Os primeiros barcos para a regata Transat 6.50 chegaram a Salvador-BA

Chegaram na quarta-feira (15/10) a Salvador os primeiros barcos que disputam a regata TRANSAT 6.50 para velejadores em solitário, que largaram em setembro de La Rochelle França, passou por Lanzarote Ilhas Canárias, e estão a cerca de 300 milhas da linha

  
  

Chegaram na quarta-feira (15/10) a Salvador os primeiros barcos que disputam a regata TRANSAT 6.50 para velejadores em solitário, que largaram em setembro de La Rochelle França, passou por Lanzarote Ilhas Canárias, e estão a cerca de 300 milhas da linha de chegada, marcada para a frente do Centro Náutico da Bahia (CENAB) e Forte de São Marcelo .

Dos 70 veleiros com comandantes de várias nacionalidades que iniciaram a competição, nove desistiram por motivos diversos, e somente um brasileiro, Gustavo Pacheco, está nesta aventura, atualmente em 50o. lugar.

Já o neozelandês Donald ´Jaws´ Wright,, que mora na Bahia há mais de 4 anos e portanto sente-se mais brasileiro, ocupa a 25o .posição.

O percurso de quase 5 mil milhas da França ao Brasil, é feito solitariamente em barcos medindo apenas 6,5 metros, em condições espartanas.

Como parte dos preparativos para a recepção da regata Transat 6.50, as atividades começaram na terça, com 160
crianças carentes participando das oficinas de saúde, com tratamento e aulas sobre cuidados dentários, corte de
cabelos, medição, pesagem e higiene básica diária, como parte das ações do Projeto NAVEGAR, ministrado no
CENAB.

As crianças que fazem o Projeto NAVEGAR durante todo o semestre são divididas em dois turnos, das 8h00 às 12h00
para quem estuda à tarde, das 14h00 às 18h00 para alunos do período da manhã, com o atendimento feito pelos profissionais técnicos da Organização do Auxílio Fraterno (OAF).

Com entusiasmo, as crianças querem estar ´em
forma´ e ´bonitos´ para receber os primeiros velejadores solitários da TRANSAT 6.50 - regata também conhecida por
Minitransat (de transatlântica) .

As crianças, bem como os dirigentes do projeto, estão ansiosas para receber a comitiva do governo francês da região de Charente-Maritime, que manifestou interesse em contribuir financeiramente para que o CENAB amplie o
atendimento que proporciona às crianças carentes da Bahia.

“Mais do que aprender a velejar, as crianças atendidas no
Projeto Navegar adquirem noções fundamentais de cidadania, preenchendo as suas horas vagas, além do reforço alimentar que ganham após as aulas”, afirma a psicóloga Carolina Salume Ribeiro.

Fonte: ZDL de Comunicação

  
  

Publicado por em