Cimi denuncia assassinato de 63 indígenas em dois anos do governo Lula

O Cimi - Conselho Indigenista Missionário informou, em nota divulgada a quinta-feira (24/2), que 63 indígenas foram assassinados durante os dois primeiros anos do governo Lula. O documento, que `apresenta uma análise da conjuntura enfocando o quadro d

  
  

O Cimi - Conselho Indigenista Missionário informou, em nota divulgada a quinta-feira (24/2), que 63 indígenas foram assassinados durante os dois primeiros anos do governo Lula.

O documento, que `apresenta uma análise da conjuntura enfocando o quadro de violência contra os povos indígenas e contra seus direitos constitucionais` foi formulado a partir de debates realizados pelos membros da Presidência do Conselho Indigenista durante esta semana, na Chapada dos Guimarães, em Mato Grosso.

A Funai - Fundação Nacional do Índio, por meio da Assessoria de Imprensa, disse não concordar com os dados divulgados pelo Cimi.

`Esse número está inflacionado. Nós reconhecemos sete mortes e nem todas elas foram causadas por conflitos de terra, grilagem, invasão e violência`, declarou o assessor de imprensa da Funai, Pedro Rocha.

O Cimi aponta o presidente Lula como um dos `mais poderosos e letais inimigos` da causa indígena. `Isto ficou claro na recusa do presidente da República em assinar a homologação da área indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, incentivando assim, explicitamente, que os poderes locais criassem novos obstáculos jurídicos a essa homologação`, diz a nota.

A homologação da reserva indígena Raposa Serra do Sol se tornou um impasse jurídico que se estende há mais de seis anos no país. No dia 3 de janeiro, a ministra Ellen Gracie, do STF - Supremo Tribunal Federal, decidiu suspender a portaria do Ministério da Justiça que, em 1998, estabeleceu a demarcação contínua da reserva.

De acordo com a Funai, a conclusão do Conselho em relação a atuação do governo federal nas causas indígenas é equivocada.

`Nesses dois anos, o governo Lula realizou mais demarcações de terras indígenas do que o governo anterior fez no mesmo período`, disse Rocha.

A organização também acusa o Judiciário. `A cumplicidade ativa setores do poder Judiciário nesse processo revela que o cerco político e jurídico se fecha sobre os direitos dos povos indígenas no Brasil, um cerco de caráter etnocida`.

O Conselho Indigenista Missionário avisa ainda que, no Pará, a terra do povo Arara (Ugrogmo), habitante da área indígena Cachoeira Seca, `está sendo invadida por madereiros e fazendeiros que se utilizam da grilagem de terras, de ameaças e violências físicas`.

Nas regiões Centro-Oeste e Sul, a morte de crianças Xavantes e Guarani-Kaiowá é atribuída pelo Cimi a `empresários, fazendeiros e políticos locais que se articulam para impedir processos de identificação e demarcação de territórios indígenas.`

Fonte: Agência Brasil

  
  

Publicado por em