Responsabilidade Sócio-Ambiental são prioridades para a Hotelaria em 2007

O grande diferencial da Ecoeficiência em Hospitalidade é que o sistema de Gestão não pode ser implantado sem que haja treinamento intensivo de todos os funcionários e até envolvimento dos hóspedes. Essa

  
  

O grande diferencial da Ecoeficiência em Hospitalidade é que o sistema de Gestão não pode ser implantado sem que haja treinamento intensivo de todos os funcionários e até envolvimento dos hóspedes.

Essa foi uma das conclusões do seminário realizado pelo Grupohotel, na última quinta feira,1 de março, no Hotel Holiday Inn Parque Anhembi, em São Paulo. O bom desempenho tem como importante aliado as medidas de economia em recursos energéticos e hídricos, que representam de acordo como diretor do Grupo, Vicente Lamachia entre 25 a 30% dos gastos de um hotel.

Questões e tecnologia voltadas a ecoeficiência em hospitalidade com Responsabilidade sócio-ambiental, foi o mote do Seminário realizado pelo Grupohotel- Grupo Dos Profissionais Executivos do Mercado Hoteleiro, na última quinta feira, 1 de março no Hotel Holiday Inn , com público formado por Profissionais do Serviço de Hospitalidade Hoteleira e Hospitalar, Síndico de Hotéis, Condohotéis e Edifícios Comerciais, Asset Management, Arquitetos, Engenheiros, Diretores, Construtoras, e Administradoras.

O FOHB - Fórum dos Operadores Hoteleiros do Brasil, a Associação Brasileira de Resorts e a BSH International Hotel & Tourism Specialists apoiaram o evento que também contou com roda de negócios. O presidente do Grupo, que reúne 80 empresas associadas, Vicente Lamachia, alertou que é preciso adaptar a estrutura do empreendimento hoteleiro, objetivando não apenas a redução de custos, mas também a preservação do meio ambiente. “Empresas européias preferem colocar seus executivos em viagens, hospedados em lugares com selos e certificados entre outros, o ISO 14001, ou seja, estão preocupados cada vez mais com produtos ecologicamente corretos, comprometidos com as responsabilidades sócio-ambientais, que são evidentes e irreversíveis”.

Lamachia taxativo disse que recursos energéticos e hídricos representam entre 25 a 30% dos gastos de um hotel, e quem não se atentar para o fato e não se adaptar certamente encontrará dificuldades”.

Os palestrantes enfatizaram que o conceito da ecoeficiência resume-se em aumento da produtividade aliada à diminuição de gastos e de resíduos poluentes. O Diretor de Engenharia e Manutenção Christian Kuhn, abriu o ciclo de palestras apresentando um case de sucesso da Atlantica Hotels International, a maior administradora independente de hotéis na América do Sul, e segunda maior rede em operação no Brasil, conforme revela o 3º volume do Estudo Raio x da Hotelaria Brasileira. As Redes Hoteleiras do Brasil.

A empresa com sede em São Paulo e capitaneada por Paul J. Sistare, presidente e CEO, opera por alianças estratégicas com a Choice Hotels International (representando as marcas Sleep, Comfort, Comfort Suites, Quality e Clarion) e com o Carlson Companies (para as bandeiras Radisson, Park Suites e Park Inn). Também possui a marca própria Go Inn, no segmento supereconômico, e o selo Atlantica Collection, para marcas independentes.

A Atlantica Hotels tem quase 60 unidades em operação, que somam 10 mil apartamentos na maioria das principais cidades do Brasil. Atualmente cinco mil apartamentos estão em construção no Brasil e devem começar a operar dentro de três anos, enquanto outros 25 hotéis estão em fase de desenvolvimento.Em 2006 a Atlântica manteve o ritmo de crescimento do negócio, com o recorde de dois milhões de hóspedes, o que representou 14% de alta.O lucro do negócio foi duas vezes maior do que em 2005, enquanto o RevPar (receita por apartamento) teve alta de 15% no mesmo período.

Case de Sucesso da Rede Atlântica

Christian abordou o tema Ecoeficiência em Hospitalidade - Gestão e Responsabilidade Empresarial Sócio Ambiental (Certificação Hoteleira ISO 14001) Implantação Ambiental – Princípios, Práticas e Estudos de Casos. Fazendo uma analogia de equipamentos e demonstrando os resultados custo/benefícios.O bom desempenho tem como importante aliado as medidas de economia em recursos energéticos e hídricos, que representam de acordo com Lamachia entre 25 a 30% dos gastos de um hotel. A receita de economia da Atlântica, de acordo com Christian, está focada na redução da intensidade de material utilizado nos bens e serviços; na redução da energia, da dispersão e no apoio à reciclagem, sempre respaldados pela responsabilidade ecológica.

