Adventure Fair consolida-se como fórum de discussões do ecoturismo latino

A quinta edição da Adventure Fair, encerrada no domingo passado, em São Paulo, justificou sua condição de maior evento de ecoturismo e esportes de aventura do Hemisfério Sul. A feira foi elogiada pela maioria dos expositores e visitantes ligados ao ec

  
  

A quinta edição da Adventure Fair, encerrada no domingo passado, em São Paulo, justificou sua condição de maior evento de ecoturismo e esportes de aventura do Hemisfério Sul.

A feira foi elogiada pela maioria dos expositores e visitantes ligados ao ecoturismo e consolidou-se como um importante fórum de discussões do setor na América Latina.

Entre as novidades deste ano, está a parceria entre a Adventure e duas feiras do gênero - a Expo Turismo, feira itinerante que acontece anualmente na Venezuela, sempre no segundo semestre, e a Expo Aventura e Ecoturismo, no México. Uma das ações para confirmar esta integração será a disponibilidade de um espaço de cada feira no evento do parceiro, o que deve acontecer já em 2004.

O venezuelano Antonio Pestana, da Eco Alianza, organizadora da Expo Turismo, visitou a Adventure Fair pela primeira vez este ano.

“Fiquei impressionado com o excelente público presente, os vários segmentos representados e a interatividade com o público no Kuat Adventure Park”, observou.

“A troca de experiências entre os eventos será muito importante para que todas cresçam ainda mais, colaborando para a consolidação da aventura e do ecoturismo na América Latina”.

Para a consulesa da Venezuela no Brasil, Maria Virginia Mezones, que está no país há quatro anos, a feira é excelente.

“Este ano marcou a primeira participação do nosso país no evento, que é o elo de união dos países latino-americanos através do ecoturismo”, observa.

“Os coordenadores venezuelanos que visitaram a feira ficaram surpresos com sua dimensão, com o enorme público, e com a grande quantidade de destinos representados no segundo piso”.

Em 2003, a Adventure Fair reuniu cerca de 86 destinos de ecoturismo espalhados por São Paulo, Tocantins, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

A participação dos destinos triplicou com relação à edição passada da feira e os empresários do setor estão otimistas.

“A área de Ecoturismo melhorou bastante. Diversas cidades vieram neste ano e a tendência é de que todos os estados do Brasil participem nos próximos anos”, disse Fátima Cordella, agente de viagens do hotel Águas do Pantanal.

“Somos 26 empresários do Pantanal e precisamos de informações para divulgar a nossa região para o trade de ecoturismo, que pode ser melhorado com rodadas de negócios”. O hotel esteve na feira em parceria com a secretaria estadual de turismo do Mato Grosso do Sul.

Outro estado que deu apoio aos empresários locais foi a Paraíba, que veio para a Adventure Fair mostrar que também tem várias opções para os amantes dos esportes de aventura.

“Esta é a nossa quarta participação no evento, mas pela primeira vez com apoio oficial. As pessoas não sabem que nosso estado oferece tantas atividades e também estamos procurando operadoras interessadas nos nossos destinos”, disse Ricardo Machado, do departamento de operações da Cliotur.

Duas cidades paulistas que contaram com o apoio do Sebrae também gostaram dos resultados da feira. Cunha, cidade que fica na divisa com o Rio de Janeiro, estava representada pela Cunhatur, uma associação de 43 proprietários e pousadas e hotéis da região.

“A cidade tem potencial para o ecoturismo, mas ainda não tem uma operadora local. Os empresários estão se organizando e os turistas já estão começando a visitar a cidade. A Adventure Fair é uma ótima oportunidade para divulgarmos os atrativos de Cunha”, disse Eber Santos, representante da associação na feira.

Ilhabela, no litoral norte paulista, pela terceira vez montou estande na feira, desta vez uma parceria da associação comercial e de hotéis com o Sebrae e a secretaria de turismo.

“Esta é a nossa terceira participação e a feira é interessante pelo mote, que é o ecoturismo e a aventura. Como estamos no estado de São Paulo, que oferece inúmeros destinos para os turistas, nossa intenção é, mais do que atrair novos visitantes, manter os que já freqüentam a ilha”, disse Werner Benz, diretor de marketing e eventos da AHBRI (Associação de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Ilhabela).

Novos destinos

Novos destinos foram apresentados na Adventure Fair, entre eles a Estrada Real, que foi utilizada durante 150 anos para transportar ouro e diamantes de Ouro Preto e Diamantina, em Minas Gerais, para o litoral do Rio de Janeiro (capital e Paraty).

Agora, com o Instituto Estrada Real, sociedade sem fins lucrativos criada pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais,estão sendo criadas oportunidades de turismo natural, histórico e cultural.

O instituto montou um estande para divulgar o novo destino para o público e o diretor geral, Eberhard Hans Aichinger, deu uma palestra para o trade apresentando
os 1.400 quilômetros do caminho, que podem ser percorridos a cavalo, a pé ou de bicicleta.

“O projeto do instituto está em andamento há cinco anos e agora conseguimos fechar um produto para oferecer às operadoras. Estamos impressionados com a feira, tivemos um retorno muito importante, algumas agências do sul de Minas ligaram informando que já receberam telefonemas pedindo passeios para Estrada Real. Temos o apoio do governo do estado, que entendeu que o turismo é um grande projeto de desenvolvimento econômico e social”, disse Eberhard.

Pela primeira vez na Adventure Fair, a consultora do Ministério do Meio Ambiente Camila Rodrigues ressaltou que a Adventure Fair é o lugar certo para estimular o uso responsável das áreas naturais no país.

“Para o próximo ano, temas como segurança nos destinos, a discussão sobre os problemas que os operadores enfrentam e o impacto do ecoturismo sobre os recursos naturais estarão na nossa pauta para agilizarmos a melhoria do segmento.

Turismo não é só problema e esta é a filosofia em que nosso trabalho está baseado e é pensando desta forma que também lutamos para a regulamentação do setor”,lembrou.

Outro ministério satisfeito com o que viu na feira foi o do Turismo. “Ela reúne todos os integrantes da cadeia do ecoturismo no Brasil e suas propostas vão contribuir significativamente para o aumento da representatividade do segmento e para a normatização do ecoturismo”, afirmou Mara Flora Lottici Krahl, gerente da Secretaria de Políticas do órgão.

“Diferente do que acontece normalmente em feiras, o Ministério do Turismo não montou estande na Adventure Fair para fazer um trabalho institucional ou entregar panfletos. O que fizemos aqui foi abrir espaço para discussão dos assuntos mais relevantes do setor, junto às ONGs, operadoras, turistas e destinos.

Em 2004, espero que a semente plantada este ano frutifique no sentido de termos ações concretas para o desenvolvimento do ecoturismo no Brasil”.

Público mais profissional

Para Sérgio Bernardi, diretor da Promotrade, organizadora da Adventure Fair, o balanço do evento foi bastante positivo. A feira teve 89 mil visitantes nos cinco dias de sua realização e gerou negócios da ordem de R$ 65 milhões, superando as expectativas dos promotores.

“No ano passado atingimos R$ 55 milhões e agora esperávamos ter 10% a mais, mas chegamos a 18%. Apesar do crescimento de apenas 3,5% em relação ao público de 2002, que foi de 86 mil pessoas, estou muito satisfeito pelo salto de qualidade do evento deste ano.

A presença foi mais qualificada e profissional, principalmente de lojistas e agentes de turismo, resultado das iniciativas que implementamos no ano passado, como as rodadas de negócio e os horários específicos para o trade”, completa.

A Adventure Fair contou com o patrocínio da Fiat, co-patrocínio da Rádio Eldorado e HP e apoio de Guaraná Kuat, ESPN Brasil, revista Isto É e Água Crystal.

Fonte: ZDL de Comunicação

  
  

Publicado por em