Rio de Janeiro sedia exposição internacional de Patchwork Contemporâneo e Arte Têxtil

A exposição é composta por duas mostras, uma com trabalhos inéditos e outra que reúne obras que marcaram os últimos 9 anos da Patchwork Design

  
  
Única exposição internacional de patchwork artístico e arte têxtil da América Latina, a “Contemporâneo” apresentará 30 trabalhos de artistas brasileiros, dos Estados Unidos, França, Inglaterra e Quênia / Divulgação

Técnica artesanal conhecida por seus desenhos delicados, o patchwork – em português, “trabalho com retalhos” – vai muito além da tradicional “colcha da vovó” e tem sido utilizado na criação de quadros e painéis que mais se assemelham a sofisticadas pinturas.

É o que o público poderá conferir na exposição Contemporâneo, que acontece de 26 a 28 de março no Clube Monte Líbano, no Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro, depois de ficar em cartaz em São Paulo.

A mostra faz parte da 15ª Patchwork Design, evento que terá ainda uma feira de produtos, com estandes de ateliês e empresas das áreas têxtil, de decoração e artesanato.

Única exposição internacional de patchwork artístico e arte têxtil da América Latina, a “Contemporâneo” apresentará 30 trabalhos de artistas brasileiros, dos Estados Unidos, França, Inglaterra e Quênia.

A exposição é composta por duas mostras, uma com trabalhos inéditos e outra que reúne obras que marcaram os últimos 9 anos da Patchwork Design.

Os quadros de patchwork contemporâneo são comercializados por valores que variam entre $ 1.500 e $ 7.500 (dólares americanos), no caso de artistas estrangeiros, e entre R$ 3.000 e R$ 5.000 (reais), no caso de artistas brasileiros.

À primeira vista, as obras parecem composições composições abstratas de óleo sobre tela, com os detalhes e materiais só identificáveis bem de perto.

“Atualmente, a arte têxtil usando a técnica do patchwork tem ganhado cada vez mais espaço em galerias de arte e museus que atraem grandes multidões para exposições, como no Metropolitan Art Museum, em Tóquio”, afirma Zeca Medeiros, curador da exposição.

“No Brasil, o patchwork sempre foi visto como a “colcha da vovó”, mas esse conceito mudou. Agora a ideia é privilegiar o patchwork artístico. A exemplo de outros países, a técnica aplicada de forma contemporânea já começa a ganhar status de arte também no Brasil”, acrescenta Zeca.

Sobre a 15ª Patchwork Design:

Trata-se de uma feira de produtos e serviços, que contará com 45 estandes de ateliês e empresas das áreas têxtil, de decoração e artesanato de São Paulo

, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Os expositores oferecem grande variedade de itens, desde a matéria prima ao produto acabado, passando por maquinário, livros, revistas, projetos, tecidos nacionais e importados, bonecas e acessórios. A estimativa é que as vendas ultrapassem os R$ 2 milhões e que a feira receba um público de mais de 9 mil pessoas.

“No início a ideia da feira era apenas reunir, informalmente, artistas que produzissem peças de patchwork, mas ainda não se conheciam nem trocavam experiência”, conta Zeca.

“Mas o mercado é tão promissor que, em 15 anos, o número de visitantes da Patchwork Design passou de 200 para mais de 10 mil, movimenta cerca de R$ 4 milhões e tem edições no Rio e em São Paulo, as duas cidades que mais concentram artesãos que dominam essa arte”, analisa o curador.

Serviço

CONTEMPORÂNEO - Exposição Internacional de Patchwork Contemporâneo e Arte Têxtil

15 ª Patchwork Design

Local: Clube Monte Líbano

Endereço: Avenida Borges de Medeiros, 701 – Leblon

Data: de 26 a 28 de março

Horário: das 13h às 19h.

Visite: www.revistaecotour.com.br

Fonte: Jean Claudio Santana

  
  

Publicado por em