Avaliação de Conformidade (AC) - porque é importante para o Turismo

"Os empresários precisam entender a importância de se ter um Sistema de Gestão da Segurança Certificado e de se trabalhar com condutores de Turismo de Aventura Certificados" Avaliação da Conformidad

  
  

"Os empresários precisam entender a importância de se ter um Sistema de Gestão da Segurança Certificado e de se trabalhar com condutores de Turismo de Aventura Certificados"

Avaliação da Conformidade possibilita transparência aos consumidores

Você já ouviu falar da expressão Avaliação da Conformidade ou simplesmente “AC”" O termo técnico pode ser desconhecido por grande parte dos brasileiros, mas está presente em nosso dia-a-dia. De caráter voluntário ou compulsório (estabelecido com base na legislação), o Inmetro pode implementar o processo de AC em um produto ou serviço. E quanto aos ganhos para o consumidor" Aumento da confiança de que o produto ou serviço está de acordo com Normas Técnicas e com Regulamentos Técnicos aplicáveis.

Quem explica melhor o processo é Gustavo José Küster, Gerente da Divisão de Programas de Avaliação da Conformidade do Inmetro: “A Avaliação da Conformidade é um processo sistematizado, com regras pré-estabelecidas, devidamente acompanhado e avaliado, de forma a propiciar adequado grau de confiança de que um produto, processo ou serviço, ou ainda um profissional, atende aos requisitos pré-estabelecidos por normas ou regulamentos, com o menor custo possível para a sociedade”.

Segundo ele, trata-se de um processo respeitado, pois tem dois objetivos fundamentais: deve atender preocupações sociais, estabelecendo com o consumidor uma relação de confiança de que o produto, processo, serviço ou ainda um profissional está em conformidade com requisitos especificados e não pode tornar-se um ônus para a produção, isto é, não deve envolver recursos maiores do que aqueles que a sociedade está disposta a investir.

A previsão é de que até o final deste ano empresas e profissionais de Turismo de Aventura passem pelo processo de Avaliação da Conformidade, visando obter a certificação no segmento. Contudo, estima-se que uma grande transformação advindo do processo de Normalização e da Certificação. Devido à desorganização do segmento, a informalidade das empresas e a ausência de referências para o turista os desafios são amplos.

Küster destaca, porém, um caso semelhante ao do segmento de aventura brasileiro. “Na área de serviço podemos citar o segmento de instalação do sistema de Gás Natural em veículos automotores. Tínhamos uma situação bem precária, com problemas de toda ordem e hoje, dois anos após a implantação do programa temos mais de 700 oficinas espalhadas pelos estados que utilizam este combustível, registradas no Inmetro”, conta.

Para o especialista, as empresas terão que aproveitar ao máximo as iniciativas do Poder Público em prol do segmento, para se destacarem no setor, o que inclui, é claro, aderir ao processo de implantação das Normas Técnicas e a participação no processo de Avaliação da Conformidade. “Será necessário mudar a cultura dessas empresas. Os empresários precisam entender a importância de se ter um Sistema de Gestão da Segurança Certificado e de se trabalhar com condutores de Turismo de Aventura Certificados”, salienta.

Apesar do grande desconhecimento por parte dos consumidores do processo de AC, a marca do Inmetro tem grande respaldo no País e no exterior. “O consumidor pode não saber como funciona o processo de certificação, mas ele confia na marca do Inmetro e aposta no produto ou serviço prestado que carrega essa marca”, acrescenta.

Segundo o Gerente da Divisão de Programas de Avaliação da Conformidade do Inmetro, uma vez implementado o processo de avaliação da conformidade será possível divulgar o País em âmbito internacional. “Teremos empresas com Sistema de Gestão da Segurança e Condutores Certificados no âmbito do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade – SBAC, cujo Inmetro é o gestor, sendo reconhecido mundialmente”.

O processo de acreditação de organismos responsáveis também é rigoroso e deve seguir uma série de procedimentos e avaliações. Küster explica que as entidades são avaliadas de acordo com guias, normas nacionais e internacionais e têm que demonstrar competência técnica e gerencial para realizar tarefas específicas de avaliação da conformidade. “Qualquer instituição pode participar, desde que demonstrada competência e imparcialidade. É vetada a participação de organismos acreditados nas atividades de consultoria, além de os organismos acreditados passarem por avaliações ou auditorias constantes”, finaliza.

Fonte: ABETA
Editoria: Equipe Turismo Responsável

  
  

Publicado por em