Paratur participa de cooperação técnica em parque

A Companhia Paraense de Turismo (Paratur) participa da cooperação técnica para elaboração da estratégia de uso público do Parque Nacional da Amazônia, em Itaituba, no pólo Tapajós. So

  
  

A Companhia Paraense de Turismo (Paratur) participa da cooperação técnica para elaboração da estratégia de uso público do Parque Nacional da Amazônia, em Itaituba, no pólo Tapajós.

Sob a coordenação do Ministério do Meio Ambiente, o plano está em fase inicial de execução e enviou ao Estado a técnica Sônia Kinker e o consultor Milton Dines para discussão de alternativas para utilização do espaço. A participação da Paratur no plano é coordenada pelo Núcleo de Planejamento (Nup).

O Parque Nacional da Amazônia foi criado em 1974, durante o Programa de Integração Nacional do governo militar e hoje é gerenciado pelo Ibama. Ele está incluído na categoria de Unidade de Conservação de Proteção Integral (UC) e tem como finalidade resguardar as atividades naturais, conciliando a proteção integral da fauna, flora e das belezas naturais com o uso para fins educacionais, recreativos e científicos.

De acordo com a gerente técnica do Proecotur (Programa de Desenvolvimento do Ecoturismo na Amazônia Legal) Pará e especialista em Ecoturismo do NUP, Rita Moreira, o Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) está discutindo mudanças na legislação ambiental brasileira, para melhor aproveitamento das UC's que sejam abertas a população, com fins tanto educativos quanto de lazer e turístico; não somente para preservação.

"Através do Plano de Manejo é feito o zoneamento do Parque, para que possamos identificar quais ecossistemas se encontram fragilizados devido a ação do homem e como devem ser protegidos, além de se avaliar em quais espaços dessa área tem a possibilidade de se desenvolver atividades de visitação, trabalho de educação ambiental, realização de atividade recreativas e turísticas. Por isso, a necessidade de uma estratégia de uso público", explica.

Segundo ela, o papel da Paratur será subsidiar o Ministério do Meio Ambiente com informações, estudos e dados a respeito do Parque Nacional da Amazônia, além de elaborar propostas e fazer indicações para que o local tenha condições de visitação. Entre as ações realizadas estão a implantação de uma trilha interpretativa e capacitação de condutores ambientais para manutenção da trilha na área. "Inclusive, hoje, grupos de turistas, principalmente estrangeiros, freqüentam o Parque para observação de pássaros", conta a turismóloga.

Fonte: Jornal de Turismo

  
  

Publicado por em