corredor mineiro surpreendeu o queniano e venceu a Volta da Pampulha

A torcida fez uma grande festa na manhã deste domingo em Belo Horizonte quando o mineiro Franck Caldeira de Almeida cruzou a linha de chegada da Volta da Pampulha. Ele foi campeão da quinta edição de uma maiores corridas do país e se tornou o primeiro atl

  
  

A torcida fez uma grande festa na manhã deste domingo em Belo Horizonte quando o mineiro Franck Caldeira de Almeida cruzou a linha de chegada da Volta da Pampulha. Ele foi campeão da quinta edição de uma maiores corridas do país e se tornou o primeiro atleta local a vencer a prova de 17.850 metros, no tempo de 52min49, consolidandos-se como uma dos principais corredores do Brasil.

O queniano Stephen Rerimoi, que era o favorito, chegou em 13 segundos depois, seguido de outro mineiro, Rômulo Wagner da Silva. O bicampeão desta competição, Vanderlei Cordeiro de Lima, foi o quinto colocado.

Entre as mulheres, a queniana Salina Kosgei não permitiu surpresas. Venceu de ponta a ponta, em 1h02min20seg, mais de um minuto à frente da baiana Sirlene Souza de Pinho. A medalha de ouro no Pan, Márcia Narloch terminou em quarto.

A prova distribuiu total de R$ 30 mil de prêmios aos cinco melhores do masculino e do feminino e contou com 6 mil corredores,número recorde, além de 700 caminhantes, que fizeram percurso de apenas quatro quilômetros.

Ao contrário dos outros dias desta semana, Belo Horizonte amanheceu com uma temperatura amena e com o céu nublado, para sorte dos participantes da V Volta Internacional da Pampulha, competição realizada em torno da bela Lagoa da Pampulha e que já se firmou como uma das mais importantes provas do calendário nacional. Quando foi dada a largada, no meio da manhã, a temperatura era de 24º C, com 70% de umidade.

A prova masculina mostrou que o queniano Rerimoi não estava para brincadeira. Ele saiu na ponta e, com passadas firmes, começou a abrir vantagem para alguns brasileiros, como Leonardo Vieira, Paulo Alves dos Santos, Genilson da Silva, Franck Caldeira e Vanderlei Cordeiro de Lima.

No sexto quilômetro, Franck assumiu o segundo lugar e começou a se destacar. Foi tirando a diferença para o queniano, que chegou a 150 metros, para assumir a liderança da prova no décimo quilômetro.

A partir daí, tentou forçar o ritmo novamente, mas Stephen ficou colado no mineiro de Sete Lagoas. Sómente a partir do 15º quilômetro o brasileiro conseguiu abrir vantagem para cruzar a linha de chegada e conquistar a principal prova de sua carreira.

Assim que venceu a prova, Franck, de apenas 20 anos, deu um soco no ar,se ajoelhou e começou a chorar.

“Quero agradecer a Deus e ao meu técnico (Henrique Viana). Agora espero fechar o ano com chave de ouro vencendo a São Silvestre”, afirmou, emocionado, uma das maiores promessas do atletismo brasileiro.

“Considero o Henrique meu segundo pai, pois saí de casa muito cedo. Ele me ajuda em tudo, mostrando os caminhos. Meu objetivo aqui era o pódio. Por isso, forcei o ritmo e, quando passei o queniano, achei que iria abrir fácil. Mas ele não desistiu e só final consegui uma pequena vantagem.

A vitória foi um momento mágico, por isso me emocionei tanto”, explicou o jovem corredor, patrociando pelo Arpoador e Unicsul, que tem outro queniano como referência, Paul Tergat, atual recordista mundial da maratona e pentacampeão da São Silvestre.

Franck está radicado em Petrópolis (RJ) há três anos, desde que começou a treinar com Henrique Viana e levar o esporte a sério. Neste período tem feito marcas surpreendentes até para o seu técnico. É o atual recordista sul-americano dos 10 quilômetros em pista, com 29m28, marca obtida no Rio de Janeiro em 2002, e é tricampeão brasileiro dos 10 mil em pista.

Nas corridas de rua, foi quinto no ano passado na Meia Maratona do Rio e neste ano fez bons resultados, principalmente nas últimas semanas, depois de uma temporada de um mês, entre julho e agosto, treinando na altitude de Cochabamba (2.650 metros) na Bolívia. Ficou em oitavo na Meia Maratona do Rio de Janeiro, no final de agosto, e em outubro terminou em segundo nos 10 k da Unicsul, em São Paulo, quando enfrentou os melhores do país, e ganhou a Corrida da Integração, em Campinas.

Agora ele vai se preparar exclusivamente para a São Silvestre. Viaja novamente para a Bolívia no dia 12, quando ficará quatro semanas treinando em Cochabamba e duas semanas em Oruro, que é ainda mais alto, fica a 3.200 metros acima do nível do mar.

Para Henrique Viana, Franck é candidato certo ao pódio da São Silvestre.

