Em Manaus, bancos abrem linhas de crédito

Banco da Amazônia, Caixa Econômica e Banco do Brasil em conjunto com agências de fomento turístico abrirão cinco mil novas linhas de crédito para empreendedores interessados na implantação, expans&atild

  
  

Banco da Amazônia, Caixa Econômica e Banco do Brasil em conjunto com agências de fomento turístico abrirão cinco mil novas linhas de crédito para empreendedores interessados na implantação, expansão e modernização de empreendimentos turísticos na capital. A iniciativa, sob a tutela da Manaustur (Fundação Municipal de Turismo) e Semdel (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico Local), conta com o aporte financeiro do Executivo municipal em parceria com a Associação Brasileira da Indústria Hoteleira e Amazonas Convention & Visitors Bureau, somando um total de R$ 23,5 mil.

O gerente negocial do Banco do Brasil, Valdison Barbosa, informou que a empresa tem como público-alvo os micros e pequenos empreendedores afiliados a VisaNet, cujo faturamento bruto anual não ultrapasse os R$ 5 milhões. Disse ainda que as linhas de crédito para o turismo contemplam investimentos principalmente na construção civil ou reformas, equipamentos de informática, aquisição de móveis e veículos automotores. “Desejamos fomentar a geração de emprego e renda voltados para o desenvolvimento do turismo local, aumentando nossa carteira de clientes ativos em pelo menos 5% através desses financiamentos”, explicou.
Segundo Barbosa, o Banco do Brasil é um dos parceiros mais antigos do pequeno empreendedor ligado ao modelo econômico indicado pelo Ministério do Turismo, o que justifica o banco fechar o ano passado com cerca de 10% a mais em volume de negócios no trade, por isso aposta na força das micros e pequenas empresas. “A gente trabalha com o sistema de amortização constante, ou seja, à medida que o tempo passa, vai diminuindo o valor das prestações. Além dessa vantagem, nosso diferencial é a taxa de juros de longo prazo acrescida de apenas 5,33% ao ano, a mais baixa do mercado”, acrescentou.

Para o gerente regional do Banco da Amazônia, Antonio Carlos Benetti, o risco de crédito também vai determinar a probabilidade de recebimento e estabelecer o preço (taxa de juros) a ser cobrado. Conforme o dirigente, a participação no evento é vantajosa por ser oportunidade de mostrar as vantagens de investimento em turismo no Amazonas, caracterizado por Benetti como um negócio lucrativo em longo prazo. “Dependendo dos planos de investimento, as taxas vão variar entre 8% a 14% ao ano”, explicou. O Banco da Amazônia, conforme o dirigente, projeta fechar o ano com um volume de investimento e empréstimos entre 40 a 50 milhões a mais que 2006 no turismo em Manaus.

Na opinião das sócias-empreendedoras Rosângela Alfaia e Joacir Rabello, a capacidade geradora de emprego e renda do turismo em Manaus traz números expressivos, principalmente para os que montam negócios voltados a esse segmento. As microempresárias afirmaram sua decisão de abrir uma empresa de balonismo e atividades ecodiversificadas voltadas para o turismo radical, caracterizando as linhas de crédito como oportunidades de levantar capital de giro suficiente para montar o novo negócio. “É muito importante que os bancos populares demonstrem interesse pelo pequeno empreendedor. No nosso caso, essas linhas de crédito serão fundamentais para o início da empreitada”, acrescentou.

Empreendimentos ampliam negócios em Manaus

Segundo os técnicos da Manaustur, a ação da Prefeitura de Manaus, tem chamado a atenção dos empreendedores locais, como é o caso do microempresário Moabe Vargas, um dos proprietários da Vertical Life, voltada para o segmento de turismo de aventura que há bastante tempo atua em Manaus.
Na opinião de Moabe Vargas, a Vertical Life, localizada no Jardim Petrópolis, zona sul, pelos menos três vezes por ano, consegue reunir grupos de turistas com 30 ou mais pessoas, em sua maioria vindos das regiões Sul e Sudeste, além de países como Holanda e Estados Unidos, para vivenciar a região com o intuito de se aventurar pela floresta e rios e conhecer de perto os atrativos naturais de Manaus e entorno. Como a Vertical Life, a Secretária Municipal de Meio Ambiente e Turismo do Município do Rio Preto da Eva, Vanuza Barroncas Viana, também demonstrou interesse em participar do seminário, com o objetivo de atrair e qualificar os investimentos no município vizinho, naturalmente vocacionado para o turismo de aventura e ecoturismo.

Alvo do seminário

Para a diretora executiva do Amazonas Convention & Visitors Bureau, Adriana Papa, a parceria com a Manaustur e a ABIH (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis), facilita a atração de potenciais investidores da atividade turística no Estado, sobretudo os recém-formados turismólogos, considerados público-alvo do seminário.
De acordo com os dados do Ministério do Turismo, os bancos desembolsaram, no ano passado, R$ 1,8 bilhão, cerca de 47% a mais que o registrado em 2005 e a estimativa é de que alcancem 15% a mais este ano em volume de recursos direcionados para as atividades turísticas, em projetos de investimentos para ampliação, modernização e instalação de empreendimentos turísticos e operações de capital de giro.

Fonte: Jornal do Commercio

  
  

Publicado por em