Artesanato do Cerrado está entre os melhores do Brasil

Criações da designer goiana Adeguimar Arantes vencem, pela segunda vez, o Prêmio Sebrae Top 100 de Artesanato

  
  

As jóias combinam metais e pedras preciosas com elementos do Cerrado, como pau de pequi e sementes de jatobá. Do talento e da criatividade da designer Adeguimar Arantes, surgem peças exclusivas que já conquistaram respeito e clientela cativa no Brasil e em outros países. Este ano, ela comemora novamente a inclusão de seu trabalho entre os vencedores do Prêmio Sebrae Top 100 de Artesanato. “Acredito que, com premiações como esta, as pessoas passam a perceber que as unidades produtivas de artesanato são oportunidades de retorno financeiro, além de revelar talentos”, afirma.

Da vitória na primeira edição do prêmio, surgiu a oportunidade de montar a loja Jazidas de Goiás, em Caldas Novas (GO), que comercializa as criações de Adeguimar e peças de artesãos goianos.

O prêmio reconhece os bons exemplos em gestão nas unidades produtivas e destaca os produtos artesanais brasileiros. Nesta segunda edição do Top 100, 66 unidades se inscreveram representando o Estado de Goiás e cinco foram premiadas. Além da Jazidas de Goiás / Christiano Vaz de Freitas, os outros premiados são: Instituto Flamboyant (Goiânia); Cerâmica Boa Nova / Associação Adelino de Carvalho; Sucesso Jóias / Magda Santos (Goiânia) e Tecelagem Olhos d’Água (Alexânia).

Além de participar da cerimônia de premiação e das rodadas de negócios, que serão realizadas ainda no primeiro semestre no Rio de Janeiro, a Jazidas de Goiás poderá utilizar o selo ‘Prêmio Sebrae Top 100 de Artesanato – 2ª edição’ em suas peças. Receberá, ainda, um certificado de premiação e seu trabalho será divulgado nos sites do Sebrae Nacional e do Sebrae Goiás, no CD promocional e no catálogo do prêmio.

Para Maria Beatriz Ribeiro de Lúcia, gestora de projetos de Artesanato no Sebrae em Goiás, o prêmio ressalta a atividade de pessoas que se dedicam ao seu negócio e estão há muito tempo em busca de aperfeiçoamento. “O Top 100 premia os profissionais que conseguem se formalizar e transformar o produto artesanal em um negócio viável. Muitas vezes unidades produtivas que não são contempladas com o prêmio apresentaram produtos bonitos, bem-feitos. Porém, o prêmio não é apenas para o design, para o produto. É, sobretudo, para a gestão do negócio, que envolve diversos aspectos”, avalia.

Vocação e dedicação

Quando era criança, Adeguimar gostava de brincar com as pedras e ferramentas da oficina de seu pai. Anos mais tarde, ao se formar na Escola Agrícola de Rio Verde (GO) e ser aprovada para o curso de Ciências Agrícolas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, ela entendeu que queria utilizar de outra maneira o que o Cerrado podia oferecer.

Depois do aprendizado em joalheria, no Centro de Gemologia de Goiás, ela estudou Design de Jóias e História da Joalheria. Começou, aí, uma carreira de sucesso. “Durante o curso, tudo que eu fazia já vendia”, conta.

Aliar trabalho e maternidade foi um dos principais benefícios trazidos pela atividade na joalheria, de acordo com Adeguimar. “Eu trabalho, mas ele não é meu dono. Talvez a mais importante oportunidade que tive foi escolher uma profissão que me possibilitasse ser mãe presente. Não ter delegado a educação de meus filhos a outros, creio, foi o maior bem que a joalheria me deu”, disse.

Para a designer, o Prêmio Sebrae Top 100 contribui para a profissionalização do setor. “Muitas pessoas no Brasil ainda não associam o trabalho artesanal a um grau elevado de instrução e retorno financeiro. Esta premiação valoriza, estimula e desperta para oportunidades de negócios em diversas áreas”, afirma.

Produto diferenciado

Atualmente, a produção mensal de Adeguimar gira em torno de 60 peças, vendidas diretamente ao consumidor final, no país e fora dele. “Após cuidadosa pesquisa, produzimos coleções específicas com forte componente cultural que valorizam cenários naturais, o povo e a biodiversidade do Brasil. Buscamos, ainda, um produto capaz de traduzir não só a cultura local, mas as formas, cores, os sonhos e desejos dos povos do cerrado e seu meio, nossas espécies biológicas, nosso patrimônio genético”, explica.

Em suas criações, ela utiliza materiais como tecidos, papel, platina, ouro, madeiras, prata, pedras preciosas brasileiras, fibras aromatizadas naturalmente, diamantes e algodão naturalmente colorido, entre muitos outros.

“Conseguimos um produto de arte que, por não ter rápida liquidez e fácil interpretação, não expõe a cliente à violência urbana, não é fácil mensurar o valor. É um produto de luxo, porém um luxo voltado pra si, não pra ostentação. É pelo prazer, pelo estético, sentir-se bem. Há uma constante investigação de novos materiais e processos. Metais, só reciclados, e gemas com procedência que nos permita sempre uma jóia com ecostyle”, complementou ela.

Adeguimar aproveitará a oportunidade da premiação do Top 100 para lançar um novo produto. “Estamos na fase final de preparação. É um projeto de ampliação voltado ao lojista e que integrará o e-commerce, no nosso site. Ainda não podemos contar tudo, mas teremos importantes parceiros. Dentro do nosso conceito, será jóia artesanal, usual e acessível. Queremos aproveitar este ano para crescer. Acredito na crise como forma de rever conceitos e mudar para melhor. Onde há vida há muito que fazer. Quanto ao emprego, eu não sei, mas trabalho sempre haverá para quem se interessa, sente prazer pelo que faz e tem gosto de fazer bem feito”, avalia.

Serviço:
Sebrae/GO - (62) 3250-2000

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

  
  

Publicado por em

Leonai

Leonai

08/10/2009 14:54:43
Eu achei muito interessante essa pesquisa.

Ana maria

Ana maria

12/04/2009 01:29:31
Lindo e maravihoso, que o trabalho continue com este foco..
parabens...