180 Anos da Imigração Alemã: revista aborda a gastronomia típica em Santa Catarina

A ideia da revista é resgatar as receitas típicas da culinária alemã, puxadas da memória das avós e bisavós dando um toque contemporâneo de grandes chefs.

  
  

A ideia da revista é resgatar as receitas típicas da culinária alemã, puxadas da memória das avós e bisavós dando um toque contemporâneo de grandes chefs. Assim, por meio da culinária, se faz um resgate da história dos imigrantes alemães e seus descendentes no desenvolvimento do Estado. “Nosso objetivo ao editarmos a Revista não é esgotar o assunto, mas contribuir para sua difusão despertando mentes e corações na busca de informações mais profundas nessa ampla bibliografia sobre tão apaixonante tema” – explica Rosa Maria Lôndero Rupp, do Instituto Recriar.

Comemorações seguem até 2010 Passados 180 anos da chegada dos primeiros alemães em solo catarinense, os imigrantes conquistaram diferentes regiões, contribuíram para o desenvolvimento das cidades e, hoje, Santa Catarina é considerado o Estado mais alemão do Brasil. Para comemorar os 180 anos dessa imigração em Santa Catarina, a Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte organiza eventos culturais, esportivos, religiosos e gastronômicos que envolvem os 164 municípios de origem alemã. O secretário de Turismo, Cultura e Esporte, Gilmar Knaesel, que está à frente das comemorações, pretende, ao longo deste ano, promover a preservação da cultura e do legado alemão catarinense. “Queremos envolver o maior número de descendentes nas ações espalhadas por todo o Estado. Vamos focar nossos esforços para alcançar esse objetivo”, afirma Knaesel. Estão programadas apresentações típicas, lançamento de livros sobre a colonização alemã, a publicação de uma revista de gastronomia com receitas típicas e competições esportivas nas quais os alemães e descendentes são craques: tiro, bolão e bocha. Também será realizado um simpósio sobre imigração alemã, montagem da ópera "O Imigrante", apresentação de orquestras de diversos municípios apresentando composições de autores germânicos, reedição de livros referentes à imigração, entre outros eventos que vão resgatar um pouco dessa história. A participação em feiras e festas das comunidades alemãs é outro foco da Secretaria. “Vamos estar juntos com os descendentes nas diferentes comemorações para disseminar ainda mais a cultura alemã”, afirma Knaesel.

História

Os primeiros imigrantes alemães foram trazidos ao Brasil a mando do Rei Dom João VI, no século XIX, e se instalaram em diferentes regiões. Grande parte dos imigrantes deixou seu país devido aos problemas sociais da Europa e pela possibilidade de novas oportunidades. Em 1824, os primeiros alemães chegaram ao Sul do Brasil e foram assentados à margem sul do Rio dos Sinos. A primeira colônia alemã em Santa Catarina foi fundada no dia 1º de março de 1829, onde hoje localiza-se a cidade de São Pedro de Alcântara. Entre as atividades desenvolvidas pelos alemães, destacavam-se a olaria, a agricultura e a carpintaria, mas aos poucos também foram se firmando como comerciantes e industriários. Desta localidade, os imigrantes partiram para outras regiões do Estado, principalmente o Vale do Itajaí-Açú e sul. Algumas cidades catarinenses foram fundadas com o nome da cidade de origem dos imigrantes como Pomerode, que recebeu os imigrantes de Pomerânia (Alemanha). Viajando pelo Estado é possível encontrar localidades que preservam as características e os detalhes da colonização. Pomerode é conhecida com a cidade mais alemã do Brasil, já que tem a maior concentração de casal enxaimel fora da Alemanha com cerca de 50 edificações na região do Vale Europeu.

Santa Catarina também é reconhecida internacionalmente por promover as principais festas alemãs do Brasil. A mais conhecida é a Oktoberfest de Blumenau, considerada a maior celebração da cultura alemã fora da Alemanha, com bandinhas típicas e muito chopp.

Fonte: Secretaria de Turismo de Santa Catarina

  
  

Publicado por em