Feira das Américas ABAV 2003 teve recorde de participantes

A Feira das Américas - ABAV 2003 - registrou o recorde de 17.627 participantes durante os três dias de evento. Esta foi a maior feira já realizada pela entidade, que contou com a presença de 7.230 agentes de viagens, 4.207 congressistas e 6.190 expositore

  
  

A Feira das Américas - ABAV 2003 - registrou o recorde de 17.627 participantes durante os três dias de evento. Esta foi a maior feira já realizada pela entidade, que contou com a presença de 7.230 agentes de viagens, 4.207 congressistas e 6.190 expositores. Entre esses participantes, estiveram 810 jornalistas - sendo que 45 profissionais da imprensa vieram de outros países.

Uma das novidades deste ano foi o Brazil Today Destination. A ABAV trouxe 94 agentes de viagens de 24 países que não costumam comercializar o Brasil como destino. A maior parte deles veio da Dinamarca (10), Portugal (9), Argentina (8) e Reino Unido (7).

O evento também teve a participação de outras feiras internacionais como a FIT (que acontece em Buenos Aires), a ITB (de Berlim), a Fitur (de Madri) e a BTL (de Lisboa).

A Feira das Américas deste ano se realizou nos pavilhões 1,2,3 e 5, ocupando 17.118 metros quadrados, um espaço 55,74% maior que o do ano passado, em Recife. Uma área de 250 metros quadrados foi reservada para a divulgação do turismo de aventura e ecoturismo.

Segundo a superintendente da ABAV, Isa Garbin, a expectativa é que essa área cresça cada vez mais nos próximos anos.

`É intenção da ABAV ter um setor exclusivo dedicado à aventura. Com o decorrer dos anos, a tendência é que ele ocupe um pavilhão inteiro`, afirmou.

Os seminários do ABAV em Curso trouxeram para o Riocentro 28 faculdades, 80 alunos, 31 professores e 11 ABAVs regionais. A partir das discussões foi elaborado um documento que será entregue ao Ministério do Turismo, ao MEC e às faculdades de todo o país.

No sábado (25/10), também foi assinada a Carta do Rio de Janeiro, com dez ações que serão adotadas ao longo de um ano. Entre elas, está a luta pela justa remuneração dos serviços prestados pelas agências de viagens e a defesa da livre concorrência no setor de transporte aéreo.

O presidente da ABAV, Tasso Gadzanis, mais uma vez, falou sobre a posição contrária da entidade à fusão da Varig com a TAM.

`Os agentes de viagens sempre foram contra a fusão por razões óbvias e técnicas. Se não resolverem os problemas periféricos da aviação, não adianta nada criar uma nova empresa`, disse.

Entre os problemas estruturais, Gadzanis citou o alto custo do financiamento para a compra de aeronaves. `Enquanto as empresas americanas pagam 7% de juros quando compram um avião, nós aqui pagamos 19%`, comparou.

Gadzanis alertou para o risco de a nova empresa virar uma verdadeira `Aerobrás`. `O governo vai controlar a empresa e, se quisermos reclamar, teremos que fazê-lo para o próprio governo`.

CARTA DO RIO DE JANEIRO

Em reunião histórica, realizada na Cidade do Rio de Janeiro - no período de 22 a 26 de outubro de 2003 - durante a realização do 31º Congresso Brasileiro de Agências de Viagens e Exposição de Turismo - Feira das Américas, os Agentes de Viagens comemoraram o cinqüentenário da ABAV.

Com a presença do seu fundador, ainda em atividade, Camillo Kahn, os profissionais deram mostra da sua força construtiva junto ao mercado de turismo e elencaram as seguintes proposições:

1) Manter a luta pela justa remuneração dos serviços prestados pelas agências de viagens, prestigiando as decisões judiciais já favoráveis;

2) Essa mesma luta pela justa remuneração deverá também continuar no âmbito da IATA/BSP (International Air Transportation Association), propondo e apoiando ações das entidades associativas de agências de viagens.

3) Mobilizar as ABAVs estaduais e do Distrito Federal no sentido de sensibilizar os Senadores de seus Estados pela aprovação do Projeto de Lei de Regulamentação das Atividades das Agências de Viagens e Turismo e de sua Responsabilidade Civil;

4) Incentivar ações voltadas para o fortalecimento e reconhecimento do agente de viagens como elemento de fundamental importância para o desenvolvimento do mercado de turismo;

5) Defender a livre concorrência no setor de transporte aéreo, repudiando veementemente a fusão das companhias VARIG e TAM que levará, certamente, à dominação de mercado pelas mesmas com prejuízos irreversíveis para o País;

6) Fortalecer iniciativas de incremento ao turismo receptivo, promovendo fóruns regionais e firmando convênios de cooperação, conforme compromisso assumido neste evento com o Ministério do Turismo;

7) Apoiar as ações do Plano Nacional de Turismo, cobrando do Governo o compromisso com o desenvolvimento social, geração de empregos e distribuição de renda;

8) Incentivar o entrosamento do meio acadêmico com as empresas do setor, visando à melhoria da mão de obra qualificada para o mercado;

9) Apoiar os estudos para a implementação da normalização profissional e a conseqüente certificação no segmento de Agências de Viagens;

10) Ressaltar, na Feira das Américas, seu caráter internacional e de fomento ao turismo receptivo nacional e internacional.

Rio de Janeiro, 25 de outubro de 2003.

Fonte: Capta Consult

  
  

Publicado por em