O Circuito da Serra do Cipó consolida-se como um grande destino ecoturístico

O paisagista Burle Marx já se referiu a Serra como o “Jardim do Brasil”, uma vez que ali há mais de 1.600 espécies de flores.

  
  

A Serra do Cipó está situada no estado de Minas Gerais, geograficamente, a Serra do Cipó ocupa uma área de 100.000 há. Ali, destaca-se “um conjunto de elevações entre 1.000 e 1.800 m de altitude, que se estende por aproximadamente 40 km na direção Sudeste-Noroeste, parte meridional do Espinhaço”.

O Parque Nacional da Serra do Cipó, com seus 33.800 há, é um dos principais atrativos da Serra.O clima da região é agradável, com verões frescos e estação seca bem definida. As temperaturas médias anuais ficam em torno de 21,2ºC, oscilando entre a mínima de 5ºC e a máxima de 32ºC.

A vegetação é extremamente diversificada e abriga a mais extraordinária mostra de campos rupestres do Brasil. Uma vez que o grau de endemismo é um dos maiores do mundo e abriga a mais extraordinária mostra de campos rupestres do Brasil. O paisagista Burle Marx já se referiu a Serra como o “Jardim do Brasil”, uma vez que ali há mais de 1.600 espécies de flores.

Situada ao Sul da Serra do Espinhaço, a serra do Cipó possui uma vegetação abundante e variada, clima ameno, relevo com diversas e raras formações geológicas, rochas, nascentes, corredeiras, cachoeiras e até piscinas naturais.

A biodiversidade deste ecossistema é apenas uma amostra da pujante infinidade de espécies de plantas sarmentosas e trepadeiras que se entrelaçam e pendem das arvores.

Nesta região, concentram-se inúmeros sítios arqueológicos, grutas e cavernas, em alguns locais podem ser encontrados vestígios e pinturas rupestres, interessantes desenhos de comunidades primitivas de grande valor para o entendimento da Antropologia.

Descoberta da época dos Bandeirantes a Serra do Cipó, que era conhecida como Serra da Vacaria, foi um dos itinerários utilizados por estes desbravadores em busca de riquezas minerais.
Este era o percurso que levava os Bandeirantes até a Vila do Serro Frio e Arraial do Tejuco, atuais cidades do Serro e Diamantina respectivamente.

Restam na região, algumas edificações e um interessante caminho de pedras construído pelos escravos, marcos da época colonial.
A Serra do Cipó está localizada no divisor de águas das bacias hidrográficas dos rios São Francisco e Doce.

Trata-se de uma região bastante rica em cursos d’água, destacando-se o rio Cipó, afluente do rio das Velhas, pertencente a bacia do relevo acidentado observa-se a freqüente formação de cachoeiras, corredeiras e piscinas naturais, que mantêm o seu volume de água constante durante quase todo o ano devido ao aspecto areno-rochoso dos leitos dos cursos d’água.Típicos também são os canyons, extensas formações rochosas que abrigam cachoeiras em seu interior.

A presença de um grande numero de nascentes e riachos abre a possibilidade de usar as águas da Serra do Cipó como padrão de referencia para ambientes aquáticos de ótima qualidade, equilibrados e com elevada diversidade ecológica, uma vez que estes ainda quase não afetados por atividades humanas.

Outro relevante aspecto da qualidade ambiental da região é a extrema pureza atmosférica, que ainda se apresenta completamente livre da contaminação das industriais e urbanos.

O relevante acervo natural existente na região influenciou para que em 1984 fosse criado o Parque Nacional da Serra do Cipó. Atualmente administrado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), ocupa uma área de aproximada de 330 km².

Como complemento o governo Federal definiu uma Área de Proteção Ambiental (APA), constituída por um cinturão verde de 600 km² que circunda o Parque Nacional.

A Serra parece ressecada e morta a primeira vista, mas é só ir mais alto, nos campos rupestres, para que suas paisagens transformem-se num enorme berçário de vida.

Sua flora possui um dos mais altos graus de endemismo e raridades de todo o planeta, sua vegetação apresenta-se em três tipos: matas de galeria, campos cerrados e campos rupestres ou de altitude. Nos vales ao longo do curso dos rios predomina a mata de galeria, com grande quantidade de arvores frondosas.

