Festa do Cacau demonstra o potencial da cultura no Estado do Pará

A X Festa Estadual do Cacau vai reunir, de 26 a 29 deste mês, em Tomé-Açu, os maiores produtores e especialistas da cultura.

  
  
O Pará é o segundo produtor de cacau do país e aproveita a festa do fruto este ano, em Tomé-Açu, para anunciar investimentos do Funcacau

Os primeiros investimentos dos recursos do Fundo de Apoio à Cacauicultura do Pará serão anunciados durante a X Festa Estadual do Cacau que vai reunir, de 26 a 29 deste mês, em Tomé-Açu, os maiores produtores e especialistas da cultura. A arrecadação do Funcacau, prevista para este ano, é de quase R$ 3 milhões, que vão garantir, entre outros empreendimentos, a capacitação de produtores e técnicos, a produção de sementes e mudas, processamento e industrialização da fruta.

Aprovado em janeiro de 2008, o Funcacau foi criado para concretizar os objetivos do Programa de Aceleração do Crescimento e Consolidação da Cacauicultura no Pará (PAC Cacau), em parceria com a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac). "A cultura do cacau substituiu parte da economia perdida pelo combate à exploração florestal e está em plena expansão no Estado, com uma receita de quase R$ 250 milhões prevista para 2009. Por isso, o cacau vive um bom momento no Pará", explicou o secretário de Estado de Agricultura, Cássio Alves Pereira.

A X Festa Estadual do Cacau busca atualizar conhecimentos por meio de palestras, cursos e treinamentos, e discutir alternativas para a sustentabilidade econômica, política, social e ambiental da cacauicultura no Pará. Para o secretário Cássio Pereira, "a Festa do Cacau consolida a política de expansão que envolve atividades culturais e a capacitação técnica".

A Festa Estadual do Cacau será realizada no parque de exposições de Tomé-Açu. O município foi escolhido para sede do evento, neste ano, por se destacar pelo uso do sistema agroflorestal (SAF), desenvolvido por produtores organizados pelo associativismo, consolidado pela Cooperativa Agrícola Mista de Tomé-Açu (Camta), sendo 80% de agricultores familiares (328 famílias). A produção de cacau prevista para este ano no município é de 1.600 toneladas.

Fundada em 1987, a Camta produz hoje 15 tipos diferentes de sucos de frutas, como acerola, cupuaçu e açaí, e exporta para Estados Unidos, Europa e Japão. O mercado reconhece que a produção ecologicamente correta agrega valor extra à produção. O cultivo feito por meio do sistema agroflorestal é uma produção ecológica e economicamente viável que resulta numa agricultura sustentável que causa menos impacto ao meio ambiente e proporciona renda o ano inteiro para os agricultores.

Com 50 mil habitantes, a 200 quilômetros de Belém, o município de Tomé-Açu foi fundado por imigrantes japoneses em 1929. Hoje, as 1.200 famílias nikeis formam a segunda maior colônia nipônica do Brasil, perdendo só para São Paulo. Elas cultivam 77.500 hectares de terra em sistema agroflorestal, que se caracteriza pela maior diversidade de culturas consorciadas, entre elas as essências florestais.

O cacau foi a saída encontrada pelos japoneses para recuperação da agricultura depois da decadência da pimenta-do-reino, dizimada por doenças como a fusariose na década de 1970. O produtor Michinori Konagamo optou pelo sistema agroflorestal, consorciando pimenta e cacau. Hoje, já tem mais de 20 espécies, entre frutíferas e essências florestais, plantadas na sua propriedade, sendo que 40% da renda resultam do cacau. "Estamos sempre em busca de novidades tecnológicas para desenvolver a cultura do cacau consorciado com outras espécies, porque o sistema agroflorestal garante a preservação ambiental", disse Konagamo, que mantém 40 pessoas trabalhando na sua plantação.

Jorge Takahashi é outro produtor que optou pelo cacau para fugir da crise da pimenta. Ele tem 55 mil pés plantados em áreas alteradas, de onde tira maior parte do lucro da propriedade. O agricultor deixou os estudos para se dedicar à lavoura, mas a cultura cacaueira garantiu a formação dos seus três filhos. "A paixão pelo cacau me faz perceber como as plantas querem ser tratadas e eu busco as melhores técnicas de manejo para cuidar da plantação", declara Takahashi.

A produção paraense de cacau é estimada em 60 mil toneladas de amêndoas, mais de ¼ da produção brasileira - só perde para a Bahia. A área plantada é de 94 mil hectares com 10 mil famílias assistidas em 32 municípios. A região de maior produção é a Tranzamazônica, sendo o município de Medicilândia o maior produtor do Brasil e se destaca também pela produção orgânica da fruta, que já começou a ser exportada para a Europa. A área de expansão da lavoura cacaueira no Estado é de 24 mil hectares.

A programação da X Festa Estadual do Cacau terá cursos, seminários e palestras sobre manejo sustentável da terra, verticalização do agronegócio do cacau, industrialização, oportunidade de negócios e mercado, além da oficina de artesanato a partir dos subprodutos do cacau. Haverá ainda a feira de produtos regionais, concursos de quebra do cacau e melhor fruto beneficiado, e escolha da Rainha da X Festa do Cacau. A abertura oficial terá a presença do secretário de Estado de Agricultura, Cássio Pereira, no dia 26, às 19 horas, e, em seguida, jantar de confraternização com os produtores.

Fonte: Agência Pará de Notícias

  
  

Publicado por em