Cajuína do Piauí ganhará identificação geográfica

Bebida típica do estado, produzida a partir do caju, terá registro no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI)

  
  

Nesta terça-feira (17), o Sebrae no Piauí promove o I Seminário de Indicação Geográfica da cajuína, bebida natural rica em vitamina C e ferro. O evento terá início às 14h30, no auditório da instituição em Teresina, e deve contar com a participação de mais de cinqüenta produtores de cajuína de todo o estado.

“O seminário faz parte de uma das etapas para a obtenção da identificação geográfica da cajuína. Queremos sensibilizar os produtores para a importância estratégica da legalização dos empreendimentos do setor no processo de conquista deste eficaz instrumento de desenvolvimento de produtos agroindustriais de uma região, que é a identificação geográfica”, informa a gestora do projeto, Geórgia Pádua.

A programação prevê palestras com o fiscal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Pedro Vilarinho, que abordará temas relacionados à legalização de agroindústrias de cajuína; e com o engenheiro agrônomo e técnico do Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Milton Paula Costa, que vai falar sobre as ações desenvolvidas pelo órgão e sobre processamento do pedúnculo do caju com ênfase na produção.

“Contribuição da Pesquisa para o Desenvolvimento da Cajucultura no Estado do Piauí” é o tema de palestra do evento, que será proferida pelo técnico da Embrapa Meio-Norte, José Lopes Ribeiro. O presidente da Cooperativa Mista dos Avicultores do Piauí (Coave), Américo Soares, falará no seminário sobre a experiência de sucesso da entidade no que se refere ao cooperativismo.

Na ocasião, um profissional de contabilidade orientará os produtores sobre o processo de registro de empresas, esclarecendo sobre taxas, adesão ao Simples, documentação, impostos, entre outros assuntos.

Para encerrar o encontro, o consultor do Sebrae/PI, Roberto Castelo Branco, apresentará o estatuto revisado da União das Associações, Cooperativas e Produtores de Cajuína do estado, que se chamará Pro Cajuína.

“Essa associação está sendo constituída como peça fundamental no processo de identificação geográfica da cajuína. Com uma identidade única e coletiva, de propriedade desta entidade representativa dos produtores em âmbito estadual, a cajuína do Piauí passará a ser reconhecida como um produto de alta qualidade, diferente das produzidas em outras regiões, o que vai garantir mais competitividade para o setor”, explica Geórgia.

Identificação Geográfica

Identificação geográfica é um termo usado para definir o processo de certificação de produtos de uma determinada região com características específicas e intangíveis que os diferenciem de seus concorrentes. É uma forma de agregar valor ao produto e ao local onde é desenvolvido, garantindo a qualidade, o que fideliza o consumidor.

A identificação geográfica, quando registrada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) fica protegida e não poderá ser usada por produtores de outras regiões, sendo uma forma de diferenciação de produtos, permitindo o reconhecimento do mercado e dos consumidores.

Serviço:
Unidade de Atendimento Coletivo Agronegócio do Sebrae no Piauí - (86) 3216-1333

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

  
  

Publicado por em