Bem-vindo à Flórida!

Descubra o lado ecoturístico de um dos mais badalados estados americanos. Além de muita natureza e aventura, você vai ter a oportunidade de vivenciar experiências únicas de contato e aprendizado com os mais diversos ecossistemas do mundo

  
  
Revista Aventura & Ação - Ed. 156

Texto e fotos: Família Müller
Esta matéria faz parte da Edição 156 da Revista Aventura & Ação

Mergulho, caminhadas, safáris fotográficos, canoagem, bird watching, muita história e cultura espalhada em diversos museus são alguns dos motivos para você colocar o “sunshine state” na sua lista de roteiros. Um dos destinos mais procurados nos Estados Unidos por turistas de todo o mundo, o estado reserva bem mais do que boas compras e o parque de diversões mais pop do mundo para quem está disposto a desvendá-lo com energia de aventureiro.

Pouco explorados por brasileiros, que normalmente visitam apenas as cidades de Miami e Orlando, os parques nacionais e estaduais espalhados pelo estado preservam diferentes ecossistemas que proporcionam ótimas oportunidades para a prática do ecoturismo e esportes de natureza.

Viscaya Museum & Gardens em Miami

Miami, a porta de entrada

Visual do canto sul de Miami Beach

A chegada à Flórida normalmente se dá por Miami, cidade que se traduz numa metrópole movimentada, composta de bairros exóticos e de uma população que combina culturas latino-americanas, europeias e caribenhas à vibrante vida noturna e a gastronomia que reflete bem esta mistura étnica.

Com temperatura média anual de 24 Cº, a grande atração são as praias banhadas pelo mar azul-turquesa desta parte do Oceano Atlântico. No entanto, engana quem se refere à Miami apenas como o lugar do “dolce far niente” ao sol e o paraíso das compras. Prepare-se para gastar suas energias pela cidade.

De bike pela Ocean Drive

A melhor opção para conhecer a calçada mais famosa de Miami Beach – a da Ocean Drive – é pedalando. Se você não tiver disposto a embarcar a sua bike, em Miami Beach é fácil encontrar locais de aluguel.

Mais uma dica: antes de se lançar na Ocean Drive, siga até a ponta de South Beach e explore o South Pointe Park, que conta com uma das vistas mais bonitas deste lado da ilha de Miami. Dali também se pode avistar os imensos navios de turismo que partem da cidade ao Caribe e América Central. Seguindo em direção à Ocean Drive, passa-se por entre parte das dunas que foram preservadas na reforma.

Mais para frente, a beleza do mar disputa nossa atenção com a arquitetura das belas construções em art déco, que ocupam boa parte da agitada avenida. A ciclovia é excelente e por todo o percurso existem chuveiros e bebedouros à disposição de quem se exercita. Apenas tome cuidado para não confundi-la com a calçada destinada aos pedestres, pois ambas se cruzam nestes locais. O percurso leva em média duas horas com o cenário composto por muitos atrativos naturais e culturais de Miami Beach.

Para alugar a bike

www.bikemiamibeach.com

Key Biscayne

ECOTURISMO NO EVERGLADES NATIONAL PARK – Canoagem pelos alagados

Longe do agito da Ocean Drive, Key Biscayne, ilha localizada ao sul da Grande Miami, conta com uma atmosfera mais natural. No extremo sul, o Bill Baggs Cape Florida State Park reúne belas praias, história, vida selvagem e propicia muitas atividades. O difícil é decidir como explorar a natureza local: a bordo de um caiaque, pedalando, ou simplesmente caminhando. Quem opta pela caminhada deve estar preparado, leve água, protetor solar e repelente, pois os mosquitos são vorazes.