Novas Preocupações Ambientais e Necessidades Econômicas dos Projetos Hoteleiros

Na segunda palestra, o engenheiro Eduardo Linzmayer, falando sobre Projetos hoteleiros integrados às novas preocupações ambientais e necessidades econômicas, destacou a preocupação com o ciclo de vida completo das edificações e equipamentos hoteleiros e hospitalares. “Este ciclo de vida envolve o estudo de viabilidade, especificação, projetos, construção e montagem, pré-operação, operação, manutenção e reformas”, observou, ressaltando que dentro deste ciclo a maior preocupação do empreendedor deve ser com a pré-engenharia antes da construção, que tem a missão de aprimorar os projetos e introduzir os interesses voltados à redução de custos de operação e de manutenção.

Continuando, explicou que através das técnicas de redução de custos serão viabilizados os preços competitivos dentro dos padrões de qualidade, preservado a margem de lucro e dos bens patrimoniais. Taxativo Linzmayer afirmou que para a hotelaria atual ter um desempenho favorável, é imprescindível que haja investimentos em novas tecnologias e métodos construtivos, a segmentação do mercado, flexibilidade dos espaços e dos serviços, cumprimento das normas técnicas e legais e a implementação de serviços diferenciados. “Para que um empreendimento se mantenha competitivo, além da constante manutenção, é preciso colocar em prática a equação menores custos e maior produtividade”.

O engenheiro mostrou, enfim, a integração do planejamento do antes, durante e depois da construção do empreendimento; técnicas de redução de custos de manutenção; mecanismos de controle de despesas com energia, consumo de água e otimização dos recursos naturais.Outro ponto bem destacado foi a importância da integração de ações do Assets Manager no desenvolvimento do Empreendimento Hoteleiro, visando redução de custos, aplicados também em Edificações Comerciais.

Produtos de Fechamento Automático Podem Reduzir em até 77% o Consumo de Água.

Cezar Antonio Gehlen, do núcleo Docolmatic, família de produtos da Docol, pioneira em produtos - torneiras, misturadores e válvulas - economizadores de água, mostrou que a empresa está preocupada com o meio ambiente, não apenas através de produtos para uso racional da água, mas, também, com ações de conservação e incentivo à preservação.

A DocolMatic destacou Gehlen, proporciona redução de até 77% no consumo de água. “Uma alternativa para amenizar o problema da escassez do precioso liquido é a substituição dos equipamentos convencionais por produtos com fechamento automático” destacou informando que no Brasil, produtos desse tipo, foram desenvolvidos pioneiramente pela Docol. Ao mostrar o case de sucesso do Flat Saint Charbel, em São Paulo, o palestrante argumentou que a tecnologia dos produtos na ponta de consumo obriga o usuário a estar economizando água, porém sem perder o conforto. “Neste flat foram utilizados registros reguladores de vazão, que tem a função de ser um limitador de vazão”, frisou.

O professor e consultor Márcio Moraes mostrou como os Planos de Negócios “Business Plan”, podem transformar idéias inovadoras em oportunidades de negócios. Ele ressaltou a Importância de como Elaborar e Executar.Segundo ele, a implemntação desse recurso permite permite vivenciar os riscos antes mesmo do hotel ser implantado. “Identificar riscos possibilita planejar ferramentas para minimizar o plano de negócios, participar do planejamento das melhores práticas de ecoeficiência, analisar o mercado e pontuar a competitividade”.

Perspectivas do Setor Hoteleiro e Imobiliário para 2007

As Perspectivas do Mercado Hoteleiro para 2007, com foco em hotéis de negócios, foram objeto da palestra de Alexandre Mota Consultor Sênior da BSH International. Segundo ele entre as ameaças para o setor estão as crises aeroportuárias, crescimento econômico abaixo do esperado, lembrando ainda que alguns destinos ainda sofrem com desequilíbrio entre oferta e demanda.Como oportunidades, ele enxerga a recuperação da diária média, o reposionamento e retrofit e as fontes financiadoras . Para as cidades com população na faixa de 350.000 a 750.000, os hotéis econômicos terão grande projeção. Para hotéis econômicos de pequeno porte e especializados, ele sugere reposionamento e retrofit para escapar da pecha “Hotel barato” observa.

Para os hotéis de lazer e convenções, Mota acredita que em 2007 o crescimento será abaixo do esperado. “Há ausência de hoteleiros especializados no turismo de massa”. Porém como aspectos positivos, ele enxerga a possibilidade de trabalhos com nichos, melhoria do RevPar e novos conceitos de meios de hospedagem.

O Acesso e Localização decidirão a regionalização da demanda. Neste cenário hotéis da categoria Bed & Breakfast versus Pousada. Hotéis de Convenções versus Hotéis e Centro de Conferências, estarão em evidência.

Com relação aos desafios da construção imobiliária diante das oportunidades do Potencial hoteleiro turístico de lazer, o consultor estabelece que imobiliário turístico é tudo o que não é primeira residência (comercial ou residencial). “A tendência para 2007 é hotel + residencial”, conclui.

