Scheidt busca consagração na Dinamarca

Imbatível em 2004, o bicampeão olímpico e heptacampeão mundial Robert Scheidt terá na próxima terça-feira um dos mais difíceis desafios da carreira. O velejador supercampeão, dono de 114 títulos, terá pela frente nada menos que seis medalhistas de ou

  
  

Imbatível em 2004, o bicampeão olímpico e heptacampeão mundial Robert Scheidt terá na próxima terça-feira um dos mais difíceis desafios da carreira.

O velejador supercampeão, dono de 114 títulos, terá pela frente nada menos que seis medalhistas de ouro nos Jogos de Atenas na premiação de melhor velejador do mundo em 2004 segundo a Federação Internacional de Vela (ISAF). Robert viaja neste sábado para Copenhague, na Dinamarca, onde será realizada a cerimônia na terça-feira.

“Ser finalista deste que é o mais importante prêmio do iatismo já é uma vitória”, afirma Scheidt, de 31 anos, patrocinado pelo Banco do Brasil, Medley Genéricos, Varig e Volvo Car Brasil e integrante da Equipe Petrobras de Vela.

“Será uma disputa entre velejadores de grande calibre, pois reúne todos os medalhistas de Atenas, além de outras feras de classes não-olímpicas”, completa.

Vencedor em 2001 e finalista em 1995 e 1996, Scheidt concorre ao prêmio com os também bicampeões olímpicos Torben Grael / Marcelo Ferreira (classe Star) e o inglês Ben Ainslie (Finn), os norte-americanos Paul Foerster e Kevin Burnham (470), o israelense Gal Fridman (Mistral), os austríacos Roman Hagara e Hans Peter Steinacher (Tornado) e os espanhóis Iker Martinez e Xavier Fernandez (49 er), todos ganhadores da medalha de ouro em Atenas. Completam a lista os norte-americanos Ed Baird (campeão mundial de Match Race), Steve Fossett (recordista mundial de Volta ao Mundo sem Parada por Equipes) e o francês Francis Joyon (recordista mundial de Volta ao Mundo sem Parada Individual).

Caso seja eleito pela ISAF o melhor velejador do mundo em 2004, Robert Scheidt vai igualar o feito do ex-adversário inglês Ben Ainslie, vencedor do ISAF Rolex World Sailor of The Year em duas oportunidades: 1998 e 2002.

Para Robert, o velejador que vai deixar Copenhague com o troféu na bagagem é uma incógnita. “Tenho consciência de que a disputa é dura e qualquer um dos indicados pode ser eleito.Particularmente, admito que não teria maneira melhor de encerrar o ano.”

Para ser indicado pela ISAF como um dos dez finalistas, Scheidt venceu todas as competições que disputou na classe Laser, na qual ainda lidera o ranking mundial: Campeonatos Brasileiro, Sudeste Brasileiro, Centro-Sul-Americano, Cricket Match Race, Pré-Olímpica de Búzios, Mundial de Bodrum, na Turquia, Semanas de Kiel, na Alemanha, e Hyères, na França, Campeonato Grego e Olimpíada de Atenas.

Em Oceano, Robert venceu com o veleiro baiano Odoyá o Brasileiro da classe 40.7. Já na Star, com o proeiro Bruno Prada, ele venceu as Taças Alberto Ravazzano e Oscar Weckerle e a Semana de Vela do Rio de Janeiro.

Fonte: ZDL de Comunicação

  
  

Publicado por em