Veleiro carioca conquista o título da Rota do Aço

O veleiro carioca Maximus/Ferrostal conquistou o título de campeão da primeira edição da Rota do Aço Regata de Vela Oceânica, a maior novidade do calendário nacional do esporte, que teve largada em Vitória (ES) e chegada em São Francisco do Sul (SC).

  
  

O veleiro carioca Maximus/Ferrostal conquistou o título de campeão da primeira edição da Rota do Aço Regata de Vela Oceânica, a maior novidade do calendário nacional do esporte, que teve largada em Vitória (ES) e chegada em São Francisco do Sul (SC).

Terceiro colocado no tempo real da segunda etapa (cruzou a linha de chegada após Forró/Demag e Swister/Arcelor), a embarcação IMX de 45 pés venceu por 19min06 de vantagem sobre Forró/Demag, segundo colocado no tempo corrigido da categoria ORC, que reúne os barcos mais rápidos da regata.

Na classificação geral, que soma o desempenho nas duas etapas, o Maximus/Ferrostal totalizou apenas 3 pontos perdidos, contra 7 de Forró/Demag, 10 de Inaê/Alstom e 13 de Marlim/Transpetro.

Os tripulantes do Maximus/Ferrostal comemoraram a conquista nesta sexta-feira, depois que seus principais adversários chegaram ao Capri Iate Clube sem chance
de alcançá-los nas contas finais do rating, a fórmula utilizada para igualar o rendimento de diferentes tipos de barcos.

“A regata foi maravilhosa. Chegamos com vento folgado”, comentou o proeiro Bernardo Ramos, o único titular da tripulação que velejou na primeira perna, entre Vitória e Rio de Janeiro, e que permaneceu na segunda etapa, entre o Rio de Janeiro e São Francisco do Sul, que teve peso dois na classificação geral. “Seguimos uma estratégia definida e tudo deu certo.”

Comandado por José Waldir de Lima, o Filezinho, o Maximus é um veleiro especialmente projetado para correr regatas com as regras do IMS (barcos mais velozes), segundo Bernardo Ramos.

“É um barco leve, com muita vela, que tem um ótimo custo/benefício nas competições”, lembrou o piloto de avião, apaixonado pela vela. “Ele anda muito bem, pagando muito menos no rating. Isso é fundamental.”

Outra vantagem da embarcação é a de velejar bem com pouco vento. “Ele sempre anda um pouco mais rápido do que os outros nessas situações desfavoráveis”, disse.“A gente vai fácil e outros vão com o taxímetro rodando.”

Maximus/Ferrostal é do velejador Hélio Lyra de Aquino Jr, diretor de vela do Iate Clube do Rio de Janeiro, e foi comprado no ano passado para substituir Ilê, que naufragou perto de Saquarema (RJ). Ainda como Klímax, no ano passado, o barco ficou em segundo lugar na Semana Internacional de Vela de Ilhabela e no Circuito Rio.

Na categoria RGS, o campeão foi o barco catarinense Obelix/Vega do Sul, um Aune Sail Boat, de 40 pés, comandado por Daniel Camilotti. “Sempre entro nas regatas para ganhar e desta vez não foi diferente”, comentou o velejador, que conta com um barco de cruzeiro de alta performance.

“Fizemos uma regata excelente e chegamos rápido em casa.”

O Obelix/Vega do Sul é um projeto de Bruce Farr, considerado um papa da vela mundial, construído no Rio pelo engenheiro John Aune. A tripulação, formada por amigos, tem velejadores de Joinville, Florianópolis, Brusque, Balneário Camboriú, Curitiba e Porto Alegre.

Na classe aberta de monocascos, o título ficou com Lupiê II, do comandante Júlio Lucchesi, que completou a segunda etapa no início da madrugada desta sexta-feira.
“A regata foi fantástica e exigiu muita tática porque velejamos com vento forte, vento fraco e calmaria”, lembrou Lucchesi, paulista de Guaratinguetá, que deixa o barco em Parati.

