10 dicas para economizar em viagens internacionais

Saiba como economizar em viagens internacionais sem dar uma de mão de vaca, afinal de contas os tempos estão pra lá de bicudos.

  
  
gettyimages

A regra básica quando se fala em economizar em viagens internacionais é planejar cuidadosamente o orçamento e pesquisar (e muito) sobre as melhores ofertas para cada destino. Mas também existem alguns "truques" que podem ajudar e muito na economia durante a viagem.

1. Que tal uma viagem em grupo

Viajar com os amigos pode ser uma ótima experiência, além da vantagem óbvia: a possibilidade de dividir as grandes despesas pelos membros do grupo.

Imagine um exemplo: vocês estão passando as férias na Califórnia e querem fazer uma road trip? Com a diária do aluguel a cinquenta dólares, essa “extravagância” sai por volta de cento e noventa reais. Se dividir por duas pessoas cada um desembolsa noventa e cinco reais. Quanto mais pessoas no grupo, mais barato sairá o custo total – e vocês podem até optar por pedir um upgrade do veículo com o dinheiro economizado.

Além disso, é preciso levar em conta o grande poder de negociação de um grupo em viagem. Se você está no Peru e resolveu fazer a Trilha de Salkantay até Machu Picchu, é muito mais provável conseguir bons descontos nas agências locais se você levar mais pessoas com você.

Trilha de 4 dias de Mollepata à Aguas Calientes, passando pelo nevado Salkantay, a 4800 metros acima do nível do mar.

2. Cuidado com o câmbio

Sim, cuidado! Com a instabilidade da nossa economia nesse último ano, é bom comprar com alguma antecedência a moeda estrangeira para se precaver de variações muito grandes da moeda. Uma opção legal é deixar para fazer saques locais nas famosas ATMs.

Por outro lado, dependendo do destino, pode ser bem mais vantajoso deixar para comprar a moeda no local mesmo. O exemplo mais óbvio é a Argentina, que mesmo no câmbio oficial, o real é mais valorizado que o peso. Se você optar por trocar seu dinheiro no câmbio blue, então, a vantagem é ainda maior.

3. De olho no IOF

Atualmente o governo brasileiro cobra 6,38% de IOF sobre o uso do cartão de crédito, cartão de débito, cartões de débito pré-pagos e saques de moeda estrangeira. A melhor opção seria levar inheiro vivo com você ao viajar, porém nem sempre essa é a opção mais segura. Em todo o caso, se puder dívida seus recursos em mais de uma opção e, se optar por sacar a moeda no local, pegue sempre o valor máximo disponível para poder amortecer a taxa de saque do seu banco.

4. Pague com milhas aéreas

Existem inúmeros programas de fidelidade que acumulam pontos que podem ser convertidos para milhas aéreas. Comprar as passagens e pagar tudo com milhas é um super ganho no orçamento da viagem. Além do quê, as empresas aéreas fazem boas promoções para viagens com milhas também.

5. Qual o destino ideal

Se o dólar está alto, por que não dar preferência para viajar pela América do Sul por enquanto? Nossos países vizinhos tem algumas das paisagens mais deslumbrantes do mundo, dê uma chance à eles. Ou, se vai economizar pagando a passagem com milhas, pode ser que a Europa seja uma boa opção, já que dólar e euro estão praticamente iguais.

Além do câmbio, leve em conta os períodos de alta e baixa temporada de cada lugar – e claro, sempre espere gastar mais se optar por viajar durante a alta. Cada lugar tem datas específicas que determinam os preços dos hotéis e passagens aéreas, mas existem algumas regrinhas básicas extras e comuns a todos eles: verão e primavera são sempre mais caros (a não ser que você esteja viajando para uma estação de esqui o que, obviamente, faz com que a alta temporada do destino seja o inverno); férias escolares e feriados devem ser evitados; Natal e Ano Novo são alta temporada em praticamente qualquer lugar do mundo.

