Desvende os segredos do Delta do Parnaíba

O diferencial do Delta está na capacidade de um só local oferecer tantas atividades aos turistas, desde caminhada nas Dunas do Cotia até windsurfe na Lagoa do Portinho, considerado por muitos um dos melhores locais do mundo para a prática

  
  
Aqui, a rotina do viajante consiste em escolher entre navegar igarapés, escalar dunas imensas, nadar em lagoas formadas pela água da chuva ou deslizar sobre as ondas em pranchas de surfe

Imagine um mundo de manguezais, igarapés, dunas, lagoas, praias e ilhas, tudo isso concentrado num só lugar. É o grande presente que o Rio Parnaíba deu à natureza do Brasil. Ao desembocar no Oceano Atlântico, o rio que separa o Maranhão do Piauí abre-se em cinco braços que, juntos, formam o único delta em mar aberto das Américas e um dos mais extensos do mundo.

Aqui, a rotina do viajante consiste em escolher entre navegar igarapés, escalar dunas imensas, nadar em lagoas formadas pela água da chuva ou deslizar sobre as ondas em pranchas de surfe, kitesurfe ou windsurfe. Se você procura praias selvagens, aqui tem. Se você gosta de observar bichos na natureza, aqui tem também: são revoadas lindíssimas de guarás-vermelhos e uma importante população de exemplares do raro peixe-boi-marinho.

Dois terços do Delta do Parnaíba ficam em território maranhense, mas o acesso mais fácil é pelo Piauí, a partir da cidade histórica de Parnaíba. Com tanta água e tanta ilha, já deu para imaginar que, aqui, o meio de transporte mais popular é o barco. Pois basta embarcar numa das lanchas que partem do Porto das Barcas, em Parnaíba, ou do Porto dos Tatus, distante 11 quilômetros da cidade, e deixar-se encantar por tudo que este lugar incomum tem para mostrar.

O diferencial do Delta do Parnaíba está na capacidade de um só local oferecer tantas atividades aos turistas, desde caminhada nas Dunas do Cotia até windsurfe na Lagoa do Portinho, considerado por muitos um dos melhores locais do mundo para a prática do esporte.

Caminhada
Dunas do Cotia
É preciso uma certa dose de fôlego para fazer esta caminhada de 10 quilômetros que sai da Praia da Pedra do Sal e vai até o Morro da Mariana. No meio do trajeto, ficam as Dunas do Cotia. LOC: o inicio da caminhada acontece na Pedra do Sal, a 11 km da cidade de Parnaíba. DUR: 5 horas.

Canoagem
Rio Magu
O Magu é um rio de águas cristalinas e canais estreitos que são perfeitos para a prática da canoagem. Ao longo de seu curso encontra-se uma região de pântanos, até desaguar em um grande lago. Durante o passeio é feito um mergulho com máscara e snorkel para observação da fauna e da flora do rio. LOC: o ponto de partida fica no povoado de Novo Horizonte, no município de Araioses, no Maranhão, mas o passeio deve ser contratado com uma empresa em Parnaíba. DUR: 5 horas.

O diferencial do Delta está na capacidade de um só local oferecer tantas atividades aos turistas

Fora de estrada com 4x4
Litoral leste
Percurso off-road de 30 quilômetros feito pelas belas e desertas praias do Coqueiro, Carnaubinhas e Macapá, todas pertencentes ao município de Luís Correia. LOC: saída de Luís Correia, a 14 km de Parnaíba. DUR: 3 horas.

Litoral oeste
Rota de 16 quilômetros em jipe que sai da cidade de Parnaíba e segue até a Praia da Pedra do Sal. LOC: saída de Parnaíba. DUR: 2 horas.

Rota das Emoções
Difícil escolher qual a paisagem mais bonita desse passeio, que começa em Jeri e termina em São Luis do Maranhão, passando pelo impressionante Delta do Rio Parnaíba, no Piauí, e pelos Lençóis Maranhenses. São três dias de viagem, alternando entre veículos 4x4 e barcos - no Rio Parnaíba e na subida do rio Preguiças, que corta Barreirinhas, cidade que é a principal porta de entrada para os Lençóis. LOC: partidas de Jericoacoara. DUR: 3 dias.

Kitesurfe
Praia do Coqueiro
Foi por três anos palco do mundial de kitesurfe. Esbanja ventos fortes e constantes, perfeitos para deslizar sobre as pranchas acopladas ao paraquedas. No local existe uma escola para iniciantes e aluguel de equipamento. LOC: a 18 km de Parnaíba. DUR: variável.

Travessia Barra Grande-Coqueiro
O downwind é o deslocamento de grandes distâncias que se faz com o kitesurfe. Aqui, o desafio é ir da Praia da Barra Grande até a Praia do Coqueiro, num percurso de 30 quilômetros. Indicado para praticantes experientes. LOC: o inicio acontece na cidade de Cajueiro da Praia, na praia de Barra Grande, a 70 km de Parnaíba. DUR: 3 horas.