A região de cerrado pode ser identificada pelas arvores baixas e tortuosas e pelas espécies como o murici e o pau-terra. Acima de 900 metros, os campos de altitude são em geral bem abertos e cortados por rios e riachos permanentes.

A criação do parque tornou possível a proteção de uma espécie própria da serra do Cipó, a canela-de-ema, sobre a qual cresce um raro e exótico tipo de orquídea, a Constantia cipoenses.

Segundo os botânicos as 1.600 espécies já catalogadas atualmente não devem representar nem a metade do que deve existir na região. A multiplicidade de espécies vegetais é tão grande que a região encontra-se permanentemente florida durante todas as estações do ano, sendo considerada um verdadeiro laboratório a céu aberto, um paraíso para os botânicos.

A fauna da serra é bastante rica, sendo encontradas dezenas de espécies de mamíferos, anfíbios e aves. Destaca-se a paca, o tatu, o tamanduá-mirim, os sagüis, ouriços-cacheiros, o veado, o macaco, a lontra, o lobo-guará e a capivara. Dentre as aves são vistos com freqüência gaviões, codornas, perdizes, azulões, sabias, pica-paus, tucanos, pintassilgos e beija-flores.

O beija-flor-de-gravata-verde e o pássaro Cipó Canesteros, ambos endêmicos da serra, despertam grande interesse em ornitólogos de varias partes do mundo, e vale lembrar que por garantir a reprodução das plantas o beija-flor é essencial para o ciclo de biodiversidade.

Quanto aos peixes, alem das variedades mais comuns, merece destaque a presença abundante de pirapetinga, conhecida como a truta brasileira. Essa espécie apresenta um elevado nível de exigência ambiental, habitando exclusivamente águas com altos teores de oxigênio dissolvido.

O Circuito da Serra do Cipó é também rico em manifestações culturais, possuindo um calendário de eventos diversificados, com atrações como o Boi da Manta, Folia de Reis, as Festas do Divino, de Santa Terezinha, de Nossa Senhora do Rosário e de São Benedito. Em setembro, destaca-se o Festival de Dança e Cultura Indígena.

Como se a Serra e o Circuito não bastassem, debruça-se ali e perde-se por entre “os significativos Caminhos Drummondianos” da historia Itabira, terra de Carlos Drummond de Andrade, um dos maiores poetas brasileiros, alem de seus atrativos culturais como Memorial a Carlos Drummond de Andrade e o Museu do Tropeiro no Distrito de Ipoema.

O Circuito Serra do Cipó, consolidada-se como um grande destino ecoturístico, a oferecer não só suas belezas naturais, mas varias outras opções de lazer e aventura como as atividades voltadas para o “canyoning”, “caving”, cicloturismo, alpinismo,“trekking”, “hikking”, tirolesa, cavalgadas passeios de barco e caiaque.

Fonte: Assimptur

  
  

Publicado por em

Hilton Leal

Hilton Leal

21/03/2009 20:10:48
Tatére (olá) gostaria de receber, se possível, o máximo de informações sobre a Serra do Cipó, incluindo fotos! Já estive na Serra na primavera de 1999. Fui para o festival de dança e cultura indígena. Organizada por Ailton Krenak. Até onde sei o festival aconteceu até 2002 cinco vezes, desde o seu ínicio em 1998. Mas não tenho informações à respeito se ainda continua acontecendo. Se puder gosataria de obter essas informações também. Como no caso de visitar a serra e acampar, mesmo em algum momento que não seja específico, simplesmente um final de semana ou feriado. Obrigado!

Michele Florencio

Michele Florencio

18/12/2008 09:35:38
Ola gostaria de receber em meu e-mail o maximo de informações se possivel com fotos a respetio da Serra do Cipó.
Desde ja agradecida

Ronaldo Avelar

Ronaldo Avelar

09/11/2008 19:33:21
Gostei muito dessa matéria sobre a serra do cipó.tenho uma pousada lá a 5 anos e não sabia muita coisa sobre o local até ler este documentário. Parabéns!!!
Gostaria de receber mais informações sobre a serra do cipó em meu E-mail. Grato, Ronaldo. (31)8623.11.11