Segmentação e produção associada são tema de debate em Belo Horizonte

MTur defende a criação de produtos qualificados e com características específicas

  
  

Durante o evento, o painel “Segmentação: as muitas faces do turismo brasileiro” teve a participação do coordenador geral de Segmentação do MTur, Wilken Souto, e da coordenadora de Desenvolvimento e Qualificação da Abeta, Raquel Müller.

Wilken apresentou dados que indicam que o turismo deve, cada vez mais, focar-se na demanda específica de cada cliente. “Seguimos uma grande tendência de segmentação, cada turista com sua necessidade e seu desejo. Por isso, é fundamental a formatação de produtos com características próprias, que atendam com qualidade os clientes”.

Raquel Müller falou sobre o crescimento que o turismo de aventura vem tendo o país. “Hoje são mais de 2 mil empresas dos segmentos de ecoturismo e turismo de aventura. Trabalhamos com 24 atividades distintas, como arvorismo, windsurfe, balonismo, em diferentes ecossistemas. Hoje, o Brasil é referência internacional quando o assunto é turismo de aventura”.

O outro painel do dia foi “Turismo sustentável, inclusão social e vivência: é possível ser diferente?”. Ana Cristina Façanha de Albuquerque, coordenadora geral de Produção Associada ao Turismo do MTur, foi uma das participantes. Ela falou sobre os incentivos do MTur à comercialização de produtos artesanais de comunidades de todo o país. “A produção associada é uma alternativa de emprego e renda e temos feito um trabalho estruturado com prefeituras, governos e entidades privadas para aproveitar este potencial”.

Míriam Rocha, presidente da Associação de Culturas Gerais, foi a outra participante do painel. Ela apresentou talentos de diversas regiões do país, principalmente Minas Gerais que trabalham com produção associada. “É uma ação que estimula os moradores a se integrarem com o turismo, a receberem bem seus visitantes e, acima de tudo, a preservar as belezas e valores do lugar onde vivem”.

Fonte: MTur

  
  

Publicado por em