Desafios do turismo e da ornitologia na Amazônia são discutidos em congresso

A Amazônia dispõe de ilhas fluviais que abrigam diversos pássaros que somente são encontrados nessas áreas. Este é apenas um dos motivos que atraem turistas de vários países para a região

  
  

“Ornitologia e turismo” foi o tema central da discussão que reuniu ornitólogos e empresários de várias partes do país no Hotel Tropical, durante o X Congresso Neotropical de Ornitologia e o XXII Congresso Brasileiro de Ornitologia. O evento aconteceu 19 a 24 de julho.

De acordo com o presidente do evento e pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), Mario Cohn-Haft, a Amazônia tem a mais alta diversidade de espécies de pássaros do mundo, são quase 85% só no Amazonas, mas possui os menores números de pessoas estudando. “A necessidade de descoberta e conhecimento de novos pássaros é maior aqui que em outra região” disse.

Ainda há muito o que avançar nas pesquisas, destacou Cohn-Haft. No entanto, uma das principais barreiras que são encontradas quando um observador, amante ou pesquisador de aves, se depara ao chegar em florestas e reservas são as restritas Leis das Unidades de Conservação (UC), que impedem ou limitam a observação.

“As leis são bem intencionadas, mas o risco é mínimo. As pessoas vão para apreciar, estudar e divulgar a beleza da floresta” inteirou Cohn-Haft.

Turismo na Amazônia

A Amazônia dispõe de ilhas fluviais que abrigam diversos pássaros que somente são encontrados nessas áreas. Este é apenas um dos motivos que atraem turistas de vários países para a região.

Para o empresário do ramo hoteleiro de selva, Augusto Filho, 34, a maior barreira da Amazônia é o que faz, também, a região ser mais interessante e atrativa para os turistas: à distância e a infraestrutura.

“O desafio é grande quando se trata de infraestrutura na região, pois é necessário também oferecer serviço de qualidade, e levando em conta a distância, o preço é alto”, disse Filho.

Mas, ainda com o custo elevado, o empresário afirma que a demanda de hotéis de selva tem crescido, principalmente, por parte de turistas brasileiros. Porém, há poucos hotéis que oferecem esse tipo de serviço para a sociedade.

“Eu tenho uma demanda crescente de hospedes que eu não consigo atender em alta temporada”, ressaltou o empresário.

Sobre o Congresso

Com o tema “Ornitologia e Sociedade”, o Congresso reuniu mais de 550 estudantes, pesquisadores e interessado em ornitologia (estudo de pássaros) de 27 países. Cohn-Haft também destacou o sucesso e a superação de expectativas em números e em qualidade do Avistar Manaus 2015, que aconteceu entre 18 e 19 de julho, no Bosque da Ciência do Inpa.

Diversas atividades estão na programação do congresso, como: mesas-redondas (abertas ao público), palestras, simpósios, minicursos e paneis. Entre os temas abordados estão: genética de populações; morfologia e fisiologia; ecologia de paisagens; migração; taxinomia e a conservação das espécies ameaçadas.

Visite: www.revistaecotour.tur.br

Fonte: Inpa / Caroline Rocha

  
  

Publicado por em