Patrique Azevedo é o campeão de montanha na Volta de São Paulo

Na última etapa da Volta do Estado de São Paulo de Ciclismo, o paulistano Patrique Azevedo, 24 anos, conseguiu o prêmio de campeão de montanha, deixando o cearense Antonio Nascimento para trás. Esse foi o destaque da equipe Extra no fechamento de sua

  
  

Na última etapa da Volta do Estado de São Paulo de Ciclismo, o paulistano Patrique Azevedo, 24 anos, conseguiu o prêmio de campeão de montanha, deixando o cearense Antonio Nascimento para trás.

Esse foi o destaque da equipe Extra no fechamento de sua participação nas nove etapas da competição, que, em oito dias, passou por mais de 70 cidades, envolvendo 130 ciclistas divididos em 22 equipes, pedalando por mais de 1.400 km.

O time do técnico Mauro Ribeiro, segundo no ranking brasileiro, teve de lutar contra a falta de sorte para conseguir a quinta colocação no geral, ao menos ficando à frente da terceira colocada do ranking nacional,a santista Memorial.

José Aparecido dos Santos, o Zezinho, foi o 15° no individual, enquanto Renato Ruiz, que sofreu acidente neste domingo, terminou em 23°.

André Grizante, líder do ranking nacional e único ciclista a vencer duas etapas na Volta, foi o 25º. Daniel Soeiro terminou como o número 55, dois postos à frente de Azevedo.

“Estávamos bem preparados, mas sofremos coisas que acontecem com qualquer um. Na Fórmula 1, uma equipe como Williams, por mais estrutura que tenha, também acaba errando. Vamos olhar agora para o que vem pela frente, aprendendo com essa Volta”, disse Ribeiro, que considerou o resultado “relativamente bom”.

Grizante era a aposta da Extra para vencer a derradeira etapa, de Jundiaí para São Paulo (46,4 km). Ele já havia vencido essa prova na primeira edição da Volta, no ano passado. Mas sua bicicleta apresentou problemas e não conseguiu partir para o sprint.

“Estava no pelotão, esperando o momento para um
ataque-surpresa. Mas a correia escapou e não consegui forçar”, lamentou o ciclista, que chegou a liderar a volta e estava na segunda colocação geral até a prova do contra-relógio, na quinta-feira, em São José do Rio Preto. Ao contra-relógio, aliás, Grizante espera dar mais atenção para as próximas competições.

“Na estrada estamos muito bem, agora precisamos nos dedicar mais nesse tipo de corrida, que acabou fazendo a diferença.

Os argentinos treinam há muito tempo nisso, estão mais bem preparados, principalmente para uma distância longa como a desse ano”, disse o líder do ranking de estrada.

Apesar de não ser sua melhor prova, Grizante vinha bem na etapa, mas o pneu dianteiro de sua bicicleta estourou, tirando-lhe mais de 2min30seg dos primeiros colocados.

Foi na prova do contra-relógio que os argentinos Jorge Giacinti e Matias Médici, do Avaí/Florianópolis, e o brasileiro Pedro Autran Nicácio, da DataRo/Blumenau, dispararam na ponta da tabela.

Giacinti terminou como o campeão no individual, apenas administrando sua vantagem nas últimas etapas. Entre as equipes, venceu a Scott, de São José dos Campos, que é a líder do ranking nacional.

Susto Além do problema mecânico com Grizante, a Extra se preocupou bastante com Ruiz. O ciclista campineiro tombou na Marginal Pinheiros, devido a um buraco no meio da via, e acabou sofrendo um corte no rosto, abaixo do olho direito. Ele foi encaminhado ao Hospital Universitário, onde não foi constada fratura no osso. Revelação do esporte nacional, ele era o nono colocado no geral, mas acabou perdendo 14 posições.

Fonte: ZDL de Comunicação

  
  

Publicado por em