Lagoas do Llaima: mais um circuito turístico do Território Andino, no Chile

Uma das mais belas regiões da América do Sul quando o assunto é turismo, está dividida em cinco diferentes circuitos, cada uma com suas características exclusivas

  
  
Andes

Ainda pouco conhecido dos brasileiros, o Território Andino/Lacustre, que reúne nove cidades da Região da Araucanía, no Chile, é repleto de atrações naturais, paisagens de tirar o fôlego e opções de passeios para quem curte a natureza e aprecia fazer atividades ao ar livre. Uma das mais belas regiões da América do Sul quando o assunto é turismo, está dividida em cinco diferentes circuitos, cada uma com suas características exclusivas. Todas elas, entretanto, merecem ser desfrutadas.

Um destes roteiros foi batizado de Lagoas do Llaima, nome dado em função dos lagos que se formaram durante as erupções do vulcão que dá nome ao circuito. A rota começa em Curacautín, distante 87 quilômetros de Temuco, a capital da Araucanía. A cidade tem 16,4 mi habitantes e seu nome, derivado de "Cura" e "cahuin", significa "Pedra de Reunião" em mapudungun, tribo nativa da região.

A partir de Curacautín, dirige-se rumo ao Sul pela Rota 925-S. Depois de 28 quilômetros chega-se ao Parque Nacional Conguillío, com uma infinidade de maravilhas. Lago Captrén, Lago Conguillío, Lagoa do Arco-íris, El Escorial, Laguna Verde, saltos e canhão do Traful são alguns dos atrativos do lugar.

Sempre vigilante, o Vulcão Llaima (3.125 m) é considerado um dos mais belos da América do Sul, cujo nome tem dois significados em mapudungum: "ressurreição" e "vala". Na frente dele pode-se ver a Serra Nevada (2554 m). O parque possui trilhas de diferentes graus de dificuldade e tem inúmeras atividades, como trekking, hiking, esportes aquáticos e atividades de Inverno, como caminhadas com raquetes de neve, entre outros.

Deixando o parque, a rota segue para a cidade de Melipeuco, onde o visitante pode encontrar comida típica Mapuche, alojamento e serviços básicos. Continuando o tour, segue-se para o Oeste até o cruzamento com a Rota S-335, chamado cruze El Manzano, e depois para o Norte, pela rota Interlagos.

O circuito volta a penetrar os limites do parque, perto do Centro de Esqui Araucárias, onde pode-se praticar diferentes esportes de Inverno.

Vulcão Llaima

Tem mais
Além deste circuito, o turista pode encontrar algumas vias associadas que permitem o acesso ao Parque Nacional e Termas de Tolhuaca, localizadas a 33 quilômetros ao Norte de Curacautín em um ambiente privilegiado, próximo do Rio Dillo e perto de um gêiser. No parque, está a Laguna Blanca e o Nevados de Sollipulli, com mais de 2.300 metros de altura, em cujo topo está a cratera de Sollipulli, que tem uma espessura de 600m de gelo, a maior do mundo neste aspecto. Sua cratera mede mais de 16km2, de onde tem-se uma impressionante vista panorâmica do parque. Em sua vizinhança, está o Ecocamp Sollipulli, que oferece alojamento em oito domos com calefação, e diversas atividades como trekking, cavalgadas, esqui, randonee, mostos de neve e canyoning.

Pegue a estrada
A melhor forma de conhecer os circuitos do Território Andino/Lacustre é alugar um carro em Temuco, a capital da Araucanía, escolher um roteiro e sair dirigindo, sem presa. Antes de sair pelas estradas da região, é importante consultar as condições das rodovias com a polícia chilena, com o serviço de atendimento ao turista ou com a Corporación Nacional Forestal de Chile (Conaf).

Fonte: Jaime Bórquez Assessoria

  
  

Publicado por em