A famosa árvore de Natal do Rockefeller Center. Tradição nova-iorquina desde 1933, hoje em dia é adornada com mais de 30 mil luzinhas e uma estrela de cristais Swarovsky no topo.

6. Pesquise as cias áreas

Pesquisar o preço das passagens aéreas com um pouco antecedência geralmente garante um preço mais justo, já que quanto mais cheio o voo, maior a probabilidade de a cia aumentar o preço da tarifa. Além disso, esteja atento às promoções relâmpago e para baixa temporada, que podem fazer com que você salve algumas centenas de dólares.

Se você vai viajar para lugares como Europa e Ásia, por exemplo, saiba que existem diversas cias chamadas low cost, que podem te levar de um país ao outro quase de graça. Isso mesmo! Normalmente elas possuem regras mais rígidas quanto a restrição de bagagem, mas se você é uma pessoa prática e não tiver problemas em viajar com pouca bagagem essas cias serão uma mão na roda na hora de planejar o orçamento da viagem. Confira os sites Skyscanner e Kayak para obter as melhores ofertas.

7. Viajando devagar

Existe uma verdade universal conhecida entre os viajantes de longa data: quanto mais devagar você viajar, mais você economizará.

Pra que conhecer dez países diferentes em apenas quinze dias? Além de só poder dar uma passadinha por cada capital (o que nem de longe indica que você conheceu o país), você irá perder tanto tempo com deslocamento entre os destinos e fazendo check in e check out que quando você se der conta, suas férias terão acabado e você estará mais cansado do que antes.

Além disso, ficar mais tempo em um mesmo lugar também garante maior poder de negociação com os hotéis e hostels, que podem dar bons descontos pela hospedagem prolongada.

8. Troque o museu por um parque

Você sabia que existem milhares de atrações gratuitas para se fazer em cada lugar do mundo? Se você não é do tipo que curte museu, não precisa bater ponto em todos os museus de Paris, por exemplo (só o Louvre você levaria pelo menos uma semana para conhecer por inteiro).

Que tal pegar um cinema ao ar livre no parque La Villete? Fazer um free tour para conhecer as principais atrações da cidade? Ou ainda visitar o cemitério Père Lachaise onde estão enterrados alguns dos maiores ícones do mundo como Allan Kardec, Oscar Wild e Jim Morrison? Basta você escolher!

O Père-Lachaise não é apenas um cemitério: é uma das atrações turísticas mais visitadas de Paris, com mais de dois milhões de visitantes por ano, e que consta em todos os guias de viagem sobre a Cidade Luz. Várias personalidades estão enterradas ali e existem várias esculturas de renomados artistas vivos e mortos (também enterrados ali)

Fique atento também ao calendário de eventos de cada cidade, pois muitas vezes eles incluem inúmeros festivais locais gratuitos.

Mas ainda assim, se você não abre mão de visitar um museu, saiba que em muitos lugares eles tem um dia na semana ou mês onde as entradas são a preços bem baixos ou até gratuitos. Entre no site dos museus para se informar melhor.

9. Conheça o bilhete único local

Boa parte das cidades turísticas do mundo possuem algum tipo de passe que te garante desconto no transporte público e até mesmo combos com entradas para as principais atrações do destino. Não se esqueça dessa dica de ouro especialmente se você planeja visitar a Europa.

10. Cuidado com o álcool

Se você é do tipo “baladeiro”, fique atento na hora de gastar com bebidas alcoólicas. Além dos preços normalmente elevados ao bolso, a pessoa pode facilmente gastar mais do que pretendia de início se estiver embriagada.

Outra dica é preferir o degustar o vinho local ao invés da cerveja, que em muitos lugares é mais cara.

Com essas dicas agora você pode agora planejar sua viagem dos sonhos, por que não? Afinal de contas viajar é o melhor investimento que se pode fazer durante a vida.

  
  

Publicado por em