Artesãs catarinenses produzem tapetes famosos com resíduos têxteis

O produto é considerado típico da região de Araranguá , que pertencia à rota dos tropeiros, no final do século XIX.

  
  

A antiga arte de tecer tapetes com retalhos de tecidos em tear manual passou de geração em geração na região de Araranguá (SC), a 210 km ao sul de Florianópolis.

O produto é considerado típico dessa localidade, que pertencia à rota dos tropeiros, no final do século XIX. Hoje, a mesma técnica gera renda e cidadania para dezenas de artesãs.

Vinte e oito delas, organizadas na Associação Toca Tapetes, também são sócias da loja de mesmo nome, localizada às margens da BR-101, onde são vendidos os produtos feitos pela entidade. A diferença é que a matéria-prima (resíduos) atual vem dos polos têxteis catarinenses e gaúchos.

“Os resíduos que compramos são malhas de primeira, portanto trabalhamos com fios novos, ao contrário de antigamente, quando os tapetes eram feitos de roupas velhas”, explica Aldanete Ferreira, tesoureira da associação.

“Produzimos 50 tipos de tapetes. Alguns agregam crochê, pinturas e outras técnicas”, informa. A tesoureira fala do tempo em que as mulheres teciam os tapetes isoladas em suas casas e os vendiam para atravessadores por preços baixíssimos. Essa situação perdurou por uns 20 anos, segundo Aldanete.

Em 2002, após um longo período de reuniões, tentativas e muita paciência, as artesãs conseguiram constituir a entidade para realizar vendas diretas e melhores aos consumidores. “O Sebrae é nosso parceiro desde essa época e continua nos apoiando até hoje”, ressalta a tesoureira.

Qualidade é a palavra-chave para o sucesso e credibilidade conquistados pelos produtos da Toca Tapetes. Atualmente as artesãs contam com equipamento elétrico, que otimiza a urdidura do fio.

“Antes, era preciso quatro pessoas para fiar 50 metros/dia. Agora, uma só faz 500 metros de fio em uma hora”, justifica. A confecção dos tapetes continua sendo feita em teares manuais.

Há dois anos, a associação é fornecedora de produtos exclusivos da rede Tok Stok, informa Aldanete. A Toca Tapetes ganhou três vezes o Prêmio Top 100 de Artesanato do Sebrae nas edições nacionais de 2003, 2009 e 2011.

A tesoureira da associação foi agraciada com o troféu bronze do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios 2009 na categoria grupo de produção formal.

Comércio Justo:

No momento, as artesãs da Toca Tapetes estão especialmente satisfeitas, pois os produtos da associação acabam de receber o selo de Comércio Justo do Sebrae SC.

“ Ele vai abrir mais mercados para nós”, diz Aldanete. Os tapetes atendem aspectos social, ambiental e econômico.

“Já conseguimos melhorar a nossa vida e de muita gente”, observa ela. Algumas melhoraram suas casas, outras compraram carro, eletrodomésticos, investiram na educação dos filhos, entre outras coisas.

A próxima meta da associação é comprar um terreno para construir sede e loja próprias. Enquanto isso não ocorre, as artesãs se reúnem no salão da igreja de Araranguá.

A Toca Tapetes vende no atacado e varejo e participa de muitas feiras. A produção mensal gira em torno de 2 mil peças/mês. Os tapetes são muito bonitos e feitos em três tamanhos.

Visite: www.revistaecotour.com.br

Fonte: Sebrae

  
  

Publicado por em