Monte Verde encanta pela natureza e pelo romantismo

Distrito do município de Camanducaia (MG), Monte Verde fica a 1.600 metros de altitude e ocupa uma área de 650 hectares, onde é possível encontrar um musgo que só cresce onde o ar é 98% puro.

  
  
Monte Verde é um paraíso ecológico encravado na Serra da Mantiqueira / Rosa Arrais Assessoria

Uma combinação de Suíça e Nova Zelândia com tempero mineiro. Assim é Monte Verde, um dos mais simpáticos destinos turísticos do Brasil. A apenas 167 km de São Paulo, Monte Verde é um paraíso ecológico encravado entre alguns dos picos mais altos da Serra da Mantiqueira e com atrações para todas as idades e todos os gostos, dos fondues e chalés com lareiras aconchegantes ao estilo suíço aos esportes de aventura que são a paixão dos neozelandeses.
Para começar bem sua estadia, a primeira coisa que o viajante deve fazer é... respirar fundo.

Distrito do município de Camanducaia (MG), Monte Verde fica a 1.600 metros de altitude e ocupa uma área de 650 hectares, onde é possível encontrar um musgo que só cresce onde o ar é 98% puro. A altitude traz outro benefício: o clima seco e frio, típico das montanhas.

As estações são bem definidas e a temperatura é amena o ano todo. No verão, a média é 26º C de dia e 14º C à noite. Já no inverno, o termômetro chega a ultrapassar os 20º C durante o dia, mas, com o cair do sol, a temperatura declina rapidamente, chegando a 5º C ou 6º C graus à noite.

O clima agradável e a natureza exuberante encantaram o letão Verner Grinberg nos anos de 1930. Falecido recentemente (13.08) foi ele que trouxe os primeiros moradores para a região, dando início à vila. Todos eram de origem européia – alemães, italianos e suíços, além de compatriotas da Letônia. Até hoje, a influência européia está presente em Monte Verde, principalmente na arquitetura e na gastronomia.

Fondues, chocolates e vinhos convivem pacificamente com pães de queijo, compotas de fruta e outras delícias da culinária mineira. A boa comida é uma marca registrada da vila, mas é possível neutralizar o efeito das inevitáveis calorias a mais: aproveitar a vida ao ar livre, fazendo trekking, escaladas, rafting, arborismo ou rappel, por exemplo. E ninguém precisa ser especialista em esportes radicais para se aventurar pelas montanhas e pelos rios de Monte Verde. Há opções para iniciantes e para crianças.

À noite, a atmosfera se transforma. Enquanto as famílias se recolhem nos cerca de 150 hotéis e pousadas da vila, os casais curtem o romantismo dos jantares à luz de vela e das caminhadas pelas ruas tranqüilas, iluminadas pela lua. Já os grupos de amigos reúnem-se nos bares, muitos deles com música ao vivo. Depois da noitada, quem consegue acordar cedo pode ser premiado com o espetáculo natural da neblina nas matas da Mantiqueira.
Monte Verde tem tudo isso e muito mais, confira nas próximas páginas.

Dos Bálcãs para as Gerais:

A história de Monte Verde confunde-se com a trajetória pessoal de Verner Grinberg (1910-2006). Em meados de 1913, sua família emigrou da Letônia para o Brasil e fixou-se em Paraguaçu Paulista (MG). Poucos anos depois, eles mudaram-se para a Colônia Varpa, criada por compatriotas dos Grinberg em 1922, no município de Tupã (SP). Varpa, que significa espiga em letão, transformou-se no maior núcleo de imigrantes da Letônia no Brasil e chegou a abrigar a maior Igreja Batista do país. Economicamente bem-sucedida, a colônia atraiu novas levas de imigrantes, incluindo a família de Emília Leismer, que viria a se tornar esposa de Grinberg.

Foi a partir do casamento com Emília, em 1934, que Grinberg começou seu “namoro” com a Serra da Mantiqueira. Eles passaram a lua-de-mel em Campos de Jordão (SP), onde ouviram falar pela primeira vez dos então chamados Campos do Jaguary. A descrição encantou Grinberg: cortada pelo rio de mesmo nome, a região era praticamente intocada e as montanhas e o clima eram semelhantes aos da sua terra natal.

Em 1938, Grinberg e seu pai resolveram conhecer o paraíso. A viagem de dois dias foi difícil e os últimos trechos foram vencidos em cima do lombo de burros e a pé. O esforço valeu a pena: a região era realmente maravilhosa e Grinberg adquiriu uma grande gleba, decidido a implantar uma fazenda.

O entusiasmo de Grinberg contagiou parentes e amigos, em sua maioria imigrantes de origem européia que eram membros da Igreja Batista como ele. Para essas pessoas, Grinberg passou a ceder terrenos para que construíssem suas casas.

A partir de 1950, ele começou a lotear suas terras e a investir na infra-estrutura da vila, que recebeu o nome de Monte Verde em homenagem a seu fundador – “grin” quer dizer verde e “berg”, monte.

Os primeiros moradores desenvolveram um estilo de vida que os aproximava da auto-suficiência e não faziam questão de “modernidades”. A luz elétrica, por exemplo, só chegou em 1969. Ninguém usava relógios e, todas as manhãs, Emília Grinberg tocava um sino para anunciar a hora de acordar.

Os tempos mudaram e a comunidade cresceu muito: hoje, a vila possui cinco mil habitantes e está preparada para receber os turistas. Há agências de turismo, locadoras de motos e quadriciclos, bancos (agência do Bradesco e caixa eletrônico do Banco do Brasil) e até “lan house”. E ninguém precisa se preocupar com emergências: há consultório dentário, pronto-socorro 24 horas e um hospital.

Fonte: Gustavo Arrais - secretário de Turismo de Monte Verde – Camanducaia e diretor da AHPMV – Associação de Hotéis e Pousadas de Monte Verde/Rosa Arrais Assessoria

  
  

Publicado por em

Cris

Cris

25/09/2009 15:01:44
Para quem quer curtir um clima frio e romântico sem a badalação e o agito de cidades como Campos do Jordão, Monte Verde é o lugar ideal.

Fiz uma extensa pesquisa na net sobre Monte Verde e acho que pode ajudar quem deseja mais informações.

O site mais completo que encontrei foi o "Guia Monte Verde", vale a pena visitar. O endereço é < href="http://www.guiamonteverde.com.br">www.guiamonteverde.com.br</a>

Admilson

Admilson

08/09/2009 09:34:38
O lugar é fantástico, principalmente dias de chuva para andar de quadriciclo; o ar é muito puro...

Janete

Janete

01/09/2009 17:58:32
tô passeando nessas páginas... ar puro, é? hum. prá mim, essas terras do sul são de uma lonjuuura!!! Mas quem não gostaria de conhecer um lugar assim? As minhas viagens têm sido em grande parte pelos livros... leiam, leiam...viajem também!

Lyngnys Emmanuel

Lyngnys Emmanuel

15/01/2009 11:34:17
Muito boa descrição! É de ficar com água na boca e vontade (nos pulmões) de respirar toda esse ar puro e viver a beleza desse lugar pitoresco! Vou conferir...

Luziane B. de andrade da Silva

Luziane B. de andrade da Silva

08/01/2009 18:10:41
Estou louca para conhecer Monte Verde há muito tempo, mas a grana está curta. Gostaria de saber se há alguma hospedagem de caráter mais simples no local, somente o básico cama e banheiro, sem nenhum luxo mesmo! (pensão), caso haja poderia me dar esta dica?
atenciosamente
Luziane