Gastronomia na Europa combina sabores diversificados com muita qualidade

Se Paris é por si só um roteiro, o turista pode percorrer outros caminhos e se deliciar em Lyon, que é o berço dos bouchons.

  
  

Os 11 países integrantes da Comissão Européia de Turismo (CET) no Brasil possuem uma oferta de turismo gastronômico diversificada, com qualidade e variedade de sabores para encantar qualquer bon-vivant. São opções que combinam rotas em pequenas e grandes cidades, pratos, chefs, restaurantes e até arquitetura para agradar aos paladares mais exigentes. A comida tradicional de cada região é destaque, como as massas na Itália, o queijo e o chocolate na Suíça, os salsichões com mostarda e cerveja na Alemanha, os doces austríacos e o famoso chá da tarde britânico. Mas os países europeus vêm inovando e lançando tendências no mercado.

A gastronomia britânica, por exemplo, passou por uma revolução liderada por pubs de boa qualidade - os "gastropubs", com pratos tradicionais, mas preparados de maneira inovadora. Neles há receitas com ótimos ingredientes, com destaque para as carnes de caça. Salmões e trutas também são facilmente encontrados na cozinha escocesa, assim como o haggis, prato típico feito com vísceras de carneiro misturadas com farinha de aveia. Além disso, o país não pára de produzir chefs famosos, como Gordon Ramsay e Jamie Oliver.

Conhecida pelas massas que podem ser saboreadas em qualquer uma das milhares de trattories, a Itália observa o crescimento da cozinha das osteries, que reelaboram pratos tradicionais e redescobrem usos de produtos agrícolas típicos (cereais, verduras, azeite de oliva, etc).

A cozinha moderna alemã também está se apropriando de ingredientes tradicionais com uma nova visão. O restaurante Dieter Müller, no Schlosshotel Lerbach em Bergisch-Gladbach (um castelo transformado em um hotel), e o restaurante Schiffchen em Düsseldorf são destaques por essas inovações na avaliação do Guia Michelin com três estrelas cada.

Entretanto, ninguém ficará frustrado se quiser comer joelho de porco (Eisbein), chucrute (sauerkraut), Spätzle (um macarrão típico), salsicha Viena ou Frankfurt com muita mostarda e batatas nas mais diversas receitas.

Já a Espanha tem se destacado na área de cozinha fusion, e prepara uma série de eventos sobre o assunto para dividir esse conhecimento, como a Jornada Técnica de Demonstrações Gastronômicas I+D+G, que ocorrerá no dia 30 de junho no Pabellón de España na Expo Zaragoza 2008 dentro do marco "Ciência e Tecnologia"; e o Salão Internacional do Clube dos Gourmets.

Na França, a Gastronomia é uma instituição. Só para começar, grande parte dos principais chefs do planeta estudaram no país - em escolas renomadas como Le Cordon Bleu, Institut Paul Bocuse e Lenôtre, ou são franceses, como Alain Ducasse, Paul Bocuse e Joël Robuchon.

Além disso, em que outro país é possível encontrar 365 tipos de queijo, isto é, um para cada dia do ano e um decreto governamental tratando de pães? O turismo enogastronômico francês é reconhecido internacionalmente. Em qualquer parte da França é possível despertar o seu espírito gourmet.

Se Paris é por si só um roteiro, o turista pode percorrer outros caminhos e se deliciar em Lyon, que é o berço dos bouchons, com excelente gastronomia a preços acessíveis e opções também de restaurantes estrelados. Seguindo pela Provence, com sua culinária saudável e a famosa bouillabaisse, uma moqueca provençal, chega-se à Riviera, onde é possível degustar no centro antigo de Cannes os melhores frutos do mar.

E para ilustrar a variedade gastronômica da França, um capítulo à parte é a Martinique, região francesa no Caribe, com sua culinária créole, tão tropical quanto inesquecível.

Doces:

Na Suíça, é possível testar toda a nobreza dos chocolates, degustando o produto nas melhores Confisseries da Suíça, como a Sprüngli, boutique de chocolates que atrai gerações de connaisseurs do mundo inteiro, seduzidos pela tradição, conhecimento e qualidade incontestáveis de seus finos chocolates artesanais.

