Fundação SOS Mata Atlântica lançará obra literária no Fórum Mundial de Turismo

A Fundação SOS Mata Atlântica lançará o livro “Pólo Ecoturístico Lagamar – Um Estudo de Caso”, na segunda-feira (6/11), durante o I Fórum Mundial de Turismo para a Paz e Desenvolvimento Sustentável, em Salvador (BA). A apresentação

  
  

A Fundação SOS Mata Atlântica lançará o livro “Pólo Ecoturístico Lagamar – Um Estudo de Caso”, na segunda-feira (6/11), durante o I Fórum Mundial de Turismo para a Paz e Desenvolvimento Sustentável, em Salvador (BA).

A apresentação dessa proposta de modelo de desenvolvimento sustentável, que garanta a repartição de benefícios com a comunidade local, e pode ser aplicado em outras partes do País, será realizada por Mário Mantovani, diretor de Relações Institucionais da Fundação, durante o seminário “Turismo e Preservação da Biodiversidade”, às 9h.

O Pólo Ecoturístico do Lagamar foi idealizado pela ONG em 1995, no Vale do Ribeira (SP), para consolidar a região como um destino ecoturístico. Este projeto foi referência para a modelagem desse conceito que deu base ao Programa da Embratur, que possibilitou a criação de 95 pólos no país.

Implantado nos municípios paulistas de Iguape, Cananéia, Pariquera-Açú e Ilha Comprida, o Projeto Pólo Ecoturístico do Lagamar (PEL) foi idealizado e desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica de 1995 a 1998, com o patrocínio da Embratur.

A principal motivação foi o contexto da região. O declínio de atividades como o extrativismo vegetal, a caça e a pesca, devido a conversão de grande parte do território em áreas legalmente protegidas - e da pecuária e agricultura, levaram o Vale do Ribeira a ter um dos mais baixos indices socioeconômicos do Estado de São Paulo.

Em contraponto, a região reúne condições para ecoturismo, com grande número de remanescentes florestais da Mata Atlântica, paisagens e riquezas ambientais incomparáveis.

Além da biodiversidade, com espécies da flora e da fauna raras e endêmicas, conta ainda com inúmeros sítios arqueológicos,paleontológicos e históricos, constituindo um patrimônio natural e cultural.

Este cenário e a estrutura existente do turismo de veraneio da região levaram a Fundação SOS Mata Atlântica a desenvolver um modelo para aliar o desenvolvimento regional à proteção ambiental, por meio do fomento a uma atividade turística organizada e sustentável.

Contemplado, em 1999, com o prêmio de `Melhor Projeto de Planejamento de Destino Ecoturístico` pela revista norte-americana Condé Nast Traveler, obteve reconhecimento internacional. A avaliação considerou a criatividade da proposta e a sustentabilidade da atividade turística.

“O mérito ao Pólo Lagamar foi concedido especialmente devido à integração entre a conservação da riqueza biológica da Mata Atlântica e do patrimônio histórico-cultural local com o desenvolvimento regional”, afirma Mário Mantovani.

Ao participar de eventos internacionais como um encontro em Monhok (EUA) a Cúpula Mundial de Ecoturismo em Quebec (CAN), a SOS Mata Atlântica passou a ter contato com os principais Programas Internacionais de Certificação em Turismo Sustentável e Ecoturismo.

Com isso, assumiu a liderança de um movimento nacional que culminou na criação e coordenação do Conselho Brasileiro de Turismo Sustentável (CBTS), em composição com outras ONGs ambientalistas, socioambientais e empresários do trade turístico, numa articulação interinstitucional com as iniciativas governamentais.

A publicação:

O Estudo de Caso do Pólo Ecoturístico do Lagamar traz uma análise da metodologia aplicada no Projeto e uma avaliação dos resultados obtidos. Neste Estudo foram retomados os diálogos com os envolvidos no Projeto, bem como a discussão do planejamento turístico regional, da organização social, das vantagens do trabalho conjunto e o estímulo à gestão participativa continuada do Pólo Lagamar.

A conclusão, após a análise de todos os pontos envolvidos num projeto desta magnitude, é que se trata de um modelo interessante para compor o processo de planejamento e de desenvolvimento regional de outros pólos potenciais.

A publicação traz ainda um roteiro de recomendações para a implantação de um destino ecoturístico, além de um glossário com os principais termos do turismo e fontes de consulta e informação.

Desde que foi criada há 18 anos, a SOS Mata Atlântica tem atuação destacada em campanhas de mobilização e conscientização da população, além de constantes lutas com os órgãos governamentais pela melhoria das ações
referentes à Mata Atlântica.

Trabalha para a proteção, conservação e regulamentação da utilização das áreas ambientais desse bioma, por meio de implantação de políticas que respeitem o meio ambiente. Atualmente, a cada quatro minutos, uma área semelhante a um campo de futebol é desmatada.

O cálculo da Fundação indica que hoje restam menos de 7,3% da área original desse bioma, que já foi superior a 1,3 milhão de km².

Na Mata Atlântica nascem diversos rios, que abastecem as cidades e metrópoles brasileiras e, além disso, protegem escarpas e encostas das serras, evitando catástrofes como deslizamento de terra.

Fonte: Voice Agência de Comunicação

  
  

Publicado por em