Os 10 melhores hotéis para os amantes de café

Do Brasil ao Vietnã, passando pela Costa Rica, Colômbia, México, Tanzânia, Jamaica ou Bali. O mapa-mundi do café desenha-se em destinos exóticos e em perfumadas moradias de charme. Curto ou longo, pouco importa, faça um Coffee Break

  
  
Curto ou longo, pouco importa, faça um Coffee Break nesta viagem

Do Brasil ao Vietnã, passando pela Costa Rica, Colômbia, México, Tanzânia, Jamaica ou Bali. O mapa-mundi do café desenha-se em destinos exóticos e em perfumadas moradias de charme. Curto ou longo, pouco importa, faça um Coffee Break.

1. Sazagua – Colômbia
Aqui, a cafeína pode ser uma tentação mas nunca será um excesso, pelo menos ao ponto de comprometer a qualidade do sono. A tranquilidade da paisagem e o conforto das suites onde se faz o alojamento são, por si só, garantia de um bom descanso. Instalado no coração da região colombiana do café, nos Andes Centrais, o nome deste hotel de charme presta homenagem à civilização Quimbaya que habitou a zona em tempos mais remotos.

Esse passado feudal continua presente nos pequenos detalhes decorativos mas, acima de tudo, na própria paisagem, pontuada pelas antigas estruturas de madeira de estilo colonial, com influências espanholas e inspirações na natureza. A casa principal da fazenda é o expoente máximo dessa herança e também um cenário magnífico por excelência.

2. Munduk Moding Coffee Plantation – Bali
São só quatro letras, mas parece um sonho. B-a-l-i. É no norte da ilha, entre montanhas, lagos, arrozais e plantações de café que se desenha um resort de natureza onde a palavra luxo ganha nova definição. Sim, ele é evidente nas suites e nas vilas, esculpidas em madeiras tropicais e materiais nobres, como o mármore Sulawesi das casas de banho. As dimensões generosas das camas king-size poderão surpreender aqueles que conseguirem desviar o olhar das janelas, rasgadas de cima a baixo, de dentro para fora. Porque é lá fora que a vida acontece e que outro luxo se materializa. O cenário encoraja passeios a cavalo, convida a caminhadas a dois com passagens por aldeias onde a palavra turismo ainda não chegou, e abre o apetite para as aventuras orgânicas providenciadas pelo chef residente, que privilegia produtos locais, como o delicioso café.

Strawberry Hill

3. Strawberry Hill – Jamaica
Não é preciso ser imaginativo para olhar para este lugar, a trinta minutos do centro de Kingston, e vê-lo como cenário de uma novela de época. As origens remontam ao século XVIII, altura em que a coroa britânica ofereceu a propriedade a Sir Horace Walpole – fica assim explicada a estética georgiana das 12 casas de campo para hóspedes – mas que só mais recentemente, em 1972, chegou às mãos de Chris Blackwell. Ele também é dono da editora que lançou Bob Marley. Não é, no entanto, reggae que se ouve neste oásis de montanha: a natureza encarrega-se da banda sonora perfeita e de providenciar as condições ideais para a produção do café que ali cresce desde 1890, bem como para a reprodução de árvores como o zimbro ou o eucalipto, entre mis de 350 espécies endémicas nos dez hectares de jardim botânico. Os tempos mudaram, mas a envolvência permanece intacta, de resto como a frequência: antes era ponto de encontro da aristocracia europeia, hoje é requisitado por músicos e celebridades internacionais.

4. Finca Rosa Blanca – Costa Rica
Florestas cheias de neblina, vulcões adormecidos, cascatas encantadas, rios cristalinos. Parece a descrição de um éden em formato clichê, mas é mesmo cenário de um país de verdade. O sonho torna-se realidade nas terras altas da zona central da Costa Rica, cenário da Finca Rosa Blanca, um eco-resort onde a exclusividade ganha forma em 13 suites de luxo transversais e encantos distintos. O local certo para relaxar, caminhar, namorar, mas também para aprender tudo e mais alguma coisa sobre a tradição do café. Naquele que é um dos mais exemplares projetos de turismo sustentável no país, as atenções convergem nas plantações de café orgânico que alimentam uma infinidade de programas e atividades. Passeios, degustações, tratamentos de beleza e refeições são apenas algumas opções.

5. Finca Hamburgo – México
Coordenadas: Soconusco, a 54 quilômetros da cidade de Tapachula, estado de Chiapas, Sul do México, terra de café. Impossível disassociar a produção do famoso grão da identidade de um lugar que cresceu à volta dela. A Finca Hamburgo, mais do que um refúgio de montanha, é um exemplo de perseverança. É disso que dão conta os proprietários, a quinta geração de uma família de alemães que chegou disposta a prosperar. As tradições, que remontam a 1888, continuam bem vivas num lugar onde se produz uma café exportado para todo o mundo, de acordo com o principio de sustentabilidade e consciência social. Isso pode ser testemunhado no Tour Vive El Café, que inclui uma visita ao museu onde se conta a história do lugar. Completam o quadro as cabanas, construídas de acordo com o cânones da arquitetura local, e o restaurante Perleberg, que serve um amor genuíno pela terra em forma de pratos regionais.

