Tradicionais torres usadas na 2ª Guerra Mundial serão transformadas em hotel de luxo

Abandonadas desde 1965 e reivindicadas pelo monarca do Sealand como parte do seu território, as Red Sands abrigarão um moderno complexo hoteleiro de luxo, no sudeste da Inglaterra

  
  
As antigas torres de observação serão transformadas em 44 luxuosas suítes com vista panorâmica para o Atlântico

O que fazer com um antigo forte desativado há 50 anos, no meio do Oceano Atlântico? Uma das opções é transformá-lo num excêntrico hotel de luxo com uma visão única e só acessível por helicóptero ou barco. Conhecidas como "Red Sands", elas serão totalmente reformadas e ganharão quartos, bares, restaurantes e até um spa. O investimento previsto para transformar as tradicionais torres num novo ponto turístico é de aproximadamente £ 40 milhões (R$ 232 milhões), segundo a empresa Next Big Thing, que é a responsável pela empreitada.

Após ficarem totalmente abandonadas desde a década de 1960, quando foram usadas pela última vez como uma rádio pirata, as Red Sands se transformaram num enorme elefante branco na costa de Kent, no sudeste da Inglaterra. As antigas torres de observação, que no passado também eram utilizadas como paiol, serão transformadas em 44 luxuosas suítes com vista panorâmica para o Atlântico. Ainda na mesma edificação será erguido um restaurante, um bar, além de um museu sobre a história do local.

Abandonadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido desde 1965, quando foram desarmadas, as Red Sands foram construídas em 1943, para proteger a região de ataques Nazistas durante a 2ª Guerra Mundial. O local servia como um forte, equipado com canhões, e foi fundamental na defesa da Inglaterra. Ao todo, foram construídas quatro fortificações com a mesma função, sendo a maior com sete torres de observação e ataque. Abandonadas, as estruturas foram destruídas pela ação do tempo e após 70 anos da inauguração só restaram dois fortes.

Sealand

A micronação de Sealand reivindica a posse das Red Lands

Se oficialmente as torres estão abandonadas e sem proprietários (estão em águas internacionais), para o Principado de Sealand elas têm dono e são eles mesmos. A micronação, que não é reconhecida oficialmente pela Organização das Nações Unidas (ONU) e nem por qualquer outro país, está sediada numa plataforma próxima de onde será construído o hotel. O atual monarca Michel Bates, que governa o país de 550m² e 30 habitantes, reivindica a posse do local.

Mapa


.

Após ficarem totalmente abandonadas desde a década de 1960, quando foram usadas pela última vez como uma rádio pirata, as Red Sands se transformaram num enorme elefante branco
  
  

Publicado por em