“Quero muito participar da segunda edição desta regata, no ano que vem.” O Lupiê II é um beneteau 47, também projeto de Bruce Farr.

Até às 15 horas desta sexta-feira, 13 dos 34 veleiros que largaram no Rio de Janeiro, na terça-feira, estavam ancorados em São Francisco do Sul 12 chegaram velejando e um (Lula), a motor, desistindo da etapa.

A competição ainda terá mais uma perna no domingo, dia 14, entre o Capri Iate Clube e o centro histórico de São Francisco do Sul, num percurso de apenas 9 milhas náuticas. A chegada fará parte das festividades pelos 500 anos da cidade catarinense, uma das mais velhas do Brasil.

Ordem de chegada no Capri Iate Clube, em S.Francisco do Sul, até as 15 horas de sexta-feira

1.) Forró/Demag 12h08min58 de quinta em 45h43min58
2.) Swister/Arcelor 14h05min13 de quinta em 47h 40min 13
3.) Maximus/Ferrostal 15h01min51 de quinta em 48h 36min51
4.) Marlim/Transpetro 20h57min15 de quinta em 54h43min15
5.) Obelix/Vega do Sul 21h20min51 de quinta em 54h55min51
6.) Mare Nostrum 23h21min39 de quinta em 56h56min39
7.) Inaê III/Alstom 23h26min23 de quinta em 57h01min23
8.) Lupiê II 1h09min06 de sexta em 58h44min06
9.) VMax-3 1h57min58 de sexta em 59h32min58
10.) Kerubim 3h26min21 de sexta em 61h01min21
11.) Martim Cererê 5h12min26 de sexta em 62h47min26
12.) Malolu/VAI MS 11h50min14 de sexta em 69h25min14
13.) Lula chegou a motor na tarde de sexta, desistindo desta etapa

Classificação da segunda perna até as 15 horas desta sexta no tempo corrigido

Classe ORC

1.) Maximus/Ferrostal - 52h20min20
2.) Forró/Demag - 52h39min26
3.) Marlin/Transpetro - 53h55min35
4.) Inaê 3/Alstom - 53h58min25
5.) Swister/Arcelor - 54h46min21
6.) Martin Cererê - 62h01min32
7.) Malolu/VAI MS 63h30min15

Classe RGS

1.) Obelix/Vega do Sul - 53h55min12
2.) Kerubim - 62h12min23

Classe Aberta Monocasco

1.) Lupie II - 56h01min53
2.) Marenostrum 58h42min14
3.) Vmax3 - 62h40min33

Classe Aberta Multicasco

Nenhum barco chegou

Resultado final da Rota do Aço

Classe ORC

1.) Maximus/Ferrostal, 3 pontos perdidos
2.) Forró/Demag, 7
3.) InaêIII/Alstom, 10
4.) Marlim/Transpetro, 13
5.) Swister/Arcelor, 14
6.) Martim Cererê, 17
7.) Malolu/VAI MS, 20

Classe RGS

1.) Obelix/Veja do Sul, 4 pontos perdidos
2.) Kerubim, 5
Faltam chegar 13 barcos

Classe Aberta Monocasco

1.) Lupie II, 3 pontos perdidos
2.) Maré Nostrum, 6
3.) VMax-3, 9
Faltam chegar 5 barcos

Classe Aberta Multicasco

Nenhum dos três barcos inscritos chegou até 15 horas de sexta-feira

A Rota do Aço :

Regata de Vela Oceânica é uma realização da Arcelor, CST, Vega do Sul e Norsul, com organização da DS Comunicação e apoio da Gol Linhas Aéreas, Federação Brasileira de Vela e Motor (FBVM), da Associação Brasileira
de Veleiros de Oceano (ABVO), da Marinha do Brasil, dos governos do Espírito Santo e Santa Catarina, das prefeituras de Vitória e São Francisco do Sul, do Iate Clube do Espírito Santo, do Iate Clube do Rio de Janeiro e do Capri Iate Clube.

Fonte: ZDL de Comunicação

  
  

Publicado por em