Arusha Coffee Lodge – Tanzânia

6. Arusha Coffee Lodge – Tanzânia
É nas montanhas do Norte da Tanzânia que se descobre a misteriosa Arusha. Estrategicamente encaixada entre o imponente Meru e Kilimanjaro, próxima dos principais parques naturais e rodeada pelas maiores plantações de café do país, a cidade goza de enquadramento perfeito para quem quer escapar ao mundo. A plenitude da experiência acontece no Arusha Coffee Lodge, uma propriedade de início do século XX transformada em pousada de luxo. E que luxo. As trinta unidades onde ficam os hóspedes erguem-se em materiais naturais, sempre em torno do tema café, em apontamentos decorativos e evidente a partir das janelas, com vista para as plantações. São elas o cenário do Coffee Estate Tour, um passeio de duas horas em que se explica cada etapa do café, da plantação ao consumo, que pode, de resto, ser feito no restaurante do lodge.

7. Fazenda União – Brasil
Troque a praia pelo campo e o chopp pelo… café. Localizada no município de Rio de Flores, interior do Rio de Janeiro, esta fazenda é o prolongamento de um Brasil menos moderno, mas ainda mais autêntico. Fundada em 1836, a antiga residência do visconde do Rio Preto foi transformada numa moradia de luxo com interiores extramente decorados com mobiliário de época e obras de arte. Os 16 quartos prolongam uma aura histórica que contagiou até a gastronomia. Inspirada nos receituários da era colonial e baseada em produtos locais, reserva um destaque natural para o café. Os jantares temáticos, os passeios em charrete e as visitas guiadas que recriam a vida dos barões do café são autênticos passaportes para essa viagem no tempo.

8. The Norfolk – Quênia
O Quênia não está entre os gigantes que controlam a produção mundial de café, mas o seu grão é obrigatório nas listas dos mais sofisticados cafés. Igualmente indispensável no roteiro de Nairobi é o The Norfolk, hotel do grupo Fairmont inaugurado em 1904 e modernizado em 1999. Atualmente, é frequentado por ilustres como Hemingway. Para compreender o encanto basta espreitar o requinte dos seus 165 quartos ou experimentar mimos como o que o Restaurante Tatu oferece a quem chega: licor de café, chocolates de moca e uma degustação de grãos oriundos da região de Tatu. Os mais interessados poderão prolongar a descoberta gastronômica com uma visita a um fornecedor local que esclarecerá dúvidas e ainda, dará para experimentar os famosos grãos AA-, os melhores grãos do mundo. O desfecho está à vista, de novo no hotel, com o Kenyan Estate Coffee Tasting Menu, um menu de degustação de muitos sabores mas com um só ingrediente-chave.

9. Evasion Ana Mandara Villas Dalat – Vietname
Cidade da Primavera Eterna ou Pequena Paris como lhe chamavam os colonizadores franceses, Dalat é um daqueles lugares menos óbvios quando se trata de explorar os encantos do Vietnã. Talvez por isso, torna-se ainda mais autêntica. É nos arredores da cidade, em plena montanha, que se descobre este hotel de charme composto por pequenas vilas, construídas nas décadas de 1920 e 30. As influências francesas, evidentes na arquitetura bem cuidada, estendem-se também à paisagem, marcada pelas plantações de café. Zona de forte produção, Dalat contribui para colocar o país no segundo lugar do pódio mundial da produção de café. A frieza dos números até pode ajudar a descrever a realidade do país, mas nada como um xícara de café de Dalat para tornar tudo mais perceptível. E inesquecível.

The Serai Chikmagalur

10. The Serai Chikmagalur – Índia
Chikmagalur é conhecida por ter uma das mais bonitas plantações de café do país. Convinha, por isso, mexer pouco na paisagem. É o que faz este hotel localizado entre Bangalore e Mangalore. Desenhado em torno de um curso de água que funciona como espinha dorsal. Ele flui sem ruído, mas vigorosamente com os materiais das redondezas a aparecerem transformados em interiores dignos de qualquer revista de arquitetura. O Bean to Cup – The Coffee Tour é a melhor forma de concretizar o encantamento, num passeio com vários bonus: além das explicações sobre a Arábica e da Robusta, tem também a passagem pelo museu do café. Para um quadro completo, nada como subir aos céus e embarcar no Tour de Helicóptero que conta a história da Índia numa só paisagem. E para descer à terra, mas continuar a sentir-se nas nuvens, termine o dia no Oma Spa, onde se tira proveito das propriedades antioxidantes do café.

Fonte: Destinos de Viagem

  
  

Publicado por em