Llanos de Moxos, na Amazônia boliviana, é declarada maior área úmida do mundo

As áreas úmidas Llanos de Moxos são importantes para evitar inundações, manter vazões mínimas nos rios durante a estação seca e regular o ciclo hidrológico da região

  
  
Llanos de Moxos

Para marcar o Dia Mundial das Áreas Úmidas, celebrado no dia 2 de fevereiro, a Convenção de Ramsar sobre Áreas Úmidas de Importância Internacional designou seu maior sítio Ramsar. Com mais de 6,9 ​​milhões de hectares, Llanos de Moxos é equivalente ao tamanho da Holanda e Bélgica juntas. As áreas úmidas são importantes por sua rica diversidade natural, bem como o seu valor cultural.

"O WWF aplaude o governo da Bolívia por tomar medidas ousadas para proteger esses ecossistemas vitais", disse Jim Leape, diretor-geral do WWF Internacional. "O bioma amazônico, que abrange nove países, oferece abrigo a espécies nativas e a milhões de pessoas que vivem lá - e desempenha um papel essencial na regulação do clima que todos nós dependemos. Áreas úmidas
saudáveis ​colaboram para o bom funcionamento do toda a Amazônia."

Llanos de Moxos, localizados perto da fronteira com a Bolívia, Peru e Brasil, consiste de savanas tropicais, com secas cíclicas e inundações. Estas áreas úmidas são especialmente importantespor sua rica biodiversidade: 131 espécies de mamíferos foram identificados até o momento, 568 diferentes aves, 102 de répteis, 62 de anfíbios, 625 de peixes e pelo menos 1.000 espécies de plantas. Várias espécies - incluindo a ariranha eo golfinho do rio boliviano - foram identificadas como vulneráveis, em perigo ou em risco crítico de extinção.

A região é cortada por três rios principais, o Beni, no oeste, o Iténez ou Guaporé para o leste, e o Mamoré, na região central. Estes rios convergem para formar o rio Madeira, o maior afluente sul do rio Amazonas.

As áreas úmidas Llanos de Moxos são importantes para evitar inundações, manter vazões mínimas nos rios durante a estação seca e regular o ciclo hidrológico da região.
A área é pouco povoada, composta por sete territórios indígenas e oito áreas protegidas. Comunidades camponesas e propriedades privadas também existem na região, dedicando-se principalmente à agricultura.

A região era habitada por culturas pré-colombianas de 800 aC a 1200 dC, como a "Cultura Hidráulica de Moxos”, que se caracterizou pelo uso inteligente de infraestrutura hidráulica para a gestão da água do vasto território coberto de planícies inundáveis, que sustentou a produção agrícola intensiva e que permitiu a sobrevivência desses povos antigos.

"Reconhecemos o importante papel destas áreas úmidas para a conservação da Mãe Terra, assim como a importância da declaração confirmandoLlanos de Moxos como áreas úmidas protegidas internacionalmente. Estamos orgulhosos de confirmar ao mundo que o governo da Bolívia está comprometido, em colaboração com os atores sociais, para assumir a preservação dessas áreas como evidência de nossos esforços para alcançar o desenvolvimento para todos os nossos cidadãos. Este é um passo importante à medida que continuar a criar uma relação verdadeiramente harmônica entre nossos povos e da Mãe Terra", afirmou Juan Pablo Cardozo Arnez, vice-ministro do Ambiente da Bolívia.

O vice-ministro disse também: "Ecoando as palavras do nosso presidente Evo Morales, apelamos a todos os países para incorporar os direitos [ambientais] em sua legislação e em conformidade com os acordos internacionais existentes a este respeito, para que os seres humanos possam começar a viver em completa harmonia e equilíbrio com a Mãe Terra ".

Convenção de Ramsar

A Convenção sobre Áreas Úmidas de Importância Internacional é um tratado intergovernamental, assinada por 160 países em 1971, na cidade iraniana de Ramsar. A missão da Convenção de Ramsar é a conservação e uso racional das áreas úmidas, com o objetivo de alcançar o desenvolvimento sustentável.

A designação de Llanos de Moxos é o produto de um esforço cooperativo liderado pelo governo do Departamento do Beni, do Ministério de Meio Ambiente e Água e do Vice-Ministério do Meio Ambiente da Bolívia. O WWF fez os estudos técnicos no âmbito da ConvençãoRamsar necessários para a designação de uma área úmida de importância internacional.

A Bolívia aderiu à Convenção de Ramsar em 1990 e a ratificou em 7 de Maio de 2002. O país tem outros oito sítiosRamsar: Los Lípez, no sudoeste Departamento de Potosi; Lago Titicaca, no Departamento de La Paz, a bacia de Taczara,noDepartamento de Tarija; Lagos Poopó e Uru Uru, Departamento de Oruro; e o Pantanal boliviano, os pântanos Izozog eParapetí, no Departamento de Santa Cruz de laSierra.

"A designação de Moxoscomo sítio Ramsar é primordialpara a conservação das áreas úmidas da região amazônica, pois sua condição saudável terá um impacto positivo nos ciclos hidrológicos da bacia amazônica. Isto vai ajudar a proteger ecossistemas e paisagens, garantir um fornecimento equilibrado de bens e serviços para os habitantes e garantir o futuro desta região rica, mas frágil ", disse LuisPabón, diretor do WWF-Bolívia. "O mais importante é o desafio que o governo e a sociedade bolivianos estão assumindo, comprometendo-se a proteger os Llanos de Moxosa longo prazo. Esta designação é uma prova clara de como, aqui na América Latina e, especialmente, na Bolívia, o apoio a processos e políticas governamentais de conservação podem levar a conquistas importantes. "

Fonte: WWF-Brasil

  
  

Publicado por em