O turista interessado na gastronomia pode aproveitar um majestoso passeio pelo trem de chocolate, que leva, de junho a outubro, os apaixonados chocólatras de Montreux até a fábrica da Cailler-Nestlé na cidade de Broc.

O chocolate também é destaque na Áustria. A Manufatura de Chocolate Zotter, de Josef Zotter, mistura chocolate a nozes de cedro, Reishi, camomila, hibisco, tofu e amarante. Seus produtos podem ser encontrados em qualquer doceira com bom sortimento.

De uma forma geral, os doces compõem delícias a serem saboreadas entre as refeições ou acompanhando o café na Áustria. Uma dica é procurar os fornecedores selecionados, chamado de k.u.k. A confeitaria Demel e o Hotel Sacher contam com essa honraria, sendo o hotel responsável pela criação da famosa "Sachertorte", que hoje é conceito mundial da mais elevada arte confeiteira.

Bebidas:

O bom é saber que os países integrantes da Comissão Européia de Turismo oferecem toda essa diversidade de comida acompanhada com os melhores bebidas. Os pequenos produtores de vinhos suíços fazem as degustações no próprio local, tanto do vinho, quanto de queijos em diversas formas, como Foundues, Racletes e outros pratos típicos.

Na Alemanha, são mais de 1.200 cervejarias produzindo 5.000 tipos de cerveja. E para se refrescar o país oferece 550 tipos de água mineral, mas também tem vinhos e a sua cachaça típica Schnaps.

A Escócia é a terra do malte, com as principais destilarias de uísque concentradas na região de Speyside, nas Highlands. Os visitantes podem fazer passeios de degustação ou assistir a palestras ministradas por especialistas da indústria do uísque. Maio é considerado o mês do uísque, quando acontecem vários festivais por todo o país.

No que se refere ao vinho, a Itália já recuperou o atraso secular em relação aos países de cultura enológica mais antiga. Hoje os vinhos italianos não temem as comparações: brancos, tintos, roses, passiti, muffati, espumantes e tantos outros. Há vinhos para todos os gostos, e não são bons, são ótimos.

Já sob o sol de Andaluzia, ao sul da Espanha, fica a rota do vinho e do conhaque de Marco de Jerez. Três cidades são destaque, Sherry da beira, Sanlúcar de Barrameda e o porto de Santa Maria, todas com armazéns que excedem 100 anos e que acompanham cada degustação com ótimas opções de tapas.

Já na França, outra viagem importante é pela Aquitaine e Périgord. Além dos vinhos de Bordeaux, é possível degustar o famoso foie gras, o presunto e o chocolate de Bayonne, sem esquecer da Bourgogne, onde você pode comprar como souvenir a mostarda de Dijon, que conta com um dos melhores restaurantes da França, Le relais Bernard Loiseau.

Mas, o roteiro dos sonhos para os amantes do vinho é a trilogia Champagne, berço e capital dos melhores espumantes do mundo, Aquitaine, com os terroirs de Bordeaux, e Bourgogne, lugar ideal para se visitar diferentes adegas. Deve-se lembrar também da Alsácia, com sua oferta de vinhos brancos e a Bretanha com a cidra, que se harmoniza perfeitamente com os crepes e galettes.

Na Áustria, percebe-se uma preocupação também na criação do ambiente perfeito para a refeição. Atualmente, o local mais aclamado em Salzburgo é o espaço para eventos, Hangar 7, próximo ao aeroporto, onde fica o restaurante Ikarus. Esse é o cartão de visita gastronômico do império da empresa salzburguesa Red Bull e um dos templos culinários mais inovadores da Europa, que conta com o apadrinhamento do lendário cozinheiro Eckart Witzigmann e direção de Roland Trettl.

Saiba Mais:

Formada por 36 países, a Comissão Européia de Turismo (CET) é integrada por onze na América Latina. São eles: Portugal, Espanha, França, Itália, Alemanha, Irlanda, Grã-Bretanha, Polônia, Áustria, República Tcheca e Suíça.

Fonte: Del Valle Editoria / Beth Guaraldo - VoiceAssCom

  
  

Publicado por em