A areia da praia é dura, ótima para caminhar. Em alguns locais os ninhos de tartaruga, que desovam por ali, são demarcados para manter longe qualquer ameaça de destruição humana. Há também placas que descrevem os hábitos da fauna local. Em uma hora, chega-se ao Cape Florida Lighthouse, construído em 1.825 e restaurado algumas vezes. Um tour guiado leva o visitante a conhecer este farol que é a estrutura mais antiga do sul da Flórida. Ao lado, a casa do faroleiro funciona como museu desde 1.972.

O parque oferece aluguel de bikes, caiaques, cadeias de praia e guarda-sol, além da área de camping que conta com boa infra-estrutura, ótima opção para quem pretende estender a aventura pelo parque.

Bill Baggs Cape Florida State Park
www.floridastateparks.org/capeflorida

Biscayne Nacional Park

A apenas 30 Km do centro de Miami, o Biscayne National Park foi criado para proteger o terceiro mais antigo recife de coral vivo do mundo, como também a grande extensão de manguezal ao longo da costa continental.

A maior parte dos 73.450 hectares que compõem a unidade está submersa. Sem dúvida, o mergulho no recife de coral é a melhor pedida por ali. Os barcos que levam os turistas para mergulhar, navegar em barcos com fundo de vidro ou apenas conhecer as ilhas saem do Centro de Visitantes Dante Fascell. Na loja do parque, você contrata o passeio que deseja realizar.

Há duas saídas diárias para as ilhas e para o mergulho livre: uma pela manhã e outra à tarde, No entanto, os barcos só partem com no mínimo 10 pessoas. Fora de temporada, o ideal é reservar pelo telefone (305-230-1100) no dia anterior e confirmar a saída para não perder tempo.

Além da aventura embaixo d’água, há interessantes opções de atividades em terra, o Centro de Visitantes é a primeira parada. O museu da unidade oferece uma viagem virtual pelos ecossistemas protegidos através de uma seleção de audiovisuais que explana sobre a história e a vida selvagem terrestre e submersa do parque.

Outra dica é fazer a trilha à beira-mar. Ao final da caminhada, chega-se à bela Baía de Biscayne, de onde é possível avistar pássaros (mais de 170 espécies habitam esta região) e, ocasionalmente, golfinhos, além dos mangues que se alinham à costa. Uma maneira interessante de explorá-los e também observar os animais do parque é alugar um caiaque, uma canoa ou um pedalinho na loja do Centro de Visitantes.

A visita a algumas das ilhas que são protegidas pelo parque também são uma boa opção. A mais visitada é Boca Chita Key, que além da bela praia, abriga um farol datado de 1.930. O mirante oferece uma vista panorâmica sobre as ilhas, a Baía, o oceano, Miami, Key Biscayne e Miami Beach.

Elliott Key, a maior ilha do parque, também tem praia e trilha. O camping tem mais estrutura do que em Boca Chita Key, mas não há eletricidade e é necessário economizar água doce.

Everglades National Park

EVERGLADES NATIONAL PARK – Aligatores em Shark Valley

Quem já foi ao Pantanal vai encontrar no Everglades alguma semelhança na fauna e na flora desta região belamente alagada. O parque ocupa cerca de 100 km do extremo sul do Estado da Flórida, sendo este é o único parque dos Estados Unidos reconhecido como Reserva Internacional da Biosfera e Patrimônio Mundial da Humanidade pelas Nações Unidas.

O Everglades National Park merece uma visita demorada, reserve dois dias para conhecê-lo. A vida por ali é tão abundante que é quase possível sentir a pulsação da natureza. São 700 espécies de plantas, aproximadamente 300 de pássaros, aligatores, crocodilos (é o único lugar do mundo onde aligatores e crocodilos coexistem), veados, a pantera da Flórida, o manatee (parente maior do nosso peixe-boi), além de outros animais, interagindo no ar, na terra e na água deste paraíso natural.

