Parceria apóia recuperação econômica sem degradação ambiental

Nos últimos 40 anos, 60% da população de Aimorés, região nordeste de Minas Gerais, deixou a cidade para procurar lugares mais prósperos para se fixar. A falta de atividade econômica forte deixa os habitantes sem boas perspectivas e o êxodo piora ainda mai

  
  

Nos últimos 40 anos, 60% da população de Aimorés, região nordeste de Minas Gerais, deixou a cidade para procurar lugares mais prósperos para se fixar. A falta de atividade econômica forte deixa os habitantes sem boas perspectivas e o êxodo piora ainda mais os negócios da cidade. Fixar a população e promover o desenvolvimento sustentável são os objetivos de uma parceria entre a Organização Não-Governamental Instituto Terra e o Sebrae.

O investimento total de quase R$ 500 mil da parceria trouxe conhecimento para criadores de gado leiteiro e artesãos que passaram por treinamentos e acompanhamento de técnicos. Um diagnóstico constatou que o rebanho da cidade, apesar de grande, tem baixa produtividade, dificuldades de transporte do produto e desmotivação dos pequenos produtores. Assim, foi implantado um programa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para capacitação dos micro e pequenos produtores.

A técnica consiste em concentrar o trabalho em pequenas áreas da fazenda para melhorar a produtividade.

`Acreditamos que o produtor não terá que usar as metades de cima dos morros`, explica Gilson Gomes. Controle de chuvas, temperaturas, de receitas e despesas e um projeto de irrigação também são realizados.

`Eles viram em São Paulo fazendas produzindo 400 litros de leite em dois hectares, enquanto eles tiram apenas 60 litros de 15, 20 hectares`, diz o técnico.

Técnicos locais foram treinados para acompanhar o desenvolvimento do programa em nove produtores da região que servirão de exemplo para os outros. Os resultados já começam a aparecer e serão medidos com exatidão depois do período das chuvas.

`Nesta época é natural o aumento da produtividade e por isso é difícil colher dados precisos`, explica Gilson Gomes.

Espera-se um aumento de produtividade de 300% nas fazendas demonstrativas em três anos. A renda do produtor irá dobrar nesse período e, com isso, o êxodo rural também irá diminuir. Por meio do uso racional dos recursos naturais 20% da área de pastagem poderá ser reduzida e dar lugar ao reflorestamento.

A viabilidade econômica para o produtor será o principal argumento para ampliar o projeto, desta vez sem subsídios.

`Queremos chegar a 200 propriedades assistidas com recursos dos fazendeiros. O retorno econômico justifica o investimento`, acredita Gilson. Para fazer parte o produtor precisa obedecer regras como preservar matas ciliares e cercar nascentes.

Cultura esquecida

O artesanato, apesar de ser uma atividade economicamente incipiente, tem grande importância na preservação da cultura popular e é uma das poucas oportunidades para ocupar a mão-de-obra disponível. Dois grupos de trabalhadores, um do interior de Aimorés e outro da sede do município, passou por treinamentos com consultores do Sebrae entre julho e outubro de 2005.

Batizado de Arte da Terra,os 19 artesãos da sede de Aimorés já pensam em criar uma cooperativa. `Íamos, cada um por si, para a feira quinzenal da cidade. Olhávamos uns para os outros com concorrentes. Hoje queremos trabalhar juntos, ter uma loja para expor os produtos`, conta a artesã Selma Oliveira.

O estudo do design tem seu resultado evidente nas peças de patchwork (técnica que tem como base o uso de sobras de tecido) marca do grupo. Mas outras mudanças, mais difíceis de enxergar, têm também grande importância.

`Nos faltava a visão de negócio, calcular os custos, planejar. Agora sabemos tudo na ponta do lápis`, diz Selma.

Em São Sebastião da Vala, distrito que sediou o grupo rural e que tem menos de dois mil habitantes, os artesãos juntaram, ao tradicional ponto cruz, trabalhos em palha, coco, tronco de bananeira e até em capim. A medida em que os cursos foram realizados, surgiram tradições preciosas e esquecidas.

`Teve gente que se lembrou de uma boneca que a avó fazia, do uso da palha, do tecido`, conta a responsável pelo projeto Giuliene Lírio.

Instituto Terra

O Instituto Terra foi criado pelo fotógrafo reconhecido em todo mundo Sebastião Salgado. A idéia é recuperar a mata atlântica que originalmente ocupava a fazenda onde ele foi criado, a Bulcão e toda a região do Vale do Rio Doce. Junto com o trabalho ambiental, o Instituto busca o desenvolvimento sustentável da cidade, que tem 24,4 mil habitantes e fica na divisa de Minas Gerais e Espírito Santo.

Fonte: Sebrae

  
  

Publicado por em

Leticia

Leticia

17/11/2008 19:06:03
Noossa maravilhaaa eu ameii