Turismo Acessível - Uma ferramenta para a inclusão social e seu constante crescimento

Cresce número de pessoas com algum tipo de deficiência que buscam o Turismo Acessível, fazendo com que aumente a exigência quanto à qualidade e necessidade aos serviços prestados pelas empresas especializadas nesse mercado

  
  
Acessibilidade e inclusão social

Quando pensamos em turismo, sempre vem à mente lugares relaxantes, com muita diversão, paisagens maravilhosas, para a captura de bons “cliques”, além da sensação de prazer que causa na mente e no corpo. Pesquisa do Ministério do Turismo, em parceria com a Associação Brasileira de Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta), revela que, ao menos, 5,4 milhões de pessoas, incluindo os deficientes, visitaram o país atrás de um turismo, digamos, mais radical.

O Ministério do Turismo também trabalha desde 2012 no projeto “Turismo Acessível”, prezando o turismo social e a via de inclusão a todos os cidadãos de cidades urbanas em seus tempos livres, sem discriminação de acessos de qualquer natureza.

Por proporcionar benefícios nos mais diversos campos de nossa vida, agregando conhecimentos e experiências em diversos campos, a EcoAção teve uma experiência ao convidar quatorze amputados e biamputados na inauguração do estabelecimento em 2001. “Foi nossa primeira atividade de turismo de aventura com cunho comercial. Um dia muito especial para nós e para todos que estavam praticando as atividades”, explica Rafael, diretor da empresa.

Pensando em disponibilizar o Ecoturismo e esportes radicais para todas as pessoas, a EcoAção adaptou as atividades de aventura para portadores de necessidades especiais, sendo a primeira empresa de turismo do Brasil a focar neste público. Posteriormente junto com Dada Moreira, fundador da ONG Aventura Especial, a empresa responsável disponibilizou ainda mais as atividades de aventura. Para isso, foram adaptados desde procedimentos até equipamentos e infraestrutura.

Acessibilidade e inclusão social

]

Acessibilidade e inclusão social

Rafael afirma que tem crescido cada vez mais o número de pessoas portadoras de necessidades especiais procurando fazer atividades radicais e ainda completa: “A divulgação deste público realizando as atividades, também incentiva pessoas com mobilidade reduzida, incluindo idosos a participar das atividades”. A EcoAção já recebeu gente famosa em Brotas disposta a levantar essa bandeira: Alex Whitaker, atleta medalhista em levantamento de peso, e Fernando Fernandes, atleta e ex-BBB - ambos cadeirantes.

A recomendação de atividades radicais depende do caso de deficiência, sendo importante na hora da escolha das práticas desse tipo de esporte, informa o diretor responsável. “O mais democrático é o rafting, que permite qualquer tipo de deficiência. Já as atividades individuais, como bóia cross, cavalgada, canionismo, são menos indicadas para portadores de deficiência visual. Às vezes a deficiência chega a favorecer a prática de algumas atividades, mas em outros casos dificulta muito. Por exemplo, o boia cross e rapel, devem ser evitados para cadeirantes com lesão alta de medula (tetraplégicos), pois sua condição não permite a prática segura de tais atividades”.

Quanto aos profissionais, todos precisam ser capacitados para este ramo, a EcoAção possui condutores e coordenadores das atividades promovidas, todos treinados para saber lidar com os deficientes, utilizando os equipamentos e os adequando aos procedimentos operacionais.
Porém é sempre indicado que o participante tenha consultado seu médico para ser “liberado“ para a prática da atividade, principalmente quando o caso é recente, ou houve alguma intervenção médica recente.

Acessibilidade e inclusão social

]

Acessibilidade e inclusão social

]

Segundo o CONADE (Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência) e a Secretaria Especial dos Direitos Humanos de Brasília, atividades esportivas de aventura engrandece qualquer tipo de pessoa ensinando questões como desafio e perseverança, podendo significar uma experiência transformadora no sentido de satisfação, autoestima e, principalmente, trazer o sentido de superação e o Brasil é um país de enorme potencial turístico, porém ainda pouco explorado. Se um planejamento adequado for realizado em cima desta oportunidade, além de abrirmos caminhos para promover acessibilidade e inclusão em diversos campos da sociedade, também diversas oportunidades de emprego serão geradas, beneficiando a todos.

Serviços

Equipe EcoAção

Av. Mario Pinotti – 205 – Centro – Brotas SP

(14) 3653-9140

www.ecoacao.com.br

Fonte: Life Assessoria

  
  

Publicado por em