Do Centro de Visitantes Royal Palm saem as trilhas mais populares deste lado do Everglades. A Anhinga Trail atrai muitos visitantes devido à abundância de vida selvagem que pode ser avistada em seu percurso. Anhinga, o pássaro que dá nome à trilha, é também chamado snakebird (pássaro cobra), pois quando mergulha para caçar peixes em baixo d’água, ao reaparecer na superfície deixa amostra apenas seu pescoço longo e curvo, lembrando uma cobra. Este pássaro está por todo o Everglades e é muito comum flagrá-lo secando suas asas abertas, pousado em algum tronco na terra, ou em meio aos alagados.

A trilha de aproximadamente 1,6 km de extensão é acessível a todos, inclusive a cadeirantes, o que é muito comum nos parques americanos. Uma passarela de madeira elevada leva os visitantes a conhecer algumas das águas mais profundas no parque. Aligatores, grandes aves pernaltas, como o colhereiro, cegonha de madeira, garça azul, além da anhinga e uma grande variedade de garças são facilmente observadas, mas é mais provável encontrá-los ao amanhecer e ao entardecer, já que os animais tendem a se esconder do calor durante o dia

Outro percurso que vale a pena é o da trilha Gumbo Limbo Trail (também com 1,6 km) que corta um charco de capim navalha, matas nativas, bromélias, figueiras estranguladoras, uma variedade de palmeiras e capões de Gumbo Limbo, uma árvore de tronco avermelhado.

Seguindo pela estrada principal do parque, a Pa-hay-okee Overlook vale uma parada para quem destinou o dia inteiro para o parque. A passarela de 300 m conduz à uma plataforma de observação que oferece vistas da ampla paisagem dos Everglades, de horizonte a horizonte.

A mesma estrada leva ao Centro de Visitantes Flamingo. Deste lado, encontramos a forma mais interessante de explorar o Everglades: a bordo de uma canoa. Não é preciso ter nenhuma experiência para remar por ali, mesmo estando sem guia. No local onde se alugam as canoas e caiaques, você recebe um mapa com as trilhas demarcadas. Nós escolhemos a Mud Lake Loop, um percurso que parte e chega ao mesmo local, onde você pode cruzar com muitas aves, aligatores, lontras, tartarugas, crocodilos e até tubarões. Depois de quase duas horas de remada (prepare os braços), não conseguimos avistar apenas os dois últimos.

Na volta, apesar do adiantado da hora, convencemos com jeitinho a concessionária do parque a nos alugar três bikes e fomos percorrer a Coastal Prairie Trail para aproveitar a vista do pôr-do-sol às margens do Oceano Atlântico, belíssimo!

Shark Valley é o Centro de Visitantes pelo qual você deve começar seu segundo dia nos Everglades. Para aproveitar bem o dia, comece pedalando, mas chegue cedo, pois o sol e o calor são de derreter. As bikes disponíveis para aluguel também acabam logo, dependendo da época que você visita o parque.

Outra opção é o passeio de trem que sai do Centro de Visitantes. São 24 km percorridos em mais ou menos duas horas. A única parada é na torre de observação de 18 m que proporciona uma vista exuberante deste lado do Everglades. Ao fim da tarde é possível assistir a revoada dos pássaros que começam a retornar para os ninhos. Bem em frente à torre, um ninhal recheado de garças e outras aves fazem a alegria dos “bird wacthings”. Abaixo da torre, aligatores imensos, os maiores que avistamos, esparramam-se nas margens. Tivemos também a rara oportunidade de avistar uma espécie de tartaruga jacaré, que nadava bem embaixo da torre.

Shark Valley também oferece trilhas entre os alagados, a Bobcat Boardwalk, uma caminhada curta de 600 m que sai pertinho do Centro de Visitantes, e a Otter Cave Hammock Trail, de aproximadamente 800 m ida e volta. Esta atravessa um bosque tropical com passarelas de madeira sobre um pequeno riacho.

