Museu do Amanhã inaugura exposição Holocausto - Trevas e Luz

Fotos, imagens e cenografias recriam uma das maiores tragédias da humanidade

  
  

Cerca de 6 milhões de pessoas, a maioria judeus, foram perseguidas e aniquiladas pelos nazistas, liderados por Adolf Hitler, em um dos capítulos mais sombrios da história da humanidade, marcado pela intolerância e pelo preconceito de credos e raças.

Com o objetivo de despertar a reflexão sobre a importância da convivência pacífica e sobre como queremos viver uns com os outros, respeitando as diferenças, o Museu do Amanhã abriu a exposição "Holocausto - Trevas e Luz", no dia 26 de julho, em parceria com a Prefeitura do Rio de Janeiro e o Museu do Holocausto de Curitiba, uma mostra que reúne peças de época, imagens, cenários e mensagens que nos fazem refletir sobre o futuro que queremos. A exposição ficará aberta ao público até dia 15 de outubro.

“Revisitar o fato histórico, por meio desta mostra é uma forma de rever o passado e refletir sobre o nosso presente, a fim de poder escolher o amanhã que desejamos. Nesse triste período da história prevaleceram as piores características humanas, como o ódio, a intolerância, o racismo e o preconceito. Apesar das mudanças e evoluções entre as relações humanas, continuamos, inclusive no Brasil, a repetir tais atitudes. Esperamos que a escuridão do Holocausto sirva como um farol para iluminar o futuro da humanidade”, destaca o diretor de Conteúdo do Museu do Amanhã, Alfredo Tolmasquim.

"Holocausto - Trevas e Luz" é dividida em três módulos, todos expostos no espaço do Museu do Amanhã denominado Galeria do Tempo. No primeiro, o visitante será convidado a refletir sobre a tragédia, por meio de uma cenografia temática, reproduzindo desde uma típica câmara de gás dos campos de concentração, a fotos de época marcantes e frases de impacto.

Ao mesmo tempo em que reproduz uma época de grandes dificuldades, a exposição de propõe a destacar a capacidade de superação do ser humano e celebrar a vitória da vida superada perseguição cruel da circunstância em discussão. É desta forma que o segundo módulo homenageia os chamados ‘Justos entre as nações’, nome dado àqueles que correram riscos para salvar judeus perseguidos durante a Segunda Guerra Mundial.

Por fim, com a exibição de trabalhos e redações feitos por alunos de escolas públicas sobre o tema o Museu do Amanhã estimula a reflexão sobre a importância de se lembrar e revisitar o Holocausto, para evitar que se repita.

Ainda entre os destaques de "Holocausto – Trevas e Luz" figura um uniforme utilizado em um campo de concentração, cedido pelo Museu Judaico do Rio de Janeiro. A peça pertenceu a Hercz Rosenberg, que veio para o Brasil após a Segunda Guerra.

Estão expostas ainda obras de arte produzidas pela premiada artista plástica Fayga Ostrower, radicada no Rio de Janeiro, e trechos de depoimentos de sobreviventes do Holocausto coletados pela Fundação Shoah, criada pelo cineasta Steven Spielberg.

“Aprender e recordar são ações fundamentais para que o Holocausto sirva como um alerta e um ensinamento para a nossa e futuras gerações. Com isso, poderemos evitar e combater inúmeros genocídios e graves violações dos direitos humanos que continuam ocorrendo em várias partes do planeta, incluindo o Brasil”, completa Alfredo.

- Serviço:

- Holocausto ‘Trevas e Luz’

- Museu do Amanh㠖 Praça Mauá 1, Centro - Galeria do Tempo – 2º andar

- Período: de 26 de julho a 15 de outubro de 2017

- Funcionamento: De terça-feira a domingo, das 10h às 18h (com encerramento da bilheteria às 17h)

- Ingressos: A mostra temporária está incluída no valor da entrada para o Museu

Inteira: R$ 20,00; ​Meia-entrada: R$ 10,00

Visite: www.revistaecotour.tur.br

Fonte: Carolina Bellei

  
  

Publicado por em