Natureza Acessível a todos

Sacolejar rio abaixo dentro de um bote, descer uma cachoeira agarrado a uma corda, deslizar numa tirolesa, pular de bungee jumping, voar de asa-delta. Dificilmente haverá uma que não possa ser experimentada por portadores de necessidades especiais

  
  
No Brasil, alguns destinos de turismo de aventura já se estruturaram ou estão investindo em acessibilidade para receber esses visitantes dispostos a se superar em troca de emoção

Sacolejar rio abaixo dentro de um bote, descer uma cachoeira agarrado a uma corda, deslizar numa tirolesa, pular de bungee jumping, voar de asa-delta. Pense em qualquer aventura: dificilmente haverá uma que não possa ser experimentada por portadores de necessidades especiais. Basta um colete específico, uma cadeirinha ou às vezes só o apoio de um instrutor preparado e pronto. Segundo a ONG Aventura Especial, a maior limitação não é a deficiência e sim a falta de adaptações físicas e de profissionais qualificados para atender ao aventureiro especial.

No Brasil, alguns destinos de turismo de aventura já se estruturaram ou estão investindo em acessibilidade para receber esses visitantes dispostos a se superar em troca de emoção. Já há iniciativas em Foz do Iguaçu, em Brotas, na Serra da Capivara e na Serra Gaúcha. Mas destino-modelo mesmo nesse segmento é a cidade de Socorro, em São Paulo, que em 2008 recebeu verba do Ministério do Turismo destinada à adoção de medidas para atender às pessoas com deficiência. Dez modalidades de turismo de aventura oferecidas na cidade foram adaptadas e cerca de 250 profissionais foram treinados. Além disso, prefeitura e estabelecimentos providenciaram itens como guias rebaixadas, portas largas, calçada tátil e semáforos sonoros pelas ruas. Alguns hotéis oferecem cardápio em braile, telefone para deficientes auditivos e até canil para cão-guia dentro do quarto.

Dicas essenciais
A maioria das operadoras e dos destinos turísticos ainda não está preparada para atender visitantes com mobilidade reduzida, deficiência visual, mental ou auditiva. Por isso, vale consultar as operadoras antes de se inscrever nas atividades para saber se é possível fazer as adaptações e se há os equipamentos necessários.

Consulte os centros de informações turísticas da cidade para saber se existe uma lista de estabelecimentos acessíveis a portadores de deficiências físicas, como hotéis, pousadas e restaurantes.

Consulte no site Viagem na Natureza, do Ministério do Turismo, a seção "Acessibilidade" que consta na página de cada Destino e cada Atividade. Lá você encontrará dados importantes sobre as adaptações que estão sendo feitas ao redor do Brasil.

Fonte: Viagem na Natureza

  
  

Publicado por em