Pernambuco conquista Top 100 com fios de cana brava

Cestos, bolsas, jogos americanos e bijuterias produzidos por artesãs de Goiana fazem sucesso entre os turistas

  
  

Tecendo fios de cana brava, mulheres de Goiana, a 60 km de Recife (PE), constroem seu destino. Cestos, bolsas, jogos americanos e bijuterias são algumas das peças do grupo de artesanato Cestaria de Cana Brava, escolhido como uma das 100 unidades mais produtivas do país pelo Top 100 de Artesanato, prêmio conferido pelo Sebrae Nacional.

Em 2000, quando detectou o potencial do município, o Sebrae local fechou uma parceria com a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Com o projeto ‘Laboratório Imaginário’, as artesãs tiveram acesso a cursos variados para gerir o seu próprio negócio e, com a ajuda de designers, o trançado ganhou originalidade e sofisticação.

“A praia é um fim de caminho e elas precisavam de apoio para ir além. Com esta iniciativa, elas ganharam uma identidade de grupo”, explica a coordenadora do projeto, Ana Andrade, da UFPE.

Abrigadas pela Associação dos Amigos de Ponta de Pedras, as artesãs comercializam seus produtos em algumas lojas de Recife, vendem para turistas durante o verão e em feiras e exposições, que respondem pelo maior volume.

Para ganhar valor de mercado, elas passaram a investir também na criação de estampas exclusivas para forrar algumas peças e estão aprendendo com a artista plástica Suzana Azevedo a fazer bijuterias de papel. Em 2006, quatro homens começaram a fazer parte do grupo, quando foi incorporado o coco para substituir a madeira, usado no acabamento de objetos como puxadores e pés de luminária.

“Todas estas iniciativas são para aumentar a renda, que hoje fica em torno de um salário mínimo por mês para cada um. A cestaria é um produto difícil de colocar no mercado com preço justo. O maior gargalo é a comercialização”, comenta Ana Andrade.

Com o Top 100, a coordenadora do projeto acredita que será mais fácil ampliar as vendas porque a certificação de qualidade abre mais mercado e chama atenção da mídia para o grupo. As Rodadas de Negócios, das quais participam todas as unidades premiadas, é considerada pela coordenadora do projeto como uma grande oportunidade para aprimorar o trabalho.

“Com a chance de ficar frente a frente com clientes de todo o País, elas escutam as demandas, percebem como o produto é recebido, podem incorporar sugestões de novas formas e tamanhos, enfim, voltam para a comunidade com outros desafios. A Rodada de negócio é um diálogo que abre inúmeras possibilidades e representa ainda uma pesquisa de mercado, que elas não poderiam fazer por conta própria porque é caro”, avalia Andrade.

Serviço:
Agência Sebrae de Notícias – (61) 3348-7138

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

  
  

Publicado por em