Circuito da Canastra fortalece turismo

Municípios como Araxá e São Roque de Minas se unem para divulgar suas atrações e para se profissionalizar cada vez mais no atendimento a seus visitantes == Do Sebrae em Minas Gerais Arquivo Empresariado de c

  
  

Municípios como Araxá e São Roque de Minas se unem para divulgar suas atrações e para se profissionalizar cada vez mais no atendimento a seus visitantes ==

Do Sebrae em Minas Gerais

Arquivo

Empresariado de cidades da Serra da Canastra acreditam na viabilidade do crescimento do potencial turístico da região

Belo Horizonte - Quando se formou o Circuito Turístico da Canastra, capitaneado pela tradição de cidades como Araxá, no sudoeste mineiro, e pelo Parque Nacional da Serra da Canastra, os agentes de desenvolvimento da região logo perceberam que a força do projeto estava na união dos municípios. Cidades como Araxá e São Roque de Minas, que oferecem uma estrutura hoteleira sólida, servem de ponto de partida para os turistas.

“Sempre pensamos que não poderíamos reforçar destinos únicos, mas um destino regional”, diz o presidente da Associação Comercial de Araxá, Ronaldo Bittencourt Júnior.

Passados cinco anos e com o acolhimento de iniciativas que concretizaram a idéia do turismo regional, como a criação da Associação do Circuito da Canastra, o esforço geral tem sido recompensado. Segundo o presidente da entidade, que reúne representantes de onze cidades, Leandro Haddad, os números demonstram que o caminho é realmente o trabalho conjunto, que multiplica oportunidades, amplia o potencial de ações e dá sustentação às reivindicações de não apenas uma comunidade, mas de várias.

Para o presidente do Sindicato dos Bares, Hotéis e Restaurantes de Araxá, Mário Marques, os resultados que estão surgindo são fruto da persistência e de investimentos feitos há bastante tempo. “O Sebrae desempenhou um papel importantíssimo nessa retomada do turismo na cidade e na região, porque acreditou no projeto e vem sendo um grande fomentador de desenvolvimento”, elogia.

Mário lembra que Araxá já passou por grandes problemas, quando, por exemplo, o Grande Hotel e o complexo termal do Barreiro – a mais conhecida atração turística do município – foram fechados. “Hoje, as pessoas têm uma consciência maior do turismo e sabem que não é apenas uma atração que satisfaz o turista; é o conjunto que a cidade ou a região pode oferecer”, assinala.

O Circuito da Canastra, assim como outros reconhecidos pela Secretaria de Estado de Turismo, recebe o apoio do Programa Sebrae de Turismo, que leva para a região um grande leque de ações de fortalecimento das atividades que envolvem a enorme cadeia produtiva do turismo.

“O Sebrae é parceiro do turismo em Araxá há 10 anos”, lembra Heloísa Tinoco, técnica na região. Além de um grande investimento na capacitação das empresas, o Programa enfatiza ações como a formatação e a viabilização de roteiros turísticos no âmbito do circuito.

Asa delta

Para a Associação Comercial de Araxá, uma mudança na mentalidade dos empresários foi essencial para aprimorar a atividade turística. “Há até pouco tempo, em Araxá, postos de gasolina e supermercados não abriam aos domingos”, recorda Ronaldo Bittencourt, presidente da Associação Comercial. “Estamos conseguindo implantar uma nova cultura entre os agentes econômicos”, garante..

A geração de novas oportunidades, alavancadas especialmente pela sensibilização das populações, tem servido de estímulo para a criação de novos negócios e a para transformação de antigos empreendimentos.

Quando se aposentou, no final da década de 80, a bancária Mercedes de Paiva, de 70 anos, achou que voltaria para Araxá para passar dias tranqüilos na fazenda de 250 alqueires herdada do pai. Pilotos de asa delta e paraglider fizeram-na mudar de idéia.

A fazenda Horizonte Perdido, que possui rampas naturais de decolagem, virou um ponto para adeptos do esporte radical. A veia empreendedora de Mercedes foi estimulada e o lugar, estruturado, com restaurante para quase 200 pessoas, para acolher inclusive etapas de um campeonato nacional de vôo livre. “Fui turista durante muito tempo, viajei o mundo inteiro, então sei o que um turista quer”, diz Mercedes. Entre seus planos está a construção de uma pousada no local. “Agora, vou buscar financiamento, porque até aqui fiz tudo com recursos próprios”, conta.

Muito esforço pessoal também foi necessário para que a família de dona Joaninha, de 73 anos, uma das doceiras mais conhecidas de Araxá, se recuperasse de grandes dificuldades financeiras, acarretadas pela falência dos negócios do pai, um importante comerciante na cidade. Ela, que nunca tinha trabalhado fora, não se assustou ao ter que colocar, literalmente, a mão na massa, e transformou uma habilidade doméstica num negócio em ascensão.

A fábrica de doces que leva o nome de Dona Joaninha passa por uma modernização geral, iniciada com a reforma da loja, onde se vendem outras especialidades da região. “A tradição do doce em Araxá estimulou minha mãe, que batalhou muito para sair da crise que vivemos”, lembra Luiz Augusto de Almeida, de 52 anos, filho de Joaninha, que assumiu a administração dos negócios.

Serviço:
Sebrae em Minas Gerais: (31) 3371-9060

Fonte: SEBRAE

  
  

Publicado por em