Pratos disputam paladar de turistas na Chapada Diamantina

Para participar do evento, os estabelecimentos passaram por duas etapas de treinamento que incluíram manipulação de alimentos e oficina de garçom.

  
  

Que tal apreciar um belo pôr do sol num dos lugares mais encantadores do Brasil e em seguida saborear um prato preparado especialmente para a ocasião? Até 16 de novembro, turistas e moradores da Chapada Diamantina, na Bahia, poderão conferir um pouco da cultura culinária da região durante o II Festival Gastronômico, que conta com a participação de 25 estabelecimentos das cidades de Lençóis, Mucugê e Vale do Capão.

O festival é uma oportunidade para os restaurantes divulgarem seus melhores pratos ou produzirem um cardápio específico para o evento. Com isso, o turismo da região recebe mais um incentivo, pois a variedade de pratos e temperos da Chapada é um atrativo a mais para o turista. Além da gastronomia, estão previstas programações culturais, como rodas de capoeira, boi bumbá, grupos de danças, entre outras.

O argentino Hugo Ferreyra, que vive no Vale do Capão há nove anos, acredita que o festival será um sucesso. “Tivemos um resultado extremamente positivo no ano passado. Acreditamos que, nesse ano, vamos repetir o desempenho”, afirmou Ferreyra, proprietário do Raízes Restaurante.

O prato oferecido pelo empresário, peixe grelhado ao molho de irathamaky, produzido a partir de manteiga, azeite e ervas, foi preparado especialmente para o festival.

A maioria dos pratos procura resgatar a cultura culinária da Chapada Diamantina. “Essa é uma das oportunidades que o festival nos proporciona”, disse Suzane Almeida, do restaurante Candombá, localizado no Vale do Capão.

Além do resgate da cultura, a empresária destaca a importância de se oferecer pratos saudáveis. “Estamos oferecendo uma de nossas especialidades, que é uma lasanha, preparada com verduras plantadas em nossa horta orgânica”, revela.

Já Dionísio Martins, do restaurante Roda D´Água Goumert, espera que o festival traga novos clientes e turistas. “Oferecemos pratos diversificados, a partir de nossa especialidade, que é a carne de sol, preparada em nosso próprio restaurante”, destaca Dionísio.

O Festival Gastronômico da Chapada Diamantina também é uma oportunidade de capacitação para os restaurantes da região. Para participar, os estabelecimentos passaram por duas etapas de treinamento que incluíram manipulação de alimentos e oficina de garçom.

“Assim, eles não só ampliam suas ações comerciais mas também desenvolvem o seu negócio”, aponta Richard Alves, coordenador da carteira de Economia Criativa do Sebrae Bahia. Para ele, o festival tem uma importância fundamental para o aquecimento da economia da região.

“O incremento do fluxo de turismo na região proporciona conhecer a culinária local e ajuda fixar a imagem da Chapada como destino diferenciado”, conclui Richard.

Luiz Henrique do Amaral, presidente da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), disse que a integração entre os empresários locais contribuirá para o sucesso do festival.

“Já é confirmado o potencial que a Chapada tem para o turismo. Eventos, como o Festival Gastronômico, são as ferramentas que temos para agregar valor diferencial ao turismo da região, contribuindo para o seu desenvolvimento”, afirmou o coordenador.

Liana Santiago, superintendente de educação profissional do Senac, falou da importância do festival para o desenvolvimento dos estabelecimentos participantes, bem como para o turismo como um todo.

“Todos ganham. Desde o empresário, que qualifica e divulga o seu estabelecimento, até o cliente, que tem a garantia das boas práticas de manipulação dos alimentos que chegam à sua mesa”, concluiu Liana.

O II Festival Gastronômico da Chapada Diamantina é realizado pelo Sebrae, em parceria com o Senac, e conta com o apoio da Abrasel, Secretaria de Turismo da Bahia, Bahiatursa, Associação Comercial e Industrial de Lençóis, Acomtuv (Associação de Comerciantes do Vale do Capão) e prefeituras municipais.

Fonte: Sebrae/BA

  
  

Publicado por em