Como cuidar bem de seu pet no carnaval

Em especial em períodos de festas e feriados prolongados, cresce o índice de abandono

  
  

O Carnaval normalmente é sinônimo de festa e alegria, porém para muitos animais de estimação esta realidade é bem diferente. Por ocasião do feriado prolongado, muitas famílias viajam e a triste realidade é que algumas delas chegam a abandonar seus animais nas ruas, sem se importar com o sofrimento que este animal passará, os perigos e a saudade dos donos. Organizações não governamentais e centros de controle de zoonoses de várias cidades registram um aumento de até 70% no abandono de pets nos períodos de feriados.

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), dando seguimento a campanha ‘Quando a gente gosta é claro que a gente cuida’, em prol da guarda responsável de animais domésticos, destaca orientações importantes para a guarda responsável de pets durante o Carnaval.

De acordo com o presidente do CRMV-SP, Dr. Mário Eduardo Pulga, é preciso conscientizar e a educar da população sobre a importância do tema e as consequências que o abandono pode gerar para a Saúde Única – humana, ambiental e animal. “Em especial em períodos de festas e feriados prolongados, cresce o índice de abandono. Seja qual for o motivo, nenhum deles justifica a crueldade de largar um animal na rua desprotegido.”

Confira algumas dicas e aproveite a folia sem deixar de cuidar do seu pet:

- Hotéis especializados :

A hospedagem em hotéis especializados em pets é comum em todo o País. Opte por aqueles que estejam regulares e registrados no conselho regional de seu Estado. O registro garante a presença de um médico-veterinário responsável no estabelecimento. Dê preferência também a hotéis que tenham espaços de lazer, para que seu pet possa brincar um pouco e até mesmo socializar com outros animais. Observe a higiene do lugar e, caso exista piscina no local, se esta é bem cercada e protegida. Lembre-se de deixar as vacinas do seu animal em dia.

- Cuidadores de pets:

Uma alternativa é optar pelo serviço de petsitter, que são pessoas vão até a sua casa e passam algumas horas por dia com seu bichinho. Os preços dos profissionais variam e dependem de quantas vezes será necessário ir até a residência para dar água, comida, limpar os dejetos do pet e, no caso de um cão, por exemplo, passear com ele. Para os gatos, que normalmente demoram a se adaptar a novos ambientes, essa pode ser a melhor opção. O lado bom é que seu animal não sairá do conforto do seu lar e não ficará completamente sozinho.

- Anfitriões de animais:

Se seu pet é dócil e aceita bem outros animais por perto, você pode também optar por deixá-lo com um anfitrião de animais. Ainda pouco conhecido em algumas cidades, o serviço funciona como uma hospedagem em que a pessoa recebe o pet em casa, o que torna a experiência mais aconchegante e próxima da realidade do bichinho. A vantagem é que este serviço costuma ter um valor mais baixo que dos hotéis e você ainda pode combinar com o anfitrião de mandar fotos, diariamente, para se preocupar com nada.

- Amigos que gostam de animais:

Em último caso, se você sabe de algum amigo que vai passar este período em casa e se dá bem com animais, não custa saber o quanto ele cobraria para cuidar do seu pet, seja indo na sua casa ou hospedando o bichinho. Lembre-se de deixar com ele a ração, a caminha e os brinquedos que seu pet mais gosta, para que ele se sinta mais em casa e confiante.

- Companheiro de viagem:

Que tal experimentar viajar com seu animal de estimação? Se alguns cuidados forem tomados, o nível de estresse pela viagem será reduzido tanto para o pet como para o dono. Se for levar seu animal de estimação com você, primeiro atente-se com as vacinas e aplicação de anti pulgas e carrapatos. Leve na bagagem a carteira de vacinação e repelente e já pesquise clínicas veterinárias próximo ao lugar onde for passar o Carnaval para o caso de emergências. É cada vez mais comum que os hotéis aceitem a presença de animais de estimação, entretanto, procure confirmar esta informação antes de escolher o local em que irá se hospedar.

Nos passeios de carro, leve em consideração o calor, dando preferência em viajar em períodos do dia em que a temperatura esteja mais amena ou fazendo uso do ar condicionado. E nunca deixe seu pet, nem que por alguns minutos, trancado no carro.

“A hipertermia (aumento da temperatura corporal) pode levar a uma queda de pressão e o pet pode desmaiar ou até mesmo sofrer uma parada cardíaca”, alerta o médico-veterinário Dr. Rodrigo Mainardi, presidente da Comissão Técnica de Clínicos de Pequenos Animais do CRMV-SP.

Lembre-se também de levar a guia e a focinheira, no caso de animais menos sociáveis ou de raças que tenham como obrigatório o uso. No Estado de São Paulo, o decreto n° 48.553/04 regulamenta quais raças devem utilizar o item, entre elas estão ‘mastim napolitano’, ‘pit bull’ e o ‘rottweiller’.

- Sobre o CRMV-SP

O CRMV-SP tem como missão promover a Medicina Veterinária e a Zootecnia, por meio da orientação, normatização e fiscalização do exercício profissional em prol da saúde pública, animal e ambiental, zelando pela ética. É o órgão de fiscalização do exercício profissional dos médicos-veterinários e zootecnistas do Estado de São Paulo, com mais de 32 mil profissionais ativos. Além disso, assessora os governos da União, Estados e Municípios nos assuntos relacionados com as profissões por ele representadas.

Visite: www.revistaecotour.tur.br

Fonte: Leonardo Fagundes

  
  

Publicado por em