Brasil tem temporada de baleias incomum em 2016

Pesquisadores notam temporada mais curta e mudanças em comportamento

  
  

As baleias começaram a deixar o Brasil mais cedo este ano. Uma diminuição acentuada foi registrada já no mês de outubro, quando o normal seria que elas estivessem em nossas águas até novembro. Com isso, muitas operadoras de turismo de observação de baleias foram forçadas a interromper suas atividades mais cedo.

Esta diminuição do número de baleias foi observada tanto nos cruzeiros de pesquisa como nos estudos feitos no arquipélago dos Abrolhos, onde uma equipe do Projeto em terra acompanha o comportamento das baleias dentro do Parque Nacional Marinho ali existente. Além disso, a proporção de filhotes observados nos cruzeiros de pesquisa e nos encalhes foi menor que em outros anos.

Embora os dados coletados ainda estejam em fase de análise, tudo indica que parte das baleias-jubarte não subiu até o litoral do Nordeste, ficando distribuídas ao longo da costa do Sudeste e Sul do Brasil. “Estamos em contato com pesquisadores que trabalham com krill, o principal alimento das jubartes, na região antártica, para compartilhar informações e tentar entender se a quantidade de krill disponível para as jubartes nas últimas temporadas foi abaixo da média. Se confirmarmos isso, elas estariam deixando o Brasil mais cedo este ano em busca de alimento”, acrescenta Marcondes. Foram avistadas jubartes na região das ilhas Geórgias do Sul no início de novembro, época em que elas ainda deveriam estar no Brasil.

Considerando-se toda a temporada (julho a outubro) o Projeto Baleia Jubarte realizou 37 dias de cruzeiro, tendo sido amostradas 1356 milhas náuticas. Um total de 224 grupos de baleias jubarte com 662 indivíduos foram avistados, dos quais 69 eram filhotes. Foram coletadas 59 biópsias e realizadas 345 foto-identificações individuais, sendo que pelo menos 7 animais eram indivíduos que já constavam do Catálogo Brasileiro de Baleias Jubarte mantido pelo Projeto.

Sobre o Projeto Baleia Jubarte

Atuando há 28 anos na pesquisa e conservação das baleias jubarte e do ambiente marinho no Brasil, o Projeto Baleia Jubarte, patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental, integra a Rede Biomar juntamente com outros projetos patrocinados pela empresa (Projeto Albatroz, Coral Vivo, Golfinho Rotador e Tamar), que atuam de forma integrada na conservação da biodiversidade marinha do Brasil.

O Projeto Baleia Jubarte é administrado pelo Instituto Baleia Jubarte a partir de suas sedes na Praia do Forte e em Caravelas, Bahia.

Visite: www.revistaecotour.tur.br

Fonte: Enrico Marcovaldi

  
  

Publicado por em