“Este menino só me surpreende e vem conquistando as metas sempre mais cedo do que o previsto. Ele já é um dos três melhores do Brasil e é dos favoritos para a São Silvestre”, garantiu Viana, com o prestígio de já ter treinado nomes como Ronaldo da Costa (campeão da São Silvestre em 94 e ex-recordista mundial da maratona) e Luís Antonio dos Santos, um dos melhores maratonistas do país.

O queniano Rerimoi gostou muito da prova, apesar da derrota no final. “Senti uma fisgada no diafragma, no 14º quilômetro, e por isso diminui o ritmo, procurando garantir o segundo lugar. A competição é disputada num percurso plano, perfeito para meu estilo, e num lugar lindo”, afirmou.

O bicampeão da Volta da Pampulha, Vanderlei Cordeiro de Lima, chegou em quinto, mas ficou feliz. “Fiz um percurso tranqüilo, dentro do meu ritmo. Esta prova é muito rápida para quem está treinando para uma maratona. Por isso estou contente pelo pódio”, salientou.

O medalha de ouro no Pan de Santo Domingo vai correr a Maratona de Fukuoka, no Japão, em dezembro para tentar obter o índice para a Olimpíada de Atenas.

DOMÍNIO ABSOLUTO DA QUENIANA SALINA

Se Rerimoi teve problemas com um jovem brasileiro, o mesmo não aconteceu com sua compatriota Salina Jebet Kosgei. Ela confirmou totalmente seu favoritismo e não deu nenhuma chance às adversárias. Saiu na frente e foi abrindo vantagem a cada quilômetro. Não foi importunada por ninguém até a vitória em pouco mais de uma hora.

“A prova foi excelente. O percurso é exatamente como eu gosto e fiz um ritmo ideal, sem ser ameaçada”, afirmou a atleta que veio ao Brasil pela primeira vez. Ela tem 26 anos e está em bom momento na carreira. Foi 16ª colocada nos 10 mil metros do Mundial de Paris, além de ter sido vice-campeã na meia maratona de Lilly, na França, e nos 20 quilômetros de Marselha, resultados obtidos nesta temporada.

A segunda colocada, a baiana radicada em Santos, Sirlene Souza de Pinho, também surpreendeu muita gente ao fazer o melhor resultado da carreira. “Procurei acompanhar a Márcia Narloch desde a largada e, aos poucos, consegui abrir até conquistar o segundo lugar. Tenho de treinar muito ainda para chegar aonde a Márcia está”, explicou, reverenciando a medalha de ouro no Pan.

Sirlene tem 25 anos e mora em Santos. É patrocinada pelo Memorial e Mizuno e, em outubro, conquistou os 10 k dos Jogos Abertos disputados em Santos. No final de agosto foi quarta colocada na Meia Maratona do Rio.

“Estou muito orgulhosa do resultado e principalmente por ter sido abraçada pela queniana, algo que não vou esquecer tão cedo. Agora quero treinar para a São Silvestre”.

Entre as brasileiras, não houve surpresas. Leone Justino ficou em terceiro, seguida de Márcia Narloch. Maria Zeferina Baldaia, apontada como favorita, não foi bem e sentindo ainda a falta de ritmo acabou na 12ª posição.

Os dez melhores em cada categoria foram os seguintes:

Masculino

1.Franck Caldeira (BRA), 52min49seg;

2. Stephen Rerimoi (KEN), 53min02seg;

3. Rômulo da Silva (BRA), 53min30seg;

4. Paulo Alves dos Santos (BRA), 53min35seg;

5. Vanderlei Cordeiro de Lima (BRA), 53min55seg;

6. Clodoaldo Silva (BRA), 54min12seg;

7. Israel dos Anjos (BRA), 54min37seg;

8. Leonardo Guedes (BRA), 54min44seg;

9. Lindomar de Oliveira (BRA), 55min06seg;

10. William Amorim (BRA), 55min10seg;

Feminino

1. Salina Kosgei (KEN), 1h02min20seg;

2. Sirlene de Pinho (BRA), 1h03min35seg;

3. Leone Justino (BRA), 1h04min10seg;

4. Marcia Narloch (BRA), 1h04min21seg;

5. Lucélia Peres (BRA), 1h04min39seg;

6. Rosa Barbosa (BRA), 1h05min00seg;

7. Marizete Santos (BRA), 1h05min19seg;

8. Ana Paula Ferreira (BRA), 1h05min36seg;

9. Luciene de Jesus (BRA), 1h05min49seg;

10. Selma dos Reis (BRA), 1h05min49seg;

Atletas Especiais

1. Izael Frade (BRA), 1h16min48seg;

2. José Carlos Florentino (BRA), 1h17min35seg.

A V Volta Internacional da Pampulha foi uma realização e organização da Rede Globo e Yescom, com direção técnica da Events. A supervisão foi da Confederação Brasileira de Atletismo e Federação Mineira de Atletismo, com apoio da Prefeitura de Belo Horizonte e Clacce. O patrocínio foi de Oi e Sedex.

Fonte: ZDL de Comunicação

  
  

Publicado por em