Organizações Não-Governamentais ganham espaço na Adventure Fair

São Paulo (SP) - Entre os dias 7 e 11 de agosto, o terceiro piso do Pavilhão da Bienal ficará verde. A Adventure Fair, maior feira de esportes e turismo de aventura, abrirá espaço para o turismo sustentável. Além de reunir todos os setores envolvidos com

  
  

São Paulo (SP) - Entre os dias 7 e 11 de agosto, o terceiro piso do Pavilhão da Bienal ficará verde. A Adventure Fair, maior feira de esportes e turismo de aventura, abrirá espaço para o turismo sustentável. Além de reunir todos os setores envolvidos com o mercado de aventura, a feira também promoverá o Fórum Interamericano de Turismo Sustentável. O evento vai ceder espaço para mais de 30 organizações não-governamentais mostrarem seus trabalhos.

Dividirão o espaço ONGs ambientalistas (SOS Mata Atlântica, WWF Brasil, Reserva da Biosfera, Fundação Matutu, Greenpeace, Instituto de Permacultura, Gambá, Pega Leve, Instituto Mamirauá e Instituto de Pesquisas Ecológicas), de turismo (Férias Vivas, Outward Bound, Aventura Especial, Instituto de Ecoturismo do Brasil, Ecoassociação e Associação Roteiros de Charme) e ligadas à certificação (Programa de Certificação em Turismo Sustentável, Conselho Brasileiro de Turismo Sustentável e Rede de Certificação de Turismo Sustentável da Américas). A maioria dessas ONGs vai indicar novas maneiras de práticas de ecoturismo de mínimo impacto para a natureza, além de lançar outros projetos.

WWF Brasil, instituição criada em 1971 e que integra a maior rede mundial de conservação da natureza, participa pelo segundo ano consecutivo da Adventure Fair. Ela destacará o novo projeto de turismo no Parque Nacional do Pantanal, situado ao lado da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), que tem em vista a manutenção da área, conservando, dessa forma, a natureza local. O projeto será realizado em parceria com a Fundação Ecotrópica e também ajudará as comunidades da região.

“A missão do WWF Brasil é contribuir para que a sociedade brasileira conserve a natureza, harmonizando a atividade humana com a preservação da biodiversidade e com o uso racional dos recursos naturais. Em nosso estande da Adventure Fair também abordaremos outro assunto importante que é o uso racional da água, incentivando as pessoas a economizarem mais e evitarem o desperdício”, diz Sérgio Salvati, coordenador do Programa de Turismo e Meio Ambiente da WWF Brasil, que executa atualmente 71 projetos em parceria com ONGs regionais e universidades.

Divulgar os trabalhos de comunidades que vivem ao redor de áreas prioritárias à conservação, desenvolvendo uma melhoria na renda das mesmas e, assim, obtendo apoio para a preservação local é uma das ações do Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPE), que participa da feira pela primeira vez. A ONG existe há 12 anos e realiza pesquisas sobre a fauna e a flora, educação ambiental e desenvolvimento sustentável.

O objetivo da instituição é conservar a biodiversidade brasileira e seus principais projetos estão em Pontal do Paranapanema (SP), onde os assentados do Movimento Sem Terra (MST) produzem buchas orgânicas, as Eco Buchas, destacando-se Valentin Degásperi, que faz buchas no formato de animais da região, como a onça pintada, o mico-leão e a anta. Em Nazaré Paulista (SP), as mulheres do bairro Moinho aprendem técnicas de bordado para artigos como camisetas, bonés e bolsas, todos com estampas da fauna e da flora da região. Já as artesãs de Superagüi, além da técnica de bordado, fabricam fantoches em formatos de animais regionais, como o papagaio-da-cara-roxa e o mico-leão-da-cara-preta. Essas mulheres conseguiram um aumento na renda de mais de 300%.

Em sua quarta participação na Adventure Fair, a Outward Bound Brasil (OBB), comunidade de organizações sem fins lucrativos espalhadas pelo mundo, visa desenvolver as potencialidades pessoais e as qualidades de liderança dos participantes, sempre em contato com a natureza, contará em seu estande um pouco da história da instituição, apresentar cursos de educação ao ar livre e programas específicos para empresas e escolas.

Já o Instituto de Ecoturismo do Brasil (IEB) tem o objetivo de desenvolver projetos relacionados ao planejamento turístico, a capacitação dos recursos humanos, o desenvolvimento de práticas ecoturísticas de mínimo impacto, legislações ambiental e turística, além de políticas públicas. Para divulgar estes assuntos, o instituto organiza congressos nacionais, cursos e palestras com temas de interesse de empresas privadas, órgãos públicos e sociedade civil. O instituto divulgará na feira uma agenda de palestras voltadas ao turismo sustentável, incluindo temas como ecoturismo para terceira idade, hospitalidade em ecoturismo, turismo rural, memória cultural, capacitação, educação e ética em ecoturismo, entre outros.

A ONG Pega Leve e o Portal EcoViagem apresentarão no estande da Adventure Fair a campanha “Conheça, Preserve e Faça Turismo Responsável”. A instituição preza a ética e a prática de mínimo impacto para ecoturismo e turismo de aventura. Já o site EcoViagem, que participa da feira desde a sua primeira edição, divulga matérias, eventos e viagens ligados ao tema. A campanha foi criada porque as pessoas não praticam o turismo com responsabilidade e consciência.

Aventura adaptada para portadores de deficiência física

A organização Aventura Especial divulgará na Adventure Fair 2004 seu trabalho de inclusão de pessoas com necessidades especiais (PNEs) no mundo do ecoturismo e na prática de esportes de aventura. Outro objetivo é alertar a indústria do turismo sobre o poder consumidor deste público, buscando, assim, um patrocinador para estruturar a divulgação do esporte de aventura adaptado. No estande, os visitantes poderão ver um mural com fotos de atletas especiais praticando diversos esportes de aventura, além de escalar uma parede no local, monitorada por profissionais especializados.

O objetivo do projeto idealizado pelo fotógrafo e jornalista Dadá Moreira, deficiente físico e praticante de esportes de aventura, é mostrar que tudo pode ser adaptado e é possível ter qualidade de vida, independentemente da dificuldade e de algumas limitações, inclusive os esportes de aventura, que podem ser praticados. Isso fortalece a idéia de que, com perseverança, determinação e força de vontade, tudo é possível.

Promover a segurança nas atividades de aventura e minimizar acidentes ocorridos no turismo. Esta é a principal intenção da Férias Vivas, que estará na feira pela terceira vez e, neste ano, criou em seu estande cinco setores para atender aos consumidores e fornecedores da indústria do turismo. O primeiro explicará o Código do Consumidor, esclarecendo direitos (consumidor) e obrigações (fornecedor). No segundo e no terceiro, serão distribuídas cartilhas com informações sobre prevenção e segurança em atividades turísticas, sendo o terceiro voltado somente para as empresas do setor, com explicações sobre o código de conduta e os riscos envolvidos nessas atividades. No quarto setor será montada uma loja com camisetas e adesivos da ONG e o quinto será voltado para os voluntários da Férias Vivas pesquisarem sobre os riscos do turismo de aventura.

  
  

Publicado por em