No Caminho da Eficiência Ambiental

Wagner Bartolozzi, gerente empresarial, da Ultragaz, empresa do Grupo Ultra, considerada a maior distribuidora de GLP do Brasil em termos de volume vendido, disse que a empresa detém participação de 24% no mercado brasileiro, distribuindo GLP a mais de 10,5 milhões de domicílios. A empresa que em 2005, atingiu um volume total vendido de 1,5 milhão de toneladas de GLP, associa seus objetivos aos requisitos estabelecidos pela ISO 14001. No ano de 2005, a Ultragaz implementou um programa de gerenciamento ambiental, baseado na análise dos aspectos e impactos ambientais inerentes à sua operação, que vem otimizando a utilização de recursos naturais nas bases de operação, além de promover um intenso treinamento dos técnicos de segurança em questões de meio ambiente.

O objetivo desse programa é a adequação de todas as instalações da Ultragaz aos requisitos da norma ISO 14000.

Josemar Brancacci da Orbitek Gás Systems, mostrou soluções da empresa em refrigeração, congelamento, aquecimento e geração de energia a gás. Falando em eficiência ambiental, disse que os equipamentos da empresa, sistemas de aquecimento central de passagem e sistemas de ar condicionado e gás, possibilitam uma economia significativa no consumo de gás para a hotelaria, e como isso contribui de forma importante na redução de gases de efeito estufa.

Renovação, Retrofit e Produtos Supereconômicos: Tendência para São Paulo.

O arquiteto Paulo Lucio de Brito falou sobre Planejamento e Projetos de Hotéis, destacando que hoje as tendências da hotelaria atual em São Paulo, segue duas vertentes: a renovação ou retrofit, e os produtos supereconômicos, que atendem especialmente o mercado das viagens de negócios.

”É um produto moderno e compatível com as necessidades desse tipo de hóspede”, analisa, argumentando que o Parque hoteleiro paulista foi bastante castigado pela superoferta ocasionada pelo surgimento dos residenciais com serviços, que acabavam compondo o pool de grandes cadeias hoteleiras, gerando uma concorrência desleal. Mas isso, segundo ele é passado.

Ele observa que o ideal para um investidor é projetar o empreendimento já como hotel e não criar um residencial que exige fórmulas mágicas para se tornarem operáveis. Para Brito, a modernização dos hotéis, especialmente da região central é de fundamental importância.

“Se a renovação for feita com profissionalismo, através de uma equipe experiente, é sucesso garantido”. Ele alerta, entretanto, que não basta renovar apenas no aspecto físico, é preciso também reposicionar o produto com relação ao seu público alvo.

Na rodada de negócios destacaram-se as empresas DOCOL (Metais Sanitários), LAMACHIA (Projetos Arquitetônico) ULTRAGAZ –ORBITEK (Gás GLP).

Serviços
(11)5531-1252
grupohotel@grupohotel.com.br
www.grupohotel.com.br

Por:
Eny Amazonas
Amazonas Press Assessoria & Comunicação

  
  

Publicado por em

Marcos airton alves de araujo

Marcos airton alves de araujo

20/07/2009 20:59:08
Ola Denise,

Sou Prefeito da cidade de Lençóis na Bahia e estou querendo reorganizar o nosso turismo e qual a sua ideia,
gostaria de ter uma consultoria, más também gostaria de saber qual o valor.
Lencois na Chapada Diamantina, vem atravessando uma crise junto com o pais, más temos grandes possibilidades de dar a volta por cima e necessito urgente dessa reorganização.

Denize Dantas

Denize Dantas

14/11/2008 11:52:56
Acredito que para que todo e qualquer empreendimento obter sucesso faz-se necessário, primeiramente, que em seu quadro fncional existam profissionais qualificados do setor que abranjam da gestão à área operacional. Devem ser colocados os "pingos nos ís". Afinal, para que servem os turismólogos (gestores em turismo), os gestores ambientais, os técnicos em turismo,ecnomistas, etc?
Hoje, nos deparamos com a preocupação da gestão hoteleira em relação às práticas sócio-ambientais. O lucro é bem vindo, mas sem o respeito para com o meio - principal produto do turismo - se esvai entre as fendas do mau uso destes recursos.
Por em prática as atividades ecológicamente corretas e sensibilizar pessoas não é uma tarefa fácil. Porém, uma gestão flexível,composta por uma equipe qualificada e guarnecida com a produção de um planejamento, com visão holística e bem estruturado,será a garantia da obtenção de resultados positivos tanto ao meio quanto aos fins de um empreendimento.

Denize Dantas
Bióloga - formada pela UFRPE; Concluinte do Curso de Turismo pela Faculdade Maurício de Nassau(FMN) e, Concluinte do Curso de Pós-Graduação em Gestão Ambiental pela Faculdade Frassinetti do REcife (FAFIRE).

Lyanne Rehder

Lyanne Rehder

Olá Denize, Obrigada pela participação. Concordo contigo e torço para que mais e mais pessoas pensem dessa forma e tenham ações mais conscientes e responsáveis. abs