Macacos-sagüi saudam os visitantes no Centro Político e Administrartivo

Macacos-sagüi, roedores e veados-do-campo, são provas de que uma parte do Morro da Conceição não sucumbiu à atividade garimpeira ocorrida no Centro Político e Administrativo (CPA) na década de 80.Na época, a exploração do ouro deixou um rastro de destruiç

  
  

Macacos-sagüi, roedores e veados-do-campo, são provas de que uma parte do Morro da Conceição não sucumbiu à atividade garimpeira ocorrida no Centro Político e Administrativo (CPA) na década de 80.Na época, a exploração do ouro deixou um rastro de destruição do local.

Hoje, a situação em pouco lembra o cenário do passado: desmatamento e imensos buracos cavados no chão. Essa mudança deve-se à atenção dada pela Unidade Regional do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).É por uma estrada de chão, a partir da Avenida do CPA, atrás da 13ª Brigada da Infantaria Motorizada (13ª BIMz), que é possível chegar ao INPE.

A área de 29 hectares abriga árvores nativas e exóticas, parte delas plantadas pelo INPE.No portão de entrada, o visitante é saudado por macacos-sagüi que se alimentam de frutos no alto das árvores. De galho em galho fazem estripulias no ar. Parecem até exibicionistas.

O chefe da unidade do INPE, Jair Pereira da Silva, explica que as 62 pessoas que trabalham (sendo 13 funcionários) no órgão já se acostumaram a conviver com os animais. Por isso há placas de advertência, informando do cuidado com os animais na hora de trafegar com veículo no interior do órgão.

`A gente tem uma política de preservação ambiental, em virtude da degradação ocorrida por causa do garimpo. Uma parte dos animais que perdeu seu habitat por causa do desmatamento migrou para cá, de onde não saiu mais`, narra.

Embora não integre nenhuma Área de Preservação Permanente (APP) ou Ambiental (APA) a filosofia do INPE é evitar a alteração daquele cenário natural. Para suportar o período de ausência de chuva, os animais contam com cochos distribuídos no interior do morro.`Também compramos frutos como caju, goiaba e mamão, e colocamos no interior da mata para que eles se alimentem. Quando é período de chuva, eles têm água e frutos em abundância`, completa Pereira.

Além disso, a área do INPE abriga espécies de árvores como jatobá, angico, lixeira, gravatá, jenipapo, dentre outras.

O local é aberto à visitação, seja para a área verde como a parte técnica. É preciso fazer o agendamento pelo telefone 644-1183, de segunda a sexta-feira, das 7 às 13 horas.

Fonte: ICV

  
  

Publicado por em

Michele Barbosa

Michele Barbosa

02/09/2008 16:49:06
gostei muito desta nota, quero saber em que local fica este "sítio" só não entendi em que local se trata.