Floresta Nacional do Tapajós, um paraíso encravado no Pará

A Floresta Nacional do Tapajós, no Pará, é conhecida por suas belezas naturais. O grande rio que banha as terras ribeirinhas muda de cor a cada hora do dia encantando ainda mais os turistas

  
  
O grande rio que banha as terras ribeirinhas muda de cor a cada hora do dia - ficando azul, amarelo, laranja, vermelho e prateado

A Floresta Nacional do Tapajós, no Pará, é conhecida por suas belezas naturais. O grande rio que banha as terras ribeirinhas muda de cor a cada hora do dia - ficando azul, amarelo, laranja, vermelho e prateado. Também muda de tamanho. No inverno, quando chove bastante, fica bem cheio formando os igapós. De canoa é possível andar no meio da floresta. Já no verão, o rio baixa, fica encolhidinho, quando aparecem as praias com suas areias brancas possibilitando a atividade da piracaia. A água é transparente e limpa, repleta de peixes de diferentes espécies.

Nos lagos, perto dos burutis, encontram-se tracajás, jacarés e pássaros - alguns raros. Os igarapés que cortam as terras da Flona têm águas frias e limpas, propícias para um bom banho. Ao seu redor tem açaizais, bacabais e outras palmeiras que são importantes fontes de alimento.

Subindo a serra o turista pode admirar a floresta, com árvores altas e grossas, como a sumaúma. Tem madeira de lei como o cedro, o jatobá e outras que fornecem óleos como a andiroba e a copaíba, além de seringueiras, cortadas na diagonal para se extrair seu leite. São tantas espécies, com frutos tão diferentes, que é difícil conhecer todas, mas pode-se avistar castanhas do Pará e a sapucaia.

Floresta Nacional do Tapajós

PRINCIPAIS ATRATIVOS
De acordo com o Plano de Manejo da Unidade, as áreas permitidas a visitação são as seguintes: Área Populacional, Área de Manejo Florestal Madeireiro, Área de Manejo Florestal não-madeireiro, Corredor Ecológico e Área Administrativa.

São desenvolvidas atividades de caminhada, banhos no rio e igarapés, visita a projetos comunitários e de pesquisa, passeios de canoa, flutuação e contato com a cultura local. Um guia local acompanha os turistas em todas as atividades na comunidade.

O visitante encontrará, ainda, artesanatos diversos feitos pela comunidade que reside na Floresta Nacional, tais como cestaria de palha, colares de sementes, objetos com o ouriço da castanha-do-Pára, animais em madeira, bolsas de couro ecológico e móveis de madeira com formato de animais, além de óleos vegetais e mel.

São sete o número de comunidades envolvidas nas atividades de Ecoturismo na Floresta Nacional do Tapajós: Maguari, Jamaraquá, Tauari, Pini, Prainha, Paraíso, Itapuama.

O turista deve trazer seu protetor solar, óculos de sol, repelente, roupas e calçados confortáveis e adequados à trilha, binóculos, boné ou chapéu e capa de chuva. Em caso de ser alérgico, deve-se levar os medicamentos pessoais.

Se optar pelo transporte de barco, o turista deverá levar seu lixo produzido de volta à cidade ou encaminhá-lo a um lugar adequado na comunidade. O lixo é um material poluente que causa sérios danos a aos animais, plantas e a água

Devem ser tomados cuidados ao se tomar banho nos igarapés e rio devido à presença de raias, jacarés. Em passeios de canoa pela floresta, deve-se evitar tocar nos arbustos pois existem animais difíceis de serem vistos. Deve-se usar sempre colete salva-vidas. Para aumentar as chances de avistar animais, é preferível fazer silêncio e não usar roupas de cores muito fortes.

Como o turista/visitante visitará uma área de proteção ambiental com população tradicional residente, alguns itens devem ser observados, tais como: não retirar qualquer material da Unidade, como plantas, ovos, flores, animais, sementes, peças arqueológicas etc pois é proibido; e não entrar em residências, nem tirar fotos ou fazer filmagens das pessoas sem a permissão prévia destas.

no verão, o rio baixa, fica encolhidinho, quando aparecem as praias com suas areias brancas possibilitando a atividade da piracaia

ONDE FICAR
GreenTur
Avenida Cuiabá 649B - Liberdade
Fone: 93 3523-2423/2424
FAX: 93 3523-2401
email: info@greentur-viagens.com.br

Mãe Natureza
Ilha Guajará - Alter do Chão -
Fone: 93 3527-1264
e-mail: maenatureza@uol.com.br

Sararaca Passeios
Rua Idinaldo Martins s/n - Alter do Chão
Fone: 93 9121-7113

Santarém Tur
Av. Adriano Pimentel 44 - Centro
Fone: 93 3522-4847/3523-1840/3523-5140

Santarém Palace Hotel
Av. Rui Barbosa 726
Fone: 93 3523-2820/Fax: 3522-1779
e-mail: stmpalace@netsan.com.br

RENATUR - Renato Turismo, Transporte e Serviços
Av. Rui Barbosa 2009 - Aldeia
Fone/fax: 93 3522-3681

COMO CHEGAR
Existem vôos aéreos diários para Santarém e barcos proveniente de Manaus e de Belém. Depois de chegar em Santarém você pode ir a Floresta Nacional do Tapajós de carro com tração, ônibus ou barco, dependendo da comunidade. Para quem vai por terra, há as casas de comunitários que se dispõem a receber o visitante e redários. Quem vai de barco, normalmente, se hospeda nele mesmo. Não esqueça de levar sua rede.

Na comunidade você encontra a farinha, peixes e frutas da época. São poucas as mercearias. É importante levar sua alimentação se for a Flona de ônibus ou de carro ou avisá-la, com antecedência, de sua chegada.

INGRESSOS
A autorização no ICMBio custa R$ 3,00 por pessoa/dia e na comunidade você paga a taxa de visitação comunitária (em média R$ 6,00 por pessoa) e o valor da condução local (depende do percurso e atividade realizados). Você ainda terá custos de alimentação e traslado.

Fonte: ICMBio

  
  

Publicado por em