Adventure Sports Fair 2005 gerou negócios de cerca de R$80 milhões

Discussões sobre regulamentação, lançamento de manual e criação de uma aliança entre as associações latino-americanas. Estes foram apenas alguns dos assuntos que permearam os cinco dias da Adventure Sports Fair, maior feira latino-americana de esportes, e

  
  

Discussões sobre regulamentação, lançamento de manual e criação de uma aliança entre as associações latino-americanas. Estes foram apenas alguns dos assuntos que permearam os cinco dias da Adventure Sports Fair, maior feira latino-americana de esportes, ecoturismo e aventura, que reuniu 72 mil pessoas e gerou volume de negócios na casa de R$ 85 milhões, superando a expectativa de crescimento de 15% comparado a 2004.

A feira, realizada na Bienal do Ibirapuera, em São Paulo, ainda sediou importantes eventos, como o II Simpósio de Certificação de Turismo de Aventura do Ministério do Turismo e a I Mostra Brasileira de Filmes de Aventura & Turismo.

Além do crescimento em número de visitantes e geração de negócios, a Adventure 2005 deu um importante passo para o desenvolvimento do setor e consolidação do país como um local único para o chamado turismo de natureza e ecoturismo.

“Hoje, a Adventure é referência no mercado outdoor não só no país como na América Latina. Prova disso foi a maciça presença de outros países na feira deste ano”, afirmou Sérgio Bernardi, diretor da Promotrade, empresa que organiza a feira.

Internacional:

Entre os participantes internacionais, destaque para a Argentina que, com o estande duas vezes maior que em 2004, pôde apresentar uma grande gama de roteiros de ecoturismo.

“Crescemos em 100% a participação na feira este ano e estamos presentes com quatro destinos mais a Secretaria de Turismo. “Nosso objetivo com a Adventure é mostrar que a Patagônia é um destino atrativo durante todo o ano e não só na alta temporada”, garantiu Jaime Rios, assessor de gabinete da Secretaria de Turismo de Argentina.

“Eventos deste tipo também servem para estreitar laços entre os países do Mercosul, o que será um grande passo para o futuro do turismo na América”, completou.

Operadores de Peru se apresentaram com o destino de Machu Pichu. “Além do dia do trade ter sido proveitoso para fazer negócios, percebo que o evento está com um perfil muito profissional, já que todos os dias ele é visitado por empresários dispostos a fazer negócios”, disse Elizabet Espinoza Valle, gerente de marketing da operadora peruana Wayra.

Para Venezuela, a feira representou em 2004 o canal que permitiu gerar seus primeiros negócios no país: “Contatamos na Adventure a quem hoje é nossa operadora representante no Brasil. Nesta segunda participação, o que buscamos é gerar demanda e vemos na feira uma excelente ferramenta”, diz Antonio Pestana, diretor da operadora Angel Eco.

México e Republica Dominicana, ambos pela primeira vez na Adventure, também aprovaram a participação, enaltecendo a qualidade do público presente e a grandiosidade do evento.

A certificação e regulamentação do setor é um fato que seguramente permitirá que nos próximos anos operadores europeus e americanos se interessem em vir a comprar destinos nacionais.

“Acredito que, com a discussão avançada da regulamentação e normas, o país, que dispõe de tantas opções para a prática de atividades de aventura, possa atrair cada vez mais turistas estrangeiros, que buscam, além dos nossos atrativos naturais únicos, destinos confiáveis”, crê o diretor Sérgio Bernardi.

“Isto fica demonstrado com o sucesso obtido com a primeira rodada de negócios realizada pela Embratur durante a feira, com a presença de 18 operadores ingleses”.

Como prova de que o Brasil possui potencial único para o setor, 16 estados participaram da Adventure, apresentando seus novos e melhores destinos para a prática de ecoturismo e esportes de aventura. Somente no estande da Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo, quase 40 municípios estiveram representados.

Equipamentos e vestuário:

Um dos fatores que contribuiu para o sucesso da sétima edição da Adventure foi o dia exclusivo para o trade. “Este ano ficamos surpresos com o significativo aumento da visitação, que chegou a 6.800 profissionais, demonstrando o acerto da iniciativa e o amadurecimento do mercado”, afirmou Bernardi. Com isso, a maioria dos 300 expositores presentes ficou satisfeita com o desempenho, e já manifestou interesse em participar da próxima edição da feira.

No setor de vestuário, calçados e equipamentos, não são poucos os exemplo que comprovam o sucesso da sétima edição da Adventure.

A Yepp, marca que fabrica calçados e acessórios a partir de material reciclado, participou pela primeira vez da Adventure Sports Fair e declara que acertou em cheio o público que queria atingir: “Nosso target é exatamente esse, pessoas com espírito de aventura e sensíveis ao meio ambiente.” conta July Matsuo, da área de marketing da empresa.

Matsuo ainda ressaltou que estar na Adventure Fair deu a oportunidade da marca expor a linha completa de produtos ao consumidor final: “nas lojas, as pessoas não conseguem conhecer a linha completa”, conta.

A Try On, marca que fabrica calçados e vestuário, expôs pela segunda vez na Adventure Fair. Guilherme Almeida, assistente de marketing, conta que fizeram “um estande convidativo”, onde as pessoas se sentiam confortáveis para entrar e interagir.

“Foi muito bom e positivo para nós”. A Try On fez uma ação de sorteio a cada hora, que era entregue sempre por uma personalidade patrocinada pela marca, como os montanhistas Waldemar Niclevicz, Vitor Negrete e Rodrigo Raineri.

Marcelo Segalla, da área comercial da marca, contou que a visita de pessoas ligadas ao trade surpreendeu: “Recebemos o dobro de lojistas do segmento de aventura e calçadistas em relação ao ano passado”. Segalla falou que o trade não aconteceu apenas na quarta-feirta, dia fechado aos negócios, “todos os dias recebemos entre três a cinco pessoas interessadas na marca, inclusive hoje, domingo”, disse.

A Kailash comemorou a expansão do mercado de aventura brasileiro para outros países. “Recebemos pessoas da Argentina, Uruguai e Chile no nosso estande”, contou Roberto Eli, proprietário da marca. Ele também ressaltou a característica do trade diário: “fizemos negócios praticamente todos os dias”, garantiu Eli.

“O caminho para a feira é o trade”, disse Flávio Kunreuther, diretor da Sister Outdoors, que representa a marca de equipamentos para montanhismo Alpen Pass. Foi o primeiro ano que a Sister esteve na feira: “estou representando uma importante marca internacional e resolvi apresentá-la na Adventure Fair”.

Bike:

A Fuji chega ao final da muito satisfeita os resultados: “Pela primeira vez na história uma marca mundial realizou o lançamento da nova linha de bikes antes da Interbike- o maior salão de biciletas do mundo-, que se realiza em Lass Vegas EUA. “Foi excelente, pois conseguimos atingir o objetivo de mostrar o quanto o Brasil é prioridade para a Fuji lá fora”, disse Hebert Polizio, que representa a marca no país. Esta importância mundial do mercado brasileiro para a matriz é resultado de um incremento de vendas por aqui.

“De novembro de 2004 para cá, subimos de 20 para 70 pontos de vendas, resultado também da participação na Adventure 2004”, contabilizou Polizio.

A Caloi, marca nacional de bicicletas, dobrou este ano o tamanho do seu estande em relação ao ano passado. Só a pista de teste recebeu mais de 2 mil pessoas, que puderam experimentar os modelos da nova Linha Pro.

“Aumentou cerca de 30% em relação ao ano passado”, conta Raymond Trad, gerente de marketing da empresa. Mais uma vez, a Caloi montou seu estande com o intuito de focar o valor institucional da marca perante o público, e fez isso por meio de ações como o Desafio Caloi, a primeira corrida de aventura indoor do Brasil.

Off-road:

Diferentemente dos outros anos, em que as pistas de off-road ficaram no interior do pavilhão, este ano elas ocuparam 2 mil metros quadrados de área externa da feira, o deu ainda mais brilho à atração, que foi destaque na Adventure.

Com uma pista para test-drive maior e mais atrativa, a Fiat, patrocinadora oficial da Adventure, colocou seus modelos Palio Adventure, Strada e Doblô à disposição do público.

“Com a pista maior que nos outros anos, pudemos aumentar os obstáculos e conseguimos fazer com que mais pessoas pudessem comprovar a potência da nossa linha aventura, este que é um dos nossos objetivos principais na Adventure”, disse Felipe Naves, analista de comunicação da Fiat. De acordo com Naves, cerca de 5 mil visitantes fizerem os testes na pista.

A GM, por sua vez, montou este ano, em parceria com a Goodyear, uma pista 4x4, onde os visitantes puderam testar seu novo motor eletrônico na linha S10 e Blazer. Com erosões , gangorras e inclinações, a pista serviu para experimentar o sistema de tração e suspensão nos modelos 4x4. Ao total, a GM contabilizou 3450 testes durante os cinco dias da feira.

EVENTOS:

Mostra de Filmes de Aventura

Na noite de 28 de agosto, no auditório cinema da Adventure Sports Fair 2005, foram entregues os prêmios para as categorias vencedoras da I Mostra Brasileira de Filmes de Aventura & Turismo. O casal organizador da mostra, Vera e Yuri Sanada, agradeceu a participação dos aventureiros produtores.

“Recebemos mais de 60 fitas e ainda continuam chegando. O número de participantes superou nossas expectativas”, alegra-se Yuri sanada. O casal já começa a pensar na segunda edição do evento para o ano que vem.

“Esta é a primeira mostra de uma série. A próxima será melhor estruturada e mais organizada, com um maior número de categorias e subdivisões. Temos um ano inteiro para planejá-la. Vamos todos produzir”, convida Yuri.

Adventure Congress:

O Adventure Congress, conjunto de palestras gratuitas, registrou a presença de cerca de 1.200 participantes na Adventure 2005, dando visibilidade tanto a grandes expedicionários quanto a aventureiros iniciantes. Os encontros ofereceram conteúdo de iniciação em várias modalidades, como corrida de aventura, mergulho, escalada, canionismo, entre outros.

Ao total, foram 28 palestras. Uma das mais assistidas foi a do alpinista Waldemar Niclevicz, com o tema de 10 anos do Brasil no Everest. Destaque também para as palestras do trade que, entre outros assuntos, abordaram temas como Gestão Empresarial das Atividades de Turismo e Tendências de Mercado e Varejo Esportivo.

Simpósio de Certificação

O II Simpósio de Certificação em Turismo de Aventura do Ministério do Turismo reuniu cerca de 650 pessoas e apresentou os primeiros resultados de uma série de trabalhos desenvolvidos pelo Instituto de Hospitalidade (IH), desde as reuniões feitas na edição passada do simpósio.

Entre as ações já consolidadas está a formação de 11 Comissões de Estudo (CE) para o andamento do Projeto de Normalização e Certificação em Turismo de Aventura, que tem com objetivo principal garantir a segurança, para assim, tornar o Brasil um dos principais destinos internacionais desse segmento. Até agora foram desenvolvidas 19 normas técnicas, que foram levantadas com a participação da sociedade civil.

Três destas normas já foram submetidas à consulta nacional e depois seguem para a fase de aprovação. O próximo passo é a publicação das normas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

O Ministro do Turismo Walfrido Mares Guia esteve presente assinou o Protocolo de Intenções junto à Associação Brasileira de Empresas de Turismo de Aventura (Abeta), para a criação e qualificação de grupos de resgate, levantamento de banco de dados de empresas de turismo de aventura e documentos sobre as diversas atividades do segmento, estudo diagnóstico do Brasil.

Fits:

O FITS 2005 - Fórum Interamericano de Turismo Sustentável aconteceu pelo segundo ano consecutivo e consolidou a importância das discussões sobre os princípios de sustentabilidade para o turismo na natureza e as atividades de aventura no Brasil e América Latina.

O Fórum reuniu empresários, estudantes, profissionais do setor durante palestras que abordaram temas como Turismo Sustentável no Brasil, Tecnologia e Turismo, Gestão Ambiental de Destinos Turísticos, entre outros.

Simpósio de Mergulho:

O Simpósio de Mergulho Tek, promovido pelo PDIC – Professional Diving Instructor Corporation reuniu mais de 600 interessados ao longo de mais de 13 horas de conteúdo teórico, em palestras proferidas por profissionais renomados, que abordaram temas como descompressão, Hélio, Oxigênio, misturas gasosas Trimix e Nitrox, análise de acidentes no mergulho Tek, entre outros.

Meio Ambiente:

O Pavilhão de Turismo Sustentável e Meio Ambiente, instalado no terceiro piso da Bienal do Ibirapuera, abrigou associações e organizações não governamentais, em estantes construídos com materiais reciclados. Uma das novidades deste ano foi o Programa Integrado de Gestão e Educação Ambiental , primeira iniciativa do gênero em eventos de grande porte , envolvendo público e expositor numa sintonia de práticas ambientalmente corretas, como a coleta seletiva do lixo produzido durante a feira.

Com resultado parcial até domingo, a emissão de caçambas de resíduos sólidos da feira para o aterro sanitário, foi reduzida em mais de 50%, o que comprova o sucesso do programa. Em breve a feira divulgará os números finais.

A Adventure Sports Fair 2005 foi organizada pela Promotrade e contou com patrocínio da Fiat e Tam Viagens, e apoio da Rádio Eldorado, ESPN Brasil, Isto É e Água Crystal.

Fonte: Approach Comunicação

  
  

Publicado por em