O lado ecoturístico de Orlando

DISCOVERY COVE – Mergulho no recife de corais do parque

O nome da cidade remete automaticamente ao parque de diversão mais popular do planeta, mas em nossa visita ao “mundo mágico” nos encantamos com um lado menos explorado de Walt Disney, os parques voltados para a educação ambiental das crianças. Diferentemente da imagem que costumamos ter de animais em cativeiros esses parques possuem grandes espaços que recriam com perfeição os habitats naturais das espécies e profissionais especializados, que cuidam da saúde e recuperação dos bichos, já que muitos deles são resgatados machucados na natureza.

Este tipo de proposta é importante porque a criança que conhece, interage e aprende a gostar dos animais, pensará muitas vezes antes de destruir seu habitat. Por isso, vale a pena rever nossos conceitos sobre estes parque, claro, desde que eles as espécies recebam o devido respeito e cuidado em um ambiente saudável e o mais próximo do natural possível.

Aquática

Além de vários toboáguas, este parque aquático tem como atração principal os golfinhos-de-commerson. Essa adorável espécie originária da América do Sul algumas vezes é confundida com as orcas. Durante horários programados, você pode vê-los bem de perto sendo alimentados pelos monitores.

Outras atrações espalhadas pelo parque são animais como tamanduás gigantes, tartarugas, pássaros e peixes exóticos. Todos os habitats possuem informações básicas sobre as espécies. Atente-se também à flora do parque inspirada nos mares do sul.

Aquática

www.aquaticabyseaworld.com

Discovery Cove

ECOTURISMO NOS PARQUES DE DIVERSÃO – Espaços que recriam com perfeição os habitats naturais das espécies

Para quem pretende ir além, e, literalmente, mergulhar no mundo submarino, o Discovery Cove, outro parque da mesma rede do Sea World, oferece a oportunidade única de nadar e interagir com golfinhos, arraias e mergulhar num recife de coral.

Não é preciso levar o equipamento de mergulho. Ao comprar o ingresso para o parque, você já ganha máscara e snorkel. Se ficar frio, o parque também empresta roupas de neoprene. Ao mergulhar, você adentra num rico cenário submarino, uma réplica perfeita de um recife de coral. É uma ótima chance de aprender sobre o mergulho e o ecossistema dos recifes.

Os golfinhos-nariz-de-garrafa que habitam o parque são considerados um dos mais inteligentes animais aquáticos. Como vivem em grupos sociais, é comum no parque estarem famílias inteiras de golfinhos. Alguns resgatados do oceano e outros nascidos em cativeiro.

Fora d’água, o Discovery Cove abriga enormes viveiros onde as crianças podem alimentar aves exóticas e coloridas de vários cantos do planeta.

Discovery Cove

www.discoverycove.com

Animal Kingdom

O Animal Kingdom celebra o reino animal com 1.700 animais de 250 espécies ambientados em diferentes ecossistemas, uma chance imperdível de desvendar o curioso mundo animal.

Para começar seu passeio ecoturístico, siga direto ao Rafiki's Planet Watch e pegue o trem Wildlife Express para a área da Estação de Conservação. A viagem leva apenas cinco minutos e você pode ficar por lá quanto tempo desejar.

Este espaço abriga o berçário do Animal Kingdom, onde os monitores do local estão dispostos a explicar sobre os diversos animais do parque e os cuidados destinados a eles. Por toda a estação de conservação existem informações sobre os animais em extinção e o que podemos fazer para evitar seu desaparecimento.

A pérola do Animal Kingdom está na “África”. Desta área do parque sai o safári que leva os visitantes à savana. Avistar os animais por aqui não é difícil, porém como o espaço é bem grande, fique atento. O guia do jipe informa aos aventureiros sobre as características dos animais relacionando-os o ambiente de savana. Pelo caminho, observamos os hipopótamos, os peixes coloridos e ao fim da trilha, encontro com um bando de gorilas.

Você pode ainda conhecer animais mais amigáveis na Affection Section ou viajar para a “Ásia”, mais precisamente pelas selvas da mística Anandapur Royal Forest pela “Maharajah Jungle Trek”.

Para descansar depois do safári pelo mundo é só fazer uma pausa na Árvore da Vida, que tem em seu tronco, ramos e galhos, 325 animais esculpidos com perfeição.

Animal Kingdom

www.waltdisneyworld.com

Sea World

ECOTURISMO NOS PARQUES DE DIVERSÃO – Espaços que recriam com perfeição os habitats naturais das espécies

A vida marinha é o principal foco deste parque que também é centro de pesquisas e reserva animal. Além dos shows apresentados por orcas, golfinhos, leões marinhos entre outros, o Sea World propicia experiências interativas com os visitantes.

A área “Key West at SeaWorld” recria a atmosfera charmosa da cidade de Key West e convida aos visitantes a alimentar e tocar animais como golfinhos e arraias.

Uma das atrações que achamos interessante foi o “Manatee Rescue” que é encantador, com seu jeito meigo e desajeitado. Os manatees são os “primos maiores e mais gordos” dos nossos peixes-boi. Segundo informações do parque, “todos os manatees deste habitat foram resgatados pelo time do SeaWorld e os que se recuperam são devolvidos à natureza”.O que é fundamental já que o mamífero é considerado um animal em extinção.

Barulhentos, os leões marinhos, focas e californianos vivem no “Pacific Point Preserve” que reproduz a costa rochosa do Pacífico. Já o “Shark Encounter” leva os visitantes de encontro aos animais mais fascinantes do fundo do mar: os tubarões. Lindos, enormes e nem tão assustadores do outro lado do painel de acrílico, seduzem os olhares curiosos de todos que atravessam o túnel. Também dá para observar enguias, barracudas e peixes venenosos.

Ainda em Sea World, não perca a chance de observar e distinguir mais de seis espécies de pinguins num habitat mantido em temperatura abaixo de zero, retratando os abismos rochosos do polo sul e suas águas gélidas no “Penguin Encounter”.

Sea World

www.seaworld.com

Busch Gardens

Com mais de cinquenta anos de história, o Busch Gardens, localizado em Tampa, a 137 km à oeste de Orlando, é um dos pioneiros em exibir e preservar os animais em sintonia com o meio ambiente. O espaço reúne mais de dois mil exemplares, muitos deles exóticos ou ameaçados de extinção e por isso, protegidos de forma especial na unidade.

Espalhados em pontos estratégicos, os tratadores nos oferecem a possibilidade de conhecer de perto alguns animais. Você também pode questioná-los a respeito da vida do bicho na natureza e no parque.

O “Rhino Rally”, um safári pelo Serengeti Plain (referência ao Parque Nacional de Serengeti na Tânzânia) é uma atração especialmente interessante que proporciona a possibilidade de avistar zebras, elefantes, antílopes, gazelas, aves, crocodilos, girafas, entre outros animais. Outra opção de admirá-los é através do teleférico que contorna essa área.

O diferencial do Busch Gardens em relação aos outros parques são os Up-Close Tours, onde o contato com os animais é mais interativo. Você poderá conversar com veterinários envolvidos com as espécies ameaçadas e conhecer os esforços de conservação que o parque juntamente com a Fundação WWF fazem para protegê-los. Para isto, é preciso fazer uma reserva no Adventure Tour Center e pagar um extra pela atividade.

Um dos tours mais procurados é o Serengeti Safári. Num caminhão aberto, os visitantes são levados para uma excursão pelo Serengeti Plain, inspirado na Tarzania. É possível acariciar e alimentar girafas e outros animais de dentro do caminhão.

Um passeio original é o “Keeper For A Day”, onde o visitante é convidado a fazer um tour pelos bastidores do parque e assistir as aulas do curso Zoo Keeping 101. No programa, a oportunidade de vivenciar a incrível experiência de ser um tratador de animais no Busch Gardens Tampa Bay.

www.buschgardens.com

É importante ressaltar também o positivo projeto SeaWorld & Busch Gardens Conservation Fund, de acordo com a própria instituição, “uma fundação de caridade sem fins lucrativos comprometida em conservar e manter a vida selvagem e seus habitats, pesquisa, educação e programas de resgate de animais por todo o mundo.” Para as informações sobre animais, ecossistemas, auxílio para professores, jogos interativos para as crianças, entre outras informações, visite o site:

Busch Garden

www.buschgardens.org

Wekiwa Springs State Park

ECOTURISMO NOS PARQUES DE DIVERSÃO – Espaços que recriam com perfeição os habitats naturais das espécies

No parque, a 35 km de Orlando, em um mesmo local você pode praticar mergulho livre, remar em canoas ou caiaques, caminhar por trilhas curtas ou bem puxadas, pedalar (você deve alugar uma bike em Orlando) e até cavalgar, mas infelizmente não há como alugar cavalos perto do parque, você pode tentar visitar o curral e checar se há algum disponível para empréstimo.

As belas vistas da unidade oferecem um vislumbre do que parecia a região central da Flórida quando os índios Timucuan a dominavam, dividindo a área com veados, raposas, linces, o urso negro da Flórida, tartarugas garças, águias, e outros animais. Os índios se foram, mas percorrendo algumas das trilhas do parque, ainda hoje é possível avistar alguns destes animais.

No Centro de Visitantes há um mapa com todas as trilhas e instruções para a prática das atividades. São 21 km de trilhas bem sinalizadas, divididas em grau de dificuldade. Não deixe de levar muita água, alguma comida, repelente, uma bússola e, principalmente, fique atento ao mapa para não se perder.

Uma sugestão mais leve é a Wet To Dry Trail que leva apenas 45 minutos e é repleta de aves. Ao percorrê-la, você parte da vegetação seca e aos poucos entra na região alagada conhecida como Hydric Hammock. No final, saímos pertinho da entrada da Nature Trail, com aproximadamente 3 km que nos leva através dos pântanos numa parte da Main Hiking Trail.

O parque conta ainda com um “piscinão” formado por águas cristalinas, fechadas para que não entrem os aligatores e lontras. A temperatura gira em torno de 22 Cº. O mergulho livre é a pedida por ali, pois é possível avistar muitos peixes, algumas tartarugas e outros animais de pequeno porte.

Alugar uma canoa e remar pelo rio Wekiwa também uma atividade bem interessante, desde que não saia da canoa. O rio é bem tranqüilo, cristalino e descortina paisagens exuberantes.

Crystal River

Outro bate-volta interessante a se fazer de Orlando é até o Crystal River. Este rio nos proporcionou uma das mais belas e divertidas experiências nos States: nadar com manatees selvagens em seu habitat natural. Composto por uma rede por mais de 30 belas nascentes, com suas águas mornas, o rio atrai um grande número destes enormes animais no inverno. Acredita-se que mais de 250 exemplares migrem para rio no período de novembro de março. Por isso, alguns biólogos consideram o Crystal River o refúgio mais importante para a espécie, nos Estados Unidos.

Chegam a medir até quatro metros de comprimento, podendo pesar até uma tonelada e meia! Por conta do seu tamanho exagerado, passam muito tempo comendo vegetais aquáticos, movem-se lentamente, mas chegam a percorrer por volta de 70 km num dia.

O barco do Capitão Mike nos levou à cabeceira do rio onde eles ficam. Antes de entrar na água, as instruções são claras: é preciso muito respeito aos animais. Apesar dos bichos ali serem acostumados ao contato humano, mergulhadores desavisados, às vezes, sem querer podem assustá-los ou machucá-los. Por isto, foi criado dentro do rio um espaço delimitado por cordas acima da superfície denominado “santuário”, onde é proibido entrar. É pra lá que os manatees vão quando querem se distanciar de qualquer contato humano.

Mas no geral, eles são dóceis e curiosos. Assim que entramos na água, vieram nos recepcionar e “xeretar”. Parece que eles têm uma percepção de profundidade limitada, pois chegam bem perto do seu rosto. Na primeira vez, nós é que nos assustamos.

Eles adoram carinho nas costas e muitas vezes ainda viram de barriga para cima para serem acariciados, como um cachorrinho. Os bebês são mais ativos e brincalhões, mas estão sempre observados de perto por mães zelosas e cuidadosas. A divertida sensação era de que estávamos dentro de um desenho animado da Diseny.

Nadar com manatees:
Capitan Mike’s Sunshine River Tours

É preciso reservar o passeio pelo telefone:

1-352-628-3450 ou site:

www.sunshinerivertours.com

Onde ficar

Pra ficar num lugar bem agradável e junto à natureza, hospede-se no

The Plantation Golf Resort & SPA

www.plantationinn.com

Costa Espacial

Visitar a NASA - Kennedy Space Center é um programa quase obrigatório na Flórida. Se conseguir agendar sua visita para o dia que for acontecer um lançamento então, melhor ainda! No site www.kennedyspacecenter.com estão todas as datas previstas para os eventos e a descrição das atividades e exposições do complexo. É possível ver filmes IMAX e se deparar com personalidades do instituto. Nós tivemos a oportunidade de conhecer a primeira mulher astronauta que foi ao espaço, a Srta. Wendy Lawrence.

De volta à Terra, a próxima parada é em Merritt Island National Wildlife Refuge. Bem pertinho do Kennedy Space Center, esse refúgio natural preserva uma grande variedade de habitats, entre eles: dunas costeiras, estuários e pântanos de água salgada, represamentos de água doce, matagal que são o lar de mais de 1.500 espécies de plantas e animais.

A observação de pássaros e animais é a atividade mais popular desta reserva. Percorrendo a Black Point Wildlife Drive em uma estradinha cênica que abrange por volta de 11 km temos a chance de contemplar belas paisagens e alguns dos animais da região. As aves estão por todo o lado, mas o destaque fica para a águia americana e para o osprey, uma grande ave de rapina bem parecida com um falcão.

O refúgio oferece boas trilhas para caminhada que nos fazem lembrar de leve o nosso cerrado: árvores baixas, folhas grossas e ásperas, até o cheiro tem semelhança.

A praia mais famosa da Costa Espacial é sem dúvida Cocoa Beach. A capital do surfe na Florida não deixa nada a desejar. As ótimas ondas e temperatura agradável levam muitos surfistas para a água. O Cocoa Beach Píer é um marco na cidade, estende-se por 840 m sobre o mar. No caminho há lojas de surfe e de artesanato, restaurantes e a bela vista da praia. É gostoso parar ali e ficar observando os surfistas pegarem as ondas. Caso você se anime em juntar-se a eles, é muito fácil alugar uma prancha. A Ron Jon Surf Shop tem em Cocoa a maior loja da rede. Bem em frente, está o Museu do Surfe, que pertence à loja e aluga pranchas de surfe e bodyboards de todos os tamanhos e para todos os gostos.

Onde ficar:

Courtyard Marriot

www.courtyardcocoabeach.com

Família Muller

SOBRE OS AUTORES:

A Família Muller é uma família comum, com a rotina igual a da maioria das famílias brasileiras. Por meio de nossas reportagens, palestras e vivências procuramos incentivar o público, que se identifica com nosso estilo de vida, a interagir entre si e com a natureza por meio das atividades de aventura, e do ecoturismo, demonstrando que não é preciso ser extraordinário ou super-herói para praticar tais atividades.
Site: www.familiamulleraventura.com.br
____________________

Esta matéria faz parte da Edição 156 da Revista Aventura & Ação.

Conheça melhor a Revista Aventura & Ação:
Canal A&A no EcoViagem / Site Oficial da A&A.

Gostou? ASSINE A&A ou busque seu exemplar nas melhores bancas!

Conecte-se com A&A: Orkut / Facebook / Twitter / Blog

  
  

Publicado por em