Kite Trip
Consiste numa expedição de kitesurfe feita tanto na Baía das Canárias, a 6 km do Porto dos Tatus, quanto na Baía do Feijão Bravo, em mar aberto. Também é possível fazer kite trips com duração de vários dias, saindo de praias no litoral cearense até alcançar o Delta do Parnaíba. LOC: as saídas acontecem do Porto dos Tatus, a 6 km de Parnaíba. DUR: variável.

Para se avistar a ave-símbolo do Delta, é feito um deslocamento de 50 minutos em lanchas rápidas até chegar a esta pequena ilha na Baía do Caju

Observação da vida silvestre
Igarapé do Guirindó
A aventura começa em lanchas rápidas (tipo voadeira) para o deslocamento até a entrada do Igarapé do Guirindó. Daí por diante, canoas são usadas para navegar na mata fechada do manguezal, onde é feita a demonstração da cata do caranguejo e a observação de famílias de macacos, jacarés e muitas espécies de aves. LOC: a 20 km do Porto dos Tatus. DUR: 3 horas.

Ilha dos Guarás
Para se avistar a ave-símbolo do Delta, é feito um deslocamento de 50 minutos em lanchas rápidas até chegar a esta pequena ilha na Baía do Caju, onde guarás-vermelhos chegam em bandos para repousar nas árvores do mangue. No caminho, é feita uma parada nas dunas de Caiçara. LOC: a 40 km do Porto dos Tatus DUR: 3 horas.

Peixe-boi
Existem apenas cerca de 600 exemplares de peixe-boi-marinho vivendo em liberdade no Brasil. E um dos lugares em que estes dóceis mamíferos podem ser encontrados é o trecho de litoral entre a Praia de Carnaubinhas, em Luís Correia, e a cidade de Cajueiro da Praia. Nesta região habitam 23 animais, que são monitorados pelo Projeto Peixe-Boi com a ajuda de pescadores. Os passeios precisam ser agendados com o próprio pessoal do Projeto, que organiza a visita à sede em Cajueiro da Praia, com direito a palestra de biólogos. Depois, os turistas embarcam numa canoa até uma torre de observação na foz do Rio Timonha, de onde são grandes as chances de avistar os animais. LOC: em Cajueiro da Praia, a 70 km de Parnaíba.

Cavalos-marinhos
Raro de se ver livre na natureza, o cavalo-marinho é observado na foz do Rio Camurupim por meio de uma técnica aprovada pelo ICMBio, onde os condutores locais (pescadores da região) capturam o pequeno animal e o exibem em um aquário, para depois o devolverem ao seu habitat natural. LOC: a 4 km de Cajueiro da Praia. DUR: 3 horas.

Surfe
Praia da Pedra do Sal
A praia é dividida ao meio por um rochedo: do lado direito, as ondas quebram fortes e têm boa ondulação, motivo pelo qual é muito procurada pelos surfistas. LOC: a 11 km da cidade de Parnaíba.

Windsurfe: o Delta do Parnaíba é considerado um dos melhores lugares do mundo para a prática da atividade

Windsurfe
Lagoa do Portinho
É considerada um dos melhores lugares do mundo para a prática da atividade. Tanto é que, por oito anos, sediou o campeonato brasileiro. Seus ventos são constantes em quase todas as épocas do ano. LOC: a 6 km da cidade de Parnaíba.


Baía das Canárias

Aqui, os amantes do windsurfe encontram o lugar perfeito para deslizar sobre as ondas ao sabor dos fortes ventos. LOC: a 6 km da cidade de Parnaíba.

Como Chegar
De avião: a cidade de Parnaíba conta com um aeroporto que pode receber aviões de grande porte, mas ainda opera apenas voos regionais, fretados, com as capitais mais próximas, como Teresina e São Luís. Voos vindos de outras capitais descem em Teresina, distante 330 quilômetros.

De carro: a partir de Teresina, siga pela BR-343 até a cidade de Parnaíba. De Fortaleza, o acesso é feito pelo entroncamento da BR-222 com a BR-343, na altura da cidade de Piripiri. O trecho inicial pode se dar pela CE-085, conhecida como Via Estruturante, que está em melhores condições.

De ônibus: há saídas diárias para Parnaíba a partir de Fortaleza, São Luís e Teresina.

Quando ir
Se depender do sol, dá para visitar o Delta do Parnaíba o ano todo. Mas se o interesse maior for contemplar as lagoas e as muitas espécies de aves, a melhor época é entre os meses de fevereiro e julho, quando a chuva se faz presente. Para quem gosta de velejar, o período dos ventos mais constantes acontece entre setembro e dezembro.

Onde ficar
Apesar de dois terços do Delta ficarem em território maranhense, os passeios se fazem a partir da cidade piauiense de Parnaíba, que conta com boa infraestrutura para receber turistas. Há muitas pousadas e hotéis, desde os mais simples até os mais luxuosos, além de ótimos restaurantes.

Fonte: Viagem Natureza

  
  

Publicado por em