Sabe qual a diferença entre os tipos de leite A, B e C?

Ao contrário da crença popular que afirma que a diferença entre os 3 tipos de leite está na quantidade de gordura que cada um possui, a verdadeira diferença deles são as fases no processo de produção, sendo o 'A' considerado o melhor de todos

  
  
Superficialmente, a grande diferença entre os três tipos é a qualidade do leite cru que se altera devido ao processo de ordenha e industrialização

Quem conhece ou já tomou os famosos leites de 'saquinhos' tipo A, B ou C, muito provavelmente, tem mais de 30 anos e não faz parte da geração ‘longa-vida’. Presença maciça nas mesas das casas brasileiras ao longo das décadas de 1970 até 1990, o 'leite de saquinho', que se transformou em garrafinha plástica, registrou uma forte queda no consumo, mas ainda resiste ao tempo devido suas vantagens em relação ao longa-vida. Dividido nos subtipos A, B e C, o leite pasteurizado mantém os lactobacilos benéficos vivos, ao contrário do processo homogeneizado (UHT).

Superficialmente, a grande diferença entre os três tipos é a qualidade do leite cru que se altera devido ao processo de ordenha e industrialização. A classificação é dada pelo Ministério da Agricultura e visa padronizar a produção do leite, melhorando sua qualidade. O processo para produzir os tipos 'A' e 'B', geralmente, é melhor do que o 'C'.

O leite só é classificado como tipo "A" quando após a ordenha mecânica é aquecido numa temperatura de 75ºC por 15 a 20 segundos e depois resfriado, num processo que se chama pasteurização. Além disso, ele também deve ser embalado na própria fazenda, saindo de lá direto para as prateleiras dos mercados. Já o tipo 'B' possui um processo semelhante, mas a pasteurização e o envasamento podem ser realizados fora da fazenda, onde acontece a mistura com leites, do mesmo tipo, de outros produtores. Neste método, ocorre uma maior exposição ao ambiente e consequentemente, uma concentração de contaminantes mais elevada.

Por fim, o tipo 'C' é o processo com critérios mais brandos de qualidade. No caso, a ordenha da vaca pode ser manual e não é obrigatório a armazenagem do leite em tanques refrigerados. Com isso, não há limites de microrganismos antes da pasteurização do produto. É o tipo 'C' que dá origem aos derivados do leite, como queijos e iogurtes. O famoso longa-vida, que é quando ocorre a homogeneização, também é originado do mesmo subtipo do produto.

Leite UHT x Leite Pasteurizado

Dividido nos subtipos A, B e C, o leite pasteurizado mantém os lactobacilos benéficos vivos, ao contrário do processo homogeneizado (UHT)

A grande diferença entre ambos os métodos é o tempo e a temperatura em que o líquido é aquecido durante o tratamento térmico. No processo de pasteurização, o leite é esquentado a 75ºC durante 15 a 20 segundos e suprime apenas as bactérias patogênicas, mantendo os lactobacilos benéficos vivos. O problema é que a validade do produto é de poucos dias, pois o procedimento não elimina todos os organismos maléficos à saúde. Já no processo "Temperatura Ultra-Alta" (UHT), o leite é submetido a temperatura de 130ºC entre dois e quatro segundos que destrói todas as bactérias probióticas e patogênicas ao organismo humano. A validade dele é de quatro meses.

  
  

Publicado por em