Aumento de passageiros é baseado na crescente confiança nos negócios

A aviação é um importante catalisador para o crescimento econômico e para a prosperidade

  
  

A International Air Transport Association (IATA) anunciou os resultados globais de tráfego de passageiros de fevereiro mostrando uma aceleração do crescimento da demanda em decorrência a confiança nos negócios, principalmente em regiões emergentes. A demanda de passageiros subiu 3,7% em relação a fevereiro de 2012.

O crescimento foi de 3.7% nos últimos meses. Outubro de 2012 parece ter sido um momento de virada para o mercado de transporte aéreo. Desde outubro, a demanda de passageiros vem crescendo a uma taxa anual de 9%. Esse é quase o dobro da tendência de crescimento ao longo dos primeiros nove meses de 2012.

"O desempenho de fevereiro foi uma boa notícia. A demanda pelo transporte aéreo continua aumentando devido ao otimismo econômico e a uma melhora nos Negócios como um todo. Mas esse crescimento vem acompanhado de algumas ressalvas. Grande parte do crescimento está concentrado em mercados emergentes. A Europa continua lenta.

E a gestão da crise bancária no Chipre lembrou a todos nós que os problemas profundos nas economias da Zona do Euro continuam ", disse Tony Tyler, diretor-geral da IATA e CEO.

A capacidade era acima de 1.0% em fevereiro do ano passado e a taxa de ocupação da indústria permaneceu em 77,1%. "As companhias aéreas estão gerenciando cuidadosamente a expansão da capacidade, que está mantendo o fator de carga em uma alta recorde. Isso está ajudando a indústria a continuar rentável apesar dos preços do petróleo persistentemente elevados.”

Mercados internacionais de passageiros

Em fevereiro a demanda internacional de passageiros cresceu 3,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, e 0,9% em relação a janeiro. A capacidade cresceu 1,1% em relação a fevereiro de 2012 e taxa de ocupação subiu 1,8 pontos percentuais, para 76,3%.

• Operadoras da região Ásia-Pacífico registaram um aumento de 4,5% em relação a fevereiro de 2012. As melhorias contínuas na economia da China e crescimento no comércio intra-asiático forneceram o forte apoio ao negócio de passageiros de companhias aéreas da região. Com esse desempenho robusto, a demanda associada a mercados emergentes da Ásia-Pacífico tem sido um dos principais motores do crescimento no tráfego internacional visto recentemente.

• Operadores europeus registaram um crescimento de 0,8% em relação a fevereiro de 2012. Refletindo a contração da economia da Zona Euro no quarto trimestre de 2012, companhias aéreas europeias não viram nenhum crescimento da demanda internacional desde outubro. Eles têm respondido firmemente à capacidade de gestão, que caiu 2,0% ano-a-ano em fevereiro. Isto empurrou o fator de capacidade em até 76,5%.

• As companhias de tráfego internacional da América do Norte cresceram apenas 0,3% em fevereiro em relação ao mesmo período de 2012; no entanto isso não reflete a tendência de crescimento significativa de base dos últimos meses. A receita de quilometragem de passageiros internacionais para a América do Norte está acima de 3% em fevereiro em comparação a outubro. A capacidade de carga subiu para 76%, o que reflete uma redução de 4,6% na capacidade em relação ao ano passado.

• Operadoras da região do Oriente Médio viram em um período de um ano expandir a demanda em 10,6% - a mais forte entre todas as regiões. A expansão da capacidade foi para 9,7% com o resultado que aumentou a capacidade de carga em 0,7% pontos para 77,7%, a mais alta de qualquer região.

• Companhias aéreas da América Latina publicaram crescimento anual de 7,0%. Um aumento de 9,9% na capacidade empurrou para baixo taxa de ocupação de 2,1 pontos percentuais para 76,7%. O robusto crescimento econômico em países como a Colômbia, que está vivenciando uma forte demanda por exportações de commodities, está contribuindo para o crescimento do transporte aéreo.

• Companhias de tráfego aéreo africanas subiram 7,7% em relação a fevereiro de 2012, o segundo melhor entre as regiões, enquanto a capacidade cresceu 3,9%, aumentando os fatores de carga de 2,3 pontos percentuais para 65,2%. O aumento na taxa de ocupação iniciada em meados de 2012 foi apoiado por um aumento na demanda e também de gestão mais rigorosa da capacidade.

Mercados domésticos de passageiros

Os mercados domésticos subiram 3,9% em fevereiro em comparação ao ano anterior, impulsionados principalmente pelo aumento de demanda na China, já que todos os outros mercados tiveram queda com exceção da Austrália que subiu 2,2%. A capacidade doméstica total foi de 0,8% em relação a fevereiro de 2012 e a taxa de ocupação subiu 2,3 pontos para 78,8%.

• Tráfego dos EUA caiu 0,6% em fevereiro, enquanto a capacidade caiu 2,5%, empurrando fator de carga em até 80,4%, segundo maior entre os mercados domésticos. Tal como acontece com o tráfego internacional, a taxa de crescimento ano-a-ano está mascarando um pequeno aumento recente na tendência de crescimento. O mercado dos EUA tem crescido a uma taxa anual de 9% desde o quarto trimestre de 2012.

• Tráfego doméstico chinês subiu 20,2% em relação a um ano atrás, refletindo o impacto do Ano Novo da China, mas também a aceleração contínua da economia. Com capacidade de até 13,7%, o fator de carga saltou 4,5 pontos percentuais para 83,8%, a maior alta de todos os mercados domésticos. Em relação a janeiro, o tráfego cresceu 5,3%.

• O mercado interno do Japão contraiu 3,1% em relação a fevereiro de 2012, devido à economia de revestimento plano e fraca demanda doméstica relacionada a viagens aéreas. Tráfego doméstico do Japão é de 12% abaixo dos níveis pré-tsunami. A capacidade caiu 4,7% ano-a-ano e a taxa de ocupação foi a mais baixa dos mercados, de 62,4%.

• O Brasil viu o tráfego cair 4,3% em uma queda de 10,6% na capacidade já que as companhias aéreas do País tendem a compensar a pressão de baixa sobre a rentabilidade, com crescimento econômico abaixo das expectativas. A taxa de ocupação subiu 4,6 pontos para 70,7%.

• O tráfego doméstico indiano caiu 9,1% em fevereiro em comparação a um ano atrás. Além da desaceleração da economia, as companhias aéreas indianas têm reduzido a capacidade dos níveis que eram insustentáveis anteriormente. A capacidade diminuiu 7,5% em fevereiro e taxa de ocupação caiu para 74,5%.

Ressalvas:

Em 20 de março, a IATA elevou sua projeção de desempenho da indústria para uma margem de lucro líquido de 1,3% para 1,6%.

"Fortunas do setor parecem estar se movendo na direção certa. Mas as margens são extremamente estreitas. E qualquer choque - seja da crise da Zona do Euro ou confiscação do orçamento nos EUA - poderia impactar negativamente na perspectiva”, disse Tyler.

Medidas de confisco do orçamento começaram a fazer efeito na segunda-feira, 1 de abril. Juntamente com o impacto econômico da incerteza e da redução dos gastos públicos, as preocupações operacionais são significativas.

Os passageiros dos EUA poderiam enfrentar atrasos nos voos e filas mais longas que as habituais na Segurança e Controle da fronteira.

"É injusto que os passageiros sofram o impacto. As companhias aéreas e os passageiros já pagam em torno de US$ 4,5 bilhões por ano de taxas e impostos para os serviços essenciais de controle de fronteiras e segurança do aeroporto.

É pouco provável que as economias que serão obtidas a partir dessas taxas irão compensar o dano para a economia se o transporte aéreo é desencorajado por estes cortes.

A aviação é um importante catalisador para o crescimento econômico e para a prosperidade. O custo dos choques, incertezas e surpresas desagradáveis só podem prejudicar os esforços de reanimar a economia.

A prioridade do governo deve ser extrair o maior benefício econômico possível no setor da aviação, não o tornando mais difícil de fazer negócios", disse Tyler.

Visite: www.revistaecotour.com.br
Fonte: Amanda Moreira

  
  

Publicado por em