Luciano Candisani fotografa o maravilhoso refúgio ecológico do Atlântico em livro de arte

Atol das Rocas (editora DBA), com fotografias e texto de Luciano Candisani, é o primeiro livro publicado sobre o deslumbrante lugar, uma das cinco ilhas oceânicas brasileiras e a única classificada como atol,também o único em todo o vasto Atlântico abaixo

  
  

Atol das Rocas (editora DBA), com fotografias e texto de Luciano Candisani, é o primeiro livro publicado sobre o deslumbrante lugar, uma das cinco ilhas oceânicas brasileiras e a única classificada como atol,também o único em todo o vasto Atlântico abaixo da linha do Equador.

A obra será lançada em noite de autógrafos na quarta-feira, 12 de março, às 19 horas, na Fnac– São Paulo (Av. Pedroso de Morais, 858, Pinheiros, fone: 3097.0022). O design e produção gráfica são de Alessandro Meiguins. São 144 páginas no formato 28 x 28 cm. O preço é R$ 69,00.

Os atóis - ilhas formadas pelo crescimento de recifes ao redor do cume de vulcões submersos – se concentram principalmente nos oceanos Pacífico e Índico. No Atlântico Sul só existe um: o Atol das Rocas, um belo e protegido pedaço do território brasileiro isolado em alto mar a 270 km da costa de Natal, no Rio Grande do Norte.

Além da geografia peculiar, Rocas representa um dos mais importantes refúgios ecológicos do Atlântico. Em 1979, tornou-se a primeira reserva marinha do país e, no início de 2002, passou a integrar a seleta lista de patrimônios naturais da humanidade da Unesco.

O livro Atol das Rocas é uma viagem visual através de uma natureza em estado original. As lentes do fotógrafo Luciano Candisani percorreram incansavelmente as areias das praias, os ninhais, as frestas dos recifes, as planícies de maré, o mundo azul abaixo da superfície do oceano e trouxeram retratos emocionantes de paisagens e animais únicos, separados do continente pelo vasto oceano. A cada página se revela o delicado equilíbrio da vida no lugar.

Para concluir o livro, o fotógrafo enfrentou as duras condições de vida do Atol por mais de 25 dias ininterruptamente. Apesar das paisagens deslumbrantes, dignas dos mais famosos paraísos tropicais, a rotina no local pouco lembra os confortos de alguma ilha turística.

Rocas é um daqueles raros recantos do planeta onde a vida ainda está regida pelas leis da natureza. Ali, o mar, os ventos e os bichos ficam no controle de tudo. Ao ser humano resta viver em harmonia com as imposições do ambiente.

É preciso adaptar-se, por exemplo, ao isolamento prolongado, à falta de sombra e de água doce, às camas úmidas em que se dorme com a sinfonia incessante de milhares de piados de aves marinhas no ouvido, a escovar os dentes com água salgada, a tomar banho no mar (ao lado de curiosos filhotes de tubarão), a lavar os pratos com areia da praia e a conviver de perto com escorpiões.

O autor:

Luciano Candisani, 32 anos, fotógrafo especializado em temas ambientais, vem percorrendo alguns dos locais mais remotos do planeta, como Antártica, Amazônia, Terra do Fogo, Fiordes Chilenos, Patâgonia e Galápagos para produzir matérias e livros.

Seus trabalhos, premiados no Brasil e exterior, são publicados por revistas como National Geographic, BBC Wildlife, Sailing Magazine, National Geographic Brasil, Terra, Veja e Época.

Em sua produção, que inclui 80 matérias para revistas e cinco livros, está Peixe-boi,(editora DBA, 2001), que traz o mais expressivo ensaio fotográfico já produzido sobre a espécie. Luciano dirige sua agência de imagens da natureza, com um arquivo de 25 mil fotos catalogadas, e se dedica à documentação da biodiversidade e conservação no Brasil.

Fonte: Assessoria de Imprensa/DBA:

